A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 05 de Dezembro de 2016

26/07/2015 09:00

A crise como oportunidade para empresas de tecnologia

Por Jhonata Emerick (*)

É certo que uma pergunta que sempre há de surgir em discussões sobre a atual situação econômica brasileira refere-se ao desafio de se empreender em um momento aparentemente desfavorável. Com certeza você já ouviu a frase “a crise também gera oportunidades”. De fato! É justamente nesse momento, quando a sobrevivência está em risco, que a criatividade fica mais aguçada e, assim, surgem caminhos alternativos para os empreendedores, em especial para os de tecnologia.

Veja Mais
Tédio é a falta de projeto
Dólar alto: bom ou ruim para o agronegócio?

É difícil prever as crises, porém o movimento de expansão e retração econômica é cíclico. Uma crise afeta setores e empresas de maneiras diferentes e um empreendedor que busca nela oportunidades precisa entender a dinâmica de suas áreas de interesse, inclusive seus possíveis movimentos, para conseguir se posicionar de forma diferenciada e atrativa.

Normalmente os primeiros passos para conter a crise incluem rever investimentos e reduzir gastos. Então, começam as negociações para baixar custo, espremendo fornecedores, o que, consequentemente, agrava-se com a queda da qualidade do serviço prestado. É nessa lacuna de redução de custos que se encaixam perfeitamente as empresas de tecnologia.

Empresas que tenham no seu DNA a tecnologia disruptiva aliada à otimização de recursos conseguem, de forma inovadora, oferecer a possibilidade de reduzir custos e ainda melhorar a qualidade dos serviços prestados, apresentando soluções criativas e eficientes.

De maneira mais prática, custos que envolvam logística são sempre alvos desses cortes. Normalmente, com decisões já tomadas e, ainda assim, a tentativa de se manter qualidade, as empresas ficam dispostas e menos desconfiadas com novas tecnologias, muitas vezes até adaptando seus processos para isso. Uma alternativa pode ser, por exemplo, adotar o serviço de moto courier. Ele gera uma redução de até 30% no custo de entregas rápidas, o que nos permite concluir que a tecnologia e a inovação estão a serviço da praticidade e, sobretudo, da economia.

O Brasil não é para amadores, no entanto essa é a melhor hora para as startups e seus empreendedores mostrarem que suas soluções são viáveis e, além de reduzir custos, melhoram processos. Vejo um cenário duplamente vantajoso para o empreendedor: a possibilidade de conquistar novos clientes e aproveitar o momento de crise como uma oportunidade para um crescimento acelerado, tomando por base dois ingredientes básicos: o pensar fora da caixa e a viabilidade de reduzir custos, seja qual for sua área de atuação, para seu cliente final.

(*) Jhonata Emerick é CEO e fundador da 99Motos, empresa que oferece serviço on-line de contratração de motoboys para entrega expressa.

Tédio é a falta de projeto
Recentemente, deparei-me com duas situações. Na primeira, eu almoçava com dois amigos, ambos na faixa dos 55 anos de idade, funcionários públicos bem...
Dólar alto: bom ou ruim para o agronegócio?
Claro, depende da hora e do mercado, exportação ou de mercado interno. Agora, falando da soja, o principal produto da pauta brasileira de exportações...
Marcas lutam diariamente para impactar as pessoas
Segundo pesquisas, temos contato com aproximadamente 2.000 marcas em um dia “comum” e menos de 300 delas ficam em nossa memória. Por isso, essas marc...
A modernização das leis do trabalho: oportunidade, não oportunismo
Crises econômicas em qualquer país do mundo ensejam debates sobre reformas. São nos cenários de recessão prolongada que as nações se defrontam com se...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions