A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 23 de Janeiro de 2017

15/12/2010 15:24

62 anos da Declaração Universal dos Direitos Humanos

Por Nielsen de Paula Pires (*)

A Assembleia Geral das Nações Unidas aprovou em 10 de dezembro de 1948 a Declaração Universal dos Direitos Humanos, um marco referencial para a ordem mundial. A Assembleia tornou-se a guardiã e responsável pela síntese do que se entende por Direitos Humanos, pela reflexão e aprofundamento de seus conceitos e pela vigilância de sua aplicabilidade. Foram 48 votos a favor, 8 abstenções (URSS e demais países socialistas da época, além da Arábia Saudita, a África do Sul. Ausentes da votação Honduras e Yemen).

Os Direitos Humanos são um conjunto de normas que protegem os seres humanos na vida em sociedade. É um código moral e de conduta universal. Influi na feitura das constituições dos Estados e representa conquistas históricas. Sintetiza séculos de lutas por reconhecimento de valores, tanto os das revoluções liberais (o Bill Rights da Inglaterra 1689), a Carta da Independência das Treze Colônias da América do Norte (1776) e a Declaração dos Direitos de Homem e do Cidadão, da Revolução Francesa (1789), como os das revoluções socialistas Mexicana (1910) e Soviética (1917).

Assim, chegaram até nós os Direitos Civis – dos indivíduos – e os Direitos Políticos do cidadão. Seguiram-se os Direitos Sociais: as obrigações do Estado em favor de setores mais postergados das sociedades. São as normas, leis e estatutos laborais, agrários, de seguro e previdência social, de educação e saúde, de proteção a setores sociais, sejam os consumidores, os idosos, as crianças. Estes são os direitos de primeira e segunda gerações.

A partir da década dos 50, as Nações Unidas, por meio de suas agências, promovem a reflexão e ações com vistas a continuar subsidiando ideias em benefício da vida e da humanidade. Na sua terceira geração, amplia-se o conceito de Direitos Humanos, esses se internacionalizam, saem da soberania dos Estados e passam a ser transnacionais. Afetam a todos os povos do mundo. São os direitos à paz, ao desenvolvimento e à justiça. O conceito de paz evolui e passa a ser entendido não só como ausência de conflitos e violência ou guerra, mas como um projeto ideal-histórico, um horizonte a ser alcançado, um processo de construção de uma situação desejada de bem-estar tanto material como espiritual.

O desenvolvimento implica crescimento econômico com distribuição mais equitativa do resultado da produção social, acrescido da melhora da qualidade de vida, auferida pelo índice do desenvolvimento humano. Soma-se a esta visão a preservação do meio ambiente, que nos projeta a um modelo sustentável, de preservação da Natureza, fonte de vida para gerações futuras.

A Justiça regula tanto a situação do indivíduo frente ao Estado e à Sociedade, como os termos de direitos e deveres para com a Humanidade. No Brasil, vive-se a contradição: por um lado, predomina a violação aos Direitos Humanos em várias áreas e, por outro, apresenta a melhora dos indicadores de qualidade de vida e de sustentabilidade do sistema nos últimos vinte anos. A Constituição de 1988 é um avanço, mas sua aplicabilidade ainda é deficitária. Basta ver o preceito de que saúde é um direito de todos e um dever do Estado.

O Sistema Único de Saúde funciona precariamente. O orçamento da União em 2008 gastou com a dívida pública 30,57 % para irrigar fluxo de capital à especulação financeira. No entanto gastou 11% com saúde, educação, assistência social, habitação, segurança publica, organização agrária, saneamento básico, urbanismo, cultura e gestão ambiental. A desigualdade social é evidente: 10% dos mais pobres pagam 32,8% de sua renda em impostos enquanto os 10% mais ricos pagam 22,7% .

Pobre paga mais imposto do que rico. A economia moderna negligencia considerações éticas sobre a vida humana e a preservação da Natureza. No mundo, dois terços das pessoas vivem na pobreza e no Brasil a situação não é diferente. Presenciamos ainda crises econômicas e miséria social. Apresenta-se como desafio para a sociedade a promoção do desenvolvimento sustentável para erradicar a pobreza e a miséria. Nossa dívida social é o bem-estar da coletividade.

Temos problemas de segurança para todos. Segurança de ter trabalho, de ter habitação, saúde e saneamento básico, educação e alimentos para todos, temos moradores de rua, jovens e adolescentes e idosos desamparados, migrantes e refugiados, racismo, preconceitos, concentração das propriedades rurais em mãos de uma minoria de latifundistas, não resolvemos a situação de nossos povos indígenas, os cárceres estão superlotadas,... Enfim, temos um longo caminho a percorrer para fazermos valer os Direitos Humanos no Brasil!

(*) Nielsen de Paula Pires é professor do Instituto de Ciência Política (Ipol) da Universidade de Brasília (UnB). Licenciado em Filosofia e Ciências Sociais, realizou os estudos de pós-graduação em Sociologia do Desenvolvimento no Instituto Brasileiro de Desenvolvimento (Ibrades), no Instituto Latino Americano de Doctrina y Estudios Sociales (Ilades), no Chile, e na Universidade Católica de Lovaina, na Bélgica. Estudou Planificação Econômica, na Universidade do Estado em Ambéres, Bélgica, e História, na Universidade do Estado de Nova Iorque, Estados Unidos.

Logística reversa: pensamento sustentável pelas gerações futuras
Incertezas são o que mais temos, porém ideias norteadoras e essenciais para a construção de um futuro mais sustentável já existem. Não podemos ignora...
Quando, também na escola, se dialoga sobre as religiões
Temos percebido uma crescente preocupação acerca do papel social da escola e da educação que acontece neste espaçotempo. Numa perspectiva de sociedad...
19 anos de Código de Trânsito Brasileiro
No dia 22/01/17, o atual Código de Trânsito Brasileiro completa 19 anos de vigência. Após 31 Leis que o alteraram, com o complemento de 655 Resoluçõe...
Previdência Social: verdades e mentira
Com a reforma da Previdência, e já que acabaram com o Ministério da Previdência, vários ministros dispararam versões sobre o tema, mas como não sabem...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions