A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 06 de Dezembro de 2016

25/08/2011 09:00

A culpa da educação

Por Silas Fauzi (*)

Outro dia vi um desses programas sensacionalistas que passam no final da tarde e que estava falando sobre o aumento da criminalidade entre os jovens menores de idade, principalmente no envolvimento com o tráfico de drogas e suas consequências (consumo/dependência e crimes, como assaltos a assassinatos).

Para debater o assunto chamaram um magistrado que, no alto de sua sabedoria empírica falava que o grande problema pelo qual a nossa juventude está passando é “culpa” da educação ou a falta dela. Num primeiro momento, seguindo o instinto do senso comum, podemos até concordar com sua grande descoberta, mas parando um pouco para refletir, chego a conclusão de que essa é mais uma responsabilidade que a família e o próprio estado transfere para a educação.

Sabemos todos, e todos vociferam isso, de que a educação é a solução de tudo, mas do jeito que as coisas são colocadas parece que a educação tem uma varinha de condão para solucionar as principais mazelas que nos afligem socialmente ou de que a falta dela é que tem deixado a nossa sociedade cada vez pior.

Acredito que, além de educação de qualidade e com vertente para a cidadania e honestidade oferecida pelo Estado, ela também deve ser refletida e aprimorada no sei familiar. Mas ainda não é tudo, haja vista que várias famílias, no ímpeto de lutar pela sobrevivência de seus membros, acabam não tendo estrutura para transferir o mínimo de conceitos éticos e morais aos seus entes.

O que deve acontecer de fato é um interesse maior por parte do poder público para que insiram em suas pautas governamentais programas que incluam a parte da sociedade mais vulnerável em políticas públicas de inclusão social e até mesmo de recuperação para aqueles que se envolveram em crimes ainda na juventude. Em bairros mais populosos e sem infraestrutura nenhuma, como Cidade de Deus, Dom Antonio, Lageado, Los Angeles e outros, quais as ações sociais de inclusão oferecidas aos jovens de forma sistemática?

Infraestrutura como Posto de Saúde e escola tão somente não valem se não tiver uma política de infraestrutura social e permanente. Ou seja, o que precisa é alternativa ao mundo do crime. Sairia muito mais barato e menos oneroso politicamente se o Estado, ao invés de usar seu braço forte, usasse o seu braço terno. Isso não é assistencialismo e nem utopia, mas sim política pública verdadeira e de inclusão social.

(*) Silas Fauzi é professor de história e filosofia e militante de movimentos sociais.

Avaliação escolar: o peso de uma nota na vida do aluno
"Poderão esquecer o que você disse, mas jamais irão esquecer como os fez sentir." (Carl W. Buechner) Hoje, quero compartilhar uma grande decepção que...
Comércio exterior: o que esperar de 2017
Apesar das tintas carregadas com que alguns analistas têm pintado o cenário para o Brasil em 2017, em razão da crise política entre o Congresso e o P...
Tédio é a falta de projeto
Recentemente, deparei-me com duas situações. Na primeira, eu almoçava com dois amigos, ambos na faixa dos 55 anos de idade, funcionários públicos bem...
Dólar alto: bom ou ruim para o agronegócio?
Claro, depende da hora e do mercado, exportação ou de mercado interno. Agora, falando da soja, o principal produto da pauta brasileira de exportações...



Parabéns Professor Silas! Você foi feliz em sua colocação. Disse tudo... Para um bom entendedor A SUA palavra basta. Acorda Brasil, Levanta Brasil, Reaja Brasil!!! É preciso que seja hoje, agora JÁ! Amanhã será tarde.
 
Rui Spínola Barbosa em 30/08/2011 02:42:20
Muito bom esse artigo do professor. Tem mais nisso: Quem poe filho no mundo teria que cuidar; se não pode cuidar não faz. O que vemos é até pessoas presa fazendo filho e o Estado criando creche e ainda fazendo propaganda. Educação vem de berço; o Governo Federal só falta levar nos braços para estudar, mas tem uma parcela que não quer nada. O começo da umanidade também já havia isso. Político quer manter o problema para ENGANAR os eleitores a votar neles. O cara faz propaganda na TV com o dinheiro do povo e ainda é aplaudido. O que esperar mais?
 
luiz alves pereira em 25/08/2011 10:45:08
Acreditando em políticas publicas eficientes podemos afirmar que a necessidade de envolver os orgãos publicos nessa questão é favorável. Entretanto, o fator principal é querer fazer, direcionar metas mais eficientes para serem realizadas, o repensar sobre a educação das classes sociais existentes em nossa Campo Grande, em especial nos bairros sitados por Fauzi. Não podemos deixar que o descaso tome conta da situação. Somos educadores formadores de opiniões. Podemos com políticos sérios e comprometidos com a educação fazer a diferença.
 
Claucia Domênica em 25/08/2011 10:18:07
Este artigo tem tudo a ver, quero ainda acrescentar que na minha opinião quem tem que educar é os pais, nas escolas é para adquirir conhecimentos tecnicos e cientificos para ser um profissional capacitado. Educação se tem de berço um nunca vaI ter. sugiro que seja colocado em discussão, para ser tratado como duas coisas distintas, escolaridade uma coisa educação outra. Ex. escolaridade = conhecimento. Educação= maneira como tratar seu semelhante , polidez , respeito etc.
 
porfirio vilela em 25/08/2011 08:41:39
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions