A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 05 de Dezembro de 2016

21/01/2014 09:37

“Se a palavra submissa incomoda, queimai a Bíblia”

Por Gregório Vivanco Lopes (*)

A jornalista italiana Costanza Miriano gerou uma grande polêmica com a publicação de seu corajoso livro Casa e sê submissa (Sposati e sii sottomessa), um best-seller na Itália, já traduzido na Espanha por iniciativa da Arquidiocese de Granada.

Veja Mais
Marcas lutam diariamente para impactar as pessoas
A modernização das leis do trabalho: oportunidade, não oportunismo

A esquerda estremeceu. O Partido Socialista español pediu ao governo que tome medidas para evitar que a obra faça “apología do machismo”. Furiosa, a deputada socialista Carmen Montón diz que o livro “não contribui para a luta contra a violência de gênero, pois joga lenha ao fogo da violência machista”. Também a Esquerda Unida reagiu, pedindo à Promotoria de Granada que intervenha contra a edição e a venda da obra.

A autora, 42 anos, mãe de quatro filhos, residente em Roma, diz que sua fonte de inspiração é o Apóstolo São Paulo; mostra-se surpresa com toda essa polêmica. Em entrevista ao jornal “El País” (17-11-13), afirma:

“Estou consternada por imaginar que podem censurar o livro, que contém ideias que a Igreja proclama ao mundo desde sempre. De início imprimi apenas 1.200 cópias. Telefonei para minha família com a esperança de que pelo menos comprasse uma meia dúzia. Mas depois o livro teve muitas edições, mais de vinte, creio”.

O entrevistador diz que o livro está sendo acusado de defender a violência contra as mulheres. Constanza responde:
“Em que ponto exato eu exorto, defendo, desculpo, justifico ou menciono a violência, mesmo remotamente? Em que momento digo algo disso? Onde? Com que palavras? A única violência que vejo em tudo isto é a que estão fazendo contra mim, que também sou mulher. Uma agressão indignante. Não se pode lançar acusações ao ar.

“Olhei para a minha realidade e a de meus amigos, e nossos problemas são como ser feliz com nossos maridos, como amar melhor, como cuidar deles e como pedir que cuidem de nós, como manter unidos todos os papéis que tem uma mulher moderna: mulher, mãe, trabalhadora, mulher de fé que cultiva o espírito, mas que também aprecia cuidar de seu corpo. Quem imaginaria que meus escritos iriam ser lido por 50.000 pessoas na Itália e no Exterior?

“Se o que incomoda é a palavra submissa, então queimai todas as cópias da Bíblia. Nesse caso, será para mim uma honra ir para a fogueira”.

Constanza se baseia na seguinte exortação do Apóstolo São Paulo: “As mulheres sejam submissas a seus maridos, como ao Senhor [...] Ora, assim como a Igreja é submissa a Cristo, assim também o sejam em tudo as mulheres a seus maridos. Maridos, amai as vossas mulheres, como Cristo amou a Igreja e se entregou por ela” (Ef 5, 22-25).

(*) Gregório Vivanco Lopes é advogado e colaborador da ABIM

Marcas lutam diariamente para impactar as pessoas
Segundo pesquisas, temos contato com aproximadamente 2.000 marcas em um dia “comum” e menos de 300 delas ficam em nossa memória. Por isso, essas marc...
A modernização das leis do trabalho: oportunidade, não oportunismo
Crises econômicas em qualquer país do mundo ensejam debates sobre reformas. São nos cenários de recessão prolongada que as nações se defrontam com se...
Educação e o futuro da alimentação
Educação deve colaborar na preparação de todos para o pleno exercício da cidadania e, especialmente, formar os jovens para uma vida profissional que ...
Convenções internacionais e competitividade
O Brasil precisa atuar com mais critério na hora de analisar e ratificar convenções multilaterais, especialmente as negociadas no âmbito de entidades...



Não há quem não cometa a rebeldia e não sofra as consequências, podemos ver essa afirmativa no livro de Salmos, capítulo 5 e versículo 10 que diz: “Declara-os culpados, ó Deus; caiam por seus próprios planos. Rejeita-os por causa de suas muitas transgressões, pois se rebelaram contra ti.”
Para os que desejam se libertar de tal capricho é preciso se render e se arrepender das maldades que outrora praticava, pois somente Deus pode limpar o coração e dar uma nova chance para que o indivíduo possa recomeçar uma vida com domínio próprio.
 
Lupercio Meneguelli em 24/01/2014 10:37:24
Nossa! Tem gente que parou no tempo mesmo! Evolui minha gente! Os tempo são outros! É incrivel como existem pessoas que acham "normal" viver como há mais de dois mil anos atras! Volta pra caverna!
 
Ricardo Boretti em 21/01/2014 20:42:47
O papel dado a mulher é o de auxiliadora, ou seja, ela não ocupa na família o papel principal, o de cabeça, mas auxiliadora idonia. Deus sabe o que faz, e fez a mulher para ajudar o marido, e este deve ser o comandante da casa. Uma casa que é comandada pela mulher, e o marido assumindo o papel de auxiliador se torna bizarra. Analisem um pouco as famílias que funcionam assim e verás o que digo. E Acrescento ainda, submissão não é cabresto é simplesmente a mulher ocupar o seu IMPORTANTE papel de auxiliadora como disse Deus, e ELE sabe o que faz!
 
Ronaldo Pisurno em 21/01/2014 17:14:13
Hoje se faz as interpretações que convém da bíblia! Isso é chamado hipocrisia!
 
Ricardo Boretti em 21/01/2014 15:00:11
Tem gente que quer torcer a palavra, mas ela significa mesmo obediência. Aliás, não tem nada de errado nisso, pois é muito nobre, puro, edificante, realizador, satisfatório, do que se sujeitar a um patrão que te respeita, ama, valoriza? Só para citar um paralelo. Assim é a mulher acatar a direção do marido que a ama.
Por que há violência? Porque se ensina a mulher ser rebelde, que ela pode fazer o que bem entende. Não estou dizendo que isso dá consentimento ao homem tratá-la mal, mas devemos admitir que uma postura inadequada contribui para a violência, pois a Bíblia mesmo diz que "palavras duras suscitam a ira" (Pv 15.1). Outra, não se pede nada para a mulher, apenas se fala que o homem não deve agredi-la. Que o homem deve amá-la é certo, mas ela também deve ser legal com ele.
 
Carlos Trapp em 21/01/2014 14:38:02
Parabéns a matéria... se voltasse a ensinar a palavra "bíblia" nas escolas... com certeza o evangelho de Cristo seria entendido... porque tentar exortar hoje para quem nao teve um encontro pessoal com Jesus é impossível... corações duros...Hoje a verdade esta mascarada, ha muito tempo estao querendo nos enganar com este secularismo barato...
 
Alexandre Nogueira em 21/01/2014 13:10:26
Concordo quando ela diz: "...queimai todas as cópias da Bíblia"... A Bíblia é o livro mais machista que existe, aliás só podia ser escrito por homens.... Quem conhece e já leu sabe do que falo, nem preciso citar aqui as inúmeras passagens que comprovam o que digo.
 
ester medina em 21/01/2014 12:58:07
Lá atrás, a palavra tinha outro sentido que não aquele hoje aplicado.
 
Suzi da Costa em 21/01/2014 11:23:08
Incrivel! Bela publicaçao, os ideais cristaos para a familia sao maravilhosos... 50 tons de cinza o povo gosta né? Prosmicuidade e sujeira pode...
 
Willian Gomes Justi em 21/01/2014 10:39:20
É preciso entender o contexto dessa submissão: Sub = debaixo, abaixo. Ambos (homem e mulher) estão debaixo da mesma missão. Amar a Deus sobre todas as coisas e ao próximo como a ti mesmo.
 
cezar em 21/01/2014 10:04:46
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions