A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 09 de Dezembro de 2016

13/03/2013 10:59

A degradação está em marcha

Por Dirceu Martins Pio (*)

Clay Shirky, analista americano de novas mídias, define como “revolução” a crise que se abate sobre o jornalismo mundial e, assim, conclui: “Nas verdadeiras revoluções, as coisas pioram para depois melhorar; do contrário não é uma revolução, mas sim, um mero aperfeiçoamento do que já existe.” Sua teoria tem sido corroborada por especialistas de outras instituições, inclusive por um grupo de professores da Universidade de Columbia (EUA) que divulgou, recentemente, alentado estudo sobre as transformações observadas nas mídias americanas.

Veja Mais
A aviação e suas regras
Lei Orgânica da Assistência Social – 23 anos

O que é dramático para os jornalistas da minha geração (dei início à carreira de jornalista como repórter do Diário do Grande ABC, em 1968) é que não teremos a oportunidade de presenciar e sentir ou usufruir, como cidadãos, da melhora. A menos que tenhamos a longevidade de um Oscar Niemeyer, teremos de nos contentar com a condição de espectadores aflitos – e muitas vezes vítimas, como cidadãos – desse longo e tenebroso processo de piora. No Brasil, a degradação está em marcha há algum tempo e é, digamos assim, assustadora.

No mundo inteiro, a piora tem uma única explicação: a perda gradativa de receitas de publicidade pela mídia tradicional – jornais, revistas –, o que a tem forçado a captar os mesmos volumes de informações de antigamente com menos recursos. Pode-se dizer que no Brasil as empresas tradicionais ainda não aprenderam a fazer isso de modo a comprometer o menos possível a qualidade do jornalismo.

A evasão de inteligência nos processos de escolha dos assuntos, captação das informações e edição já é notória. O noticiário que inunda páginas do papel e das mídias eletrônicas perdeu diversidade, abrangência, foco e profundidade. Há o enfraquecimento do jornalismo das mídias convencionais num momento em que seria vital que ele se fortalecesse para tornar-se mais competitivo no comércio de informações em expansão nos meios digitais.

Inteligência abandona a produção

Há, visivelmente, um clima de desorientação – talvez também de perplexidade – nas redações. Agora mesmo, em arguto artigo neste Observatório de Imprensa, a professora Sylvia Debossan Moretzsohn fala de seu espanto ao tropeçar em material publicado pela edição do domingo (24/02) do jornal Estado de S.Paulo, que aproveita a passagem de um mês da tragédia de Santa Maria para assinalar que a morte de 239 pessoas no incêndio representa uma perda total de 12. 412 anos de um futuro projetado e abruptamente interrompido. “O jornal investiu nessa notável reportagem domingueira o tempo e o trabalho de pelo menos seis profissionais – como consta nos créditos –, um deles um conhecido especialista em RAC, reportagem com auxílio de computador”, escreveu a professora em seu artigo publicado sob o sugestivo título de “O disparate sobre os mortos de Santa Maria”.

A falta de uma estratégia para sobreviver à turbulência e evitar o desperdício num período em que todos são e serão obrigados a trabalhar com menos recursos torna tudo mais dramático no Brasil. Como entender, por exemplo, neste mesmo Estadão, que uma coluna de atualidade, produzida por quatro ou cinco pessoas, nos mande numa de suas edições uma entrevista de página inteira com o padre Marcelo Rossi?

A maioria das pautas de grande interesse público sugeridas pelos episódios de Santa Maria – o comércio de fogos de artifício, a implantação de material combustível para abafar o som no teto das boates, a segurança das casas noturnas etc. – não foi perseguida pela mídia num sintoma bastante claro de que a inteligência abandona os processos de produção da notícia e da reportagem.

Rumo ao abismo

A revolução de que nos fala Clay Shirky é, contudo, inclemente. Ou os jornais recuperam nos meios digitais parte da receita perdida no meio papel ou irão sucumbir. As iniciativas nos meios digitais poderão ter diferentes formatos, mas o objetivo único é o de vender conteúdos e parece óbvio que quem irá comprá-los exigirá qualidade. O dilema está justamente em tangenciar o processo de erosão da qualidade que é horizontal com a manutenção de qualidade em processos verticais.

Em outras palavras, os jornais de interesse geral talvez tenham de abandonar seu amplo espectro de cobertura (horizontalidade igual superficialidade) e concentrar-se em assuntos prioritários (verticalidade igual profundidade, esmero e qualidade). O momento é a da escolha, da diversificação da pauta (evitando a enorme redundância do noticiário em relação aos jornais concorrentes), do esmero da edição. E desenvolver grande empatia em relação aos interesses do leitor e da própria sociedade, observados hoje com mais clareza através das mídias sociais.

A turbulência da crise tem deixado os antigos “publicadores” paralisados por uma perplexidade que parece não ter fim. Não são capazes mais de fazer autocrítica e parecem conviver com a sensação de que estão no caminho certo, quando na verdade só fazem seguir alegremente em direção ao abismo.

Processo de desgaste

Há quem diga que a crise instalada nos antigos modelos de negócio é reflexo de uma crise maior, do próprio jornalismo, em franca decadência como mediador que sempre foi da relação da sociedade com o sistema político e econômico. Vejo o jornalismo como uma instituição perene, porque baseada na necessidade de as pessoas estarem informadas sobre as ocorrências que afetam suas vidas de modo direto ou indireto. Jornalismo de qualidade é, contudo, um processo caro, dispendioso, pois se baseia em técnicas profissionais sofisticadas e grande preparo intelectual. Nada mais natural, portanto, que a qualidade decaia quando faltam recursos.

Vivemos uma fase de transição entre o velho modelo de negócio e o novo, ainda não muito claramente definido. O velho modelo de negócio tem sido solapado em suas bases de sustentação e uma névoa ainda espessa tapa a visão dos caminhos do futuro. Faltam lideranças para desvendá-los, pela experimentação inovadora e pelo tirocínio. O que se nota, entretanto, é que os publicadores não se movem de si mesmos, como diria Hilda Hilst. Veem-se paralisados numa mesma pauta, num mesmo estilo de cobertura e sequer percebem a erosão de qualidade que atinge os velhos procedimentos. Os jornais quase não usam mais a sua capacidade transformadora, divorciaram-se dos interesses de seus leitores, não identificam a hierarquia das informações. E ao se posicionarem desse modo perdem credibilidade, respeitabilidade, importância.

Existem pesquisas que indicam, nos Estados Unidos, a disposição de milhares de consumidores em pagar pelos conteúdos que lhes sejam enviados pela web sob a marca de certas instituições jornalísticas. Se a mesma disposição está presente no Brasil deve enfrentar hoje um processo de desgaste tanto quanto se desgastam as principais marcas tradicionais do jornalismo brasileiro.

(*) Dirceu Martins Pio é jornalista e consultor em comunicação corporativa.

A aviação e suas regras
A aviação conseguiu, em menos de um século, aproximar os continentes, as empresas e, principalmente, as pessoas. Foi uma evolução tão rápida que não ...
Lei Orgânica da Assistência Social – 23 anos
Nos últimos anos, a Assistência Social vem construindo uma nova trajetória, organizando-se sob novos padrões e afirmando-se como parte integrante do ...
Morre no trânsito o equivalente a 2 aviões da Lamia lotados por dia
Por dia, no Brasil, morrem em acidentes de trânsito o equivalente a ocupantes de dois aviões da Lamia, que transportava o time inteiro da Chapecoense...
Um galo para Asclepius
Sócrates, o filósofo ateniense, cujos preceitos influenciaram o pensamento ocidental de forma muito marcante e definitiva, tinha uma característica: ...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions