A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 24 de Janeiro de 2017

11/08/2015 13:43

A advocacia e os desafios da nossa época

Por Jully Heyder da Cunha Souza (*)

Não existe em nosso ordenamento jurídico qualquer outra entidade da sociedade civil que guarde os mesmos predicados e prerrogativas conferidas à Ordem dos Advogados do Brasil. Em sua existência a Ordem sempre esteve à frente dos grandes debates da nação, participando ativa e proficientemente da evolução da sociedade, na defesa das liberdades públicas e pelo equilíbrio institucional, em suma, na defesa do Estado Democrático de Direito. Por isso, ganhou na Constituição Federal status de instituição sui generis, independente, dotada de competências especiais e amplas, necessárias ao desempenho de suas finalidades.

E não poderia ser diferente! Até mesmo para garantir o exercício da advocacia, que requesta um ambiente de franca liberdade democrática, são indispensáveis à OAB prestígio e unidade de ação dos advogados.

Mas atualmente - não é segredo e nem impressão pessoal, senão um fato! – a Ordem e a advocacia estão em crise. Advogados não podem ser confundidos com seus clientes como forma de intimidação do exercício de sua profissão, como também - e esta é outra forma de intimidação – não podem ser aviltados na dosimetria de seus honorários. Mas a Ordem, enquanto esses fatos se sucedem, não tem tido a força e o prestígio suficientes para inibir a escalada de violações ao exercício da advocacia. Quando a Ordem se enfraquece, a advocacia definha junto.

É preciso reverter este quadro para que a OAB recupere o prestígio e o poder de intervenção nas lutas da sociedade. Mas para isso não basta à Ordem, episódica e pontualmente, exibir medidas e campanhas anódinas e superficiais.
No passado, nos dias de chumbo, de instabilidade democrática, de supressão de direitos e liberdades, a OAB sempre teve à frente, amplamente discutidas e definidas, suas bandeiras, propósitos e objetivos. Mas nos tempos que correm, com a evolução e a própria perenização da democracia liberal, os desafios são de outra ordem. Mas, infelizmente, a OAB não tem conseguido debatê-los com a profundidade e maturidade necessárias.

Não é razoável, por exemplo, que a OAB não enfrente, com independência, o tema da corrupção em nosso País e em nosso Estado. É de fácil percepção que a corrupção tornou-se o grande entrave das democracias, notadamente no Brasil, a começar do sistema eleitoral, passando pelo funcionamento da máquina estatal, até a independência dos poderes e a estabilidade institucional.

Rui Barbosa já advertia que “As instituições não caducam pela sua antiguidade: caducam pela imoralidade dos homens que as representam, que as encarnam e que as exercem”. A corrupção, portanto, atinge o que temos de mais valioso em nossa democracia, que são as Instituições.

É inaceitável a inoperância da OAB diante da avalanche de casos rumorosos de corrupção, como o do chamado “PETROLÃO" em nível nacional, e da operação “LAMA ASFÁLTICA” no Estado de Mato Grosso do Sul.

À Ordem PRECISA colocar esse debate à consideração dos advogados para buscar, igualmente, o necessário consenso nas propostas para a condução dessa luta. No caso emblemático da corrupção, por exemplo, não é razoável, até em benefício da própria cidadania, que o Ministério Público, órgão inquisitivo por natureza, assuma o proselitismo institucional e cívico na busca de soluções e de medidas de combate à essa verdadeira epidemia que assola o Estado brasileiro, até porque muitas das medidas por ele propostas representam flagrante retração das garantias processuais e da ampla defesa, armas indispensáveis à própria advocacia.

Mas não é só o tema da corrupção que deve ocupar a pauta central da OAB.

Nosso PODER JUDICIÁRIO, pode-se dizer, modernizou-se, mas não na medida necessária para a efetiva prestação da Justiça. Todavia, para tratar da morosidade da Justiça é preciso, antes de tudo, transparência absoluta do próprio Poder Judiciário para se poder democraticamente tratar-se das prioridades na aplicação de seus recursos.
Para isso, é urgente que se estabeleça um diálogo institucional respeitoso, mas absolutamente independente, para encontrar meios eficazes para a solução célere de conflitos, sem que isto implique em redução da qualidade da prestação jurisdicional.

Por outro lado, é preciso registrar, a advocacia também se modernizou. Para ajustar esse passo, é preciso compreender a necessidade de reinserir o advogado como figura indispensável e importante nas relações modernas, geridas por instrumentos tecnológicos e à distância.

A OAB não pode se negar a debater temas como estes, porque, ao negar-se, renega sua própria identidade institucional.

Que bons tempos venham para a OAB e a advocacia sul-mato-grossense. Feliz dia do advogado a todos os colegas.

(*) Jully Heyder da Cunha Souza, advogado

Sobre o mercado e o governo
O homem primitivo acordava de manhã, saía para coletar frutas, abater animais e pescar peixes, e assim ele se alimentava. Ao fim do dia, cobria-se co...
Logística reversa: pensamento sustentável pelas gerações futuras
Incertezas são o que mais temos, porém ideias norteadoras e essenciais para a construção de um futuro mais sustentável já existem. Não podemos ignora...
Quando, também na escola, se dialoga sobre as religiões
Temos percebido uma crescente preocupação acerca do papel social da escola e da educação que acontece neste espaçotempo. Numa perspectiva de sociedad...
19 anos de Código de Trânsito Brasileiro
No dia 22/01/17, o atual Código de Trânsito Brasileiro completa 19 anos de vigência. Após 31 Leis que o alteraram, com o complemento de 655 Resoluçõe...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions