A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 05 de Dezembro de 2016

24/12/2014 16:36

A crescente secularização do Natal

Joaquim Parron

A secularização é o fenômeno em que os valores religiosos são substituídos por elementos desvinculados do transcendente, por exemplo: no Natal o Menino Jesus com seu presépio é substituído pelo Papai Noel com seus presentes. O Natal, que para os cristãos é profundamente a celebração da memória do mistério da Encarnação – Jesus Cristo nasce de Maria –, no contexto da secularização torna-se uma festa social com trocas de presentes materiais. Se o Natal para os cristãos é um Deus presente na vida das pessoas, para o mundo secularizado Natal é o consumo de bens simplesmente materiais.

Veja Mais
Marcas lutam diariamente para impactar as pessoas
A modernização das leis do trabalho: oportunidade, não oportunismo

Com a crescente secularização, o original e verdadeiro sentido do Natal está sendo substituído pelo consumo, com uma mudança radical de paradigmas de pensamento e de linguagem, negando os valores cristãos. Até se pode dizer que é uma busca em silenciar a voz religiosa sobre o nascimento do Menino Deus e supervalorizar a dimensão da realização humana através do consumo material. Nesse processo consumista, temos a dramática situação do humano afastando a pessoa de si própria e do divino, e tornando-a dependente do que a moda oferece.

A dependência, na atualidade, não se resume apenas ao consumo de drogas, mas toma diversas faces. Estudos psicológicos nos Estados Unidos afirmam que uma parcela da sociedade norte-americana sofre da shopping addiction, isto é, dependência de compras. Na busca desenfreada da felicidade, as compras tornam-se uma dependência. Passadas as compras, volta a falta de significado na vida da pessoa dependente, com um vazio existencial. Pois o real sentido da vida não é o consumo; o profundo sentido existencial está na convivência fraterna, nos relacionamentos saudáveis, na relação com o divino e no espírito de solidariedade.

Inconsciente da secularização do Natal, inclusive em algumas comunidades cristãs, a ornamentação natalina ajustada aos fins comerciais tende até a invadir os espaços celebrativos do nascimento de Jesus.

No entanto, com o carisma do papa Francisco, os cristãos tendem a recuperar o sentido original do Natal do Senhor Jesus, que é o resgate do Mistério da Encarnação, onde Deus, no seu mais profundo ato de amor à humanidade, envia o seu Filho para nascer do ventre de Maria num estábulo. Ali não estavam artigos de moda e de consumo, mas sim o esplendor da simplicidade. "E Maria deu à luz seu filho primogênito; envolveu-o em faixas e o deitou num presépio, porque não havia lugar para eles na hospedaria" (Lc 2, 7). Assim, Natal é a presença de Deus na vida das pessoas no sentido mais profundo, isto é: Deus se faz humano por amor gratuito à humanidade inteira.

Cabe aos cristãos insistir na beleza do significado original do Natal, que é Deus presente na vida das pessoas, e que a troca de presentes seja o reflexo de um Deus que por amor se faz presente na vida da pessoa humana. Os presentes materiais, nesta perspectiva, tornam-se a expressão da presença de amor de Deus – "Deus é amor; quem permanece no amor permanece em Deus, e Deus nele" (1Jo 4, 16). Os presentes materiais não têm um fim em si mesmos, mas podem expressar o afeto fraterno ao próximo.

Se a secularização é um processo que vai negando a voz do religioso na sociedade contemporânea, por outro lado os cristãos devem expressar seus valores através de símbolos religiosos tradicionais como o presépio e outros. O presépio é um elemento muito encantador, pois revela a grandeza de um Deus que se faz pequeno e frágil no estábulo por amor à humanidade.

*Joaquim Parron, padre missionário redentorista, é doutor em Ética Social pela The Catholic University of America (Washington, EUA).

Marcas lutam diariamente para impactar as pessoas
Segundo pesquisas, temos contato com aproximadamente 2.000 marcas em um dia “comum” e menos de 300 delas ficam em nossa memória. Por isso, essas marc...
A modernização das leis do trabalho: oportunidade, não oportunismo
Crises econômicas em qualquer país do mundo ensejam debates sobre reformas. São nos cenários de recessão prolongada que as nações se defrontam com se...
Educação e o futuro da alimentação
Educação deve colaborar na preparação de todos para o pleno exercício da cidadania e, especialmente, formar os jovens para uma vida profissional que ...
Convenções internacionais e competitividade
O Brasil precisa atuar com mais critério na hora de analisar e ratificar convenções multilaterais, especialmente as negociadas no âmbito de entidades...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions