A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 05 de Dezembro de 2016

04/02/2013 09:16

"Fome Zero" foi deturpado e mal copiado

Por Ruy Sant’Anna (*)

A TV Globo no Globo Rural de domingo, mostrou o resultado das chuvas no Piauí. Lá os campos, lagoas, açudes, cisternas estão cheios de água. O pasto está renascendo. Os sertanejos que ficaram ainda mais pobres com o gado que morreu, por ter de comprar água para sua subsistência e da família, por enquanto não terá mais essa despesa. Também o jornal A Folha de São Paulo deu idêntica notícia, sobre o estado do Piauí.

Veja Mais
Tédio é a falta de projeto
Dólar alto: bom ou ruim para o agronegócio?

Alguém pode achar que, então o problema do Nordeste está resolvido? Não, essa questão da chuva é muito localizada e na maioria dos estados nordestinos a seca ainda castiga. E segundo técnicos, aqueles estados devem levar, pelo menos, 10 anos para recuperar suas lavouras e rebanhos.

O que foi mostrado sobre o sofrimento do piauiense é que com a morte de seu reduzido rebanho caprino e bovino, o governo distribuiu aproximadamente uns dois quilos de sementes de milho, para cada proprietário, plantar. Um dos beneficiados mostrou à reportagem a quantidade de sementes.

Caramba, é assim que o governo federal diz para o mundo que erradicou a miséria no Brasil? Não resolve problemas e amplia o assistencialismo através de novos bolsistas.

Pior é que é exatamente isso que o governo tem feito durante as viagens da presidente pela Europa, EUA e países aqui da América do Sul. Deprimente demagogia.

Ao invés de um Programa abrangente às reais necessidades do sofrido sertanejo, o governo manda uns poucos quilos de sementes de milho (dois a três quilos),

O que a presidente nem Lula nunca comentou é que o “Fome Zero” é uma cópia de um Programa americano. Com uma fundamental diferença: no Brasil os participantes do programa ficam amarrados ao compromisso de seguir regras impostas aos pobres e miseráveis sem receber qualificação, nem emprego.

Aqui, o governo busca aumentar ainda mais o assistencialismo financeiro e desamparo à autoestima de quem fica amarrado a compromissos e às bolsas qualquer coisa. O governo parece não ter interesse no trabalho deles. Prefere tê-los atrelados às contas governamentais, e aos votos da próxima eleição.

Com isso, os bolsistas acabam preferindo a comida no prato, com receio de tentar um emprego, não dar certo e ficar sem a comida e desempregado. Claro, sem qualificação a situação fica bem mais difícil...

Assim, o subemprego só aumenta.

Alguém pode estar tranquilo ao receber do governo federal a “suplementação”mensal de R$ 2,00 (dois reais) para deixar de ser miserável? Como aconteceu no fim de 2012 com o “Brasil Carinhoso”?

O governo federal somou esses R$ 2,00 aos que tem renda familiar de R$ 70,00 (setenta reais), porque “tecnicamente” essas famílias são miseráveis. Então, na cabeça do governo, com mais R$ 2,00 (dois reais) elas saem da miséria. Quanta bondade...

O bom seria que o governo federal aderisse ao modelo americano copiado e deturpado aqui.

Originalmente, o modelo americano tem o apelido de workfare, que, em tradução livre, significa caminho para o trabalho.

Aqui já sabemos que o objetivo é totalmente oposto: o governo federal quer a subordinação das pessoas às bolsas que são aumentadas, com a autoestima apequenada.

Pelo menos o governo estadual de Mato Grosso do Sul tem aumentado as ofertas de qualificação, com abertura de novas frentes de trabalho. E os cursos disponíveis foram pesquisados para atender às necessidades das empresas, e melhoria de vida dos trabalhadores.

O Brasil vive à espera de chuvas para evitar apagões e/ou despesas com energia à carvão ou diesel. Soma-se à essa dependência de chuvas o alívio momentâneo da seca que mata animais e humilha pessoas.

Deus parece ser o nosso Presidente, porque è a Ele que os industriais, agropecuaristas, comerciantes e a população em geral agradecem, não por causa de Programas Abrangentes do governo, mas pelas chuvas benfazejas que o Senhor Criador nos manda.

Claro que algum dia o governo federal deve acordar para essas realidades e há de corrigi-las. Com essa esperança é que me junto aos fortes sertanejos e corajosos brasileiros em geral e lhes dou bom dia, o meu bom dia pra vocês.

(*) Ruy Sant’Anna é jornalista e advogado

Tédio é a falta de projeto
Recentemente, deparei-me com duas situações. Na primeira, eu almoçava com dois amigos, ambos na faixa dos 55 anos de idade, funcionários públicos bem...
Dólar alto: bom ou ruim para o agronegócio?
Claro, depende da hora e do mercado, exportação ou de mercado interno. Agora, falando da soja, o principal produto da pauta brasileira de exportações...
Marcas lutam diariamente para impactar as pessoas
Segundo pesquisas, temos contato com aproximadamente 2.000 marcas em um dia “comum” e menos de 300 delas ficam em nossa memória. Por isso, essas marc...
A modernização das leis do trabalho: oportunidade, não oportunismo
Crises econômicas em qualquer país do mundo ensejam debates sobre reformas. São nos cenários de recessão prolongada que as nações se defrontam com se...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions