A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 09 de Dezembro de 2016

21/03/2013 08:35

A difícil questão indígena

Por Ruben Figueiró (*)

Recentemente fui à tribuna do Senado falar de um assunto que aflige praticamente todas as regiões brasileiras. Foquei minhas palavras no relato do que tem acontecido em Mato Grosso do Sul. Mas, neste curto período em que estou no Parlamento, já percebi que a questão engloba Estados de Norte a Sul do País. Claro, cada um com suas peculiaridades.

Veja Mais
A aviação e suas regras
Lei Orgânica da Assistência Social – 23 anos

Acompanhei parlamentares do Centro-Oeste e do Sul em reuniões no Ministério da Justiça e no Palácio do Planalto. Ouvi experiências de regiões distintas e, de todas elas, pude chegar a uma conclusão: Independentemente do lado em que se está todos querem ver a solução para os conflitos de terras entre produtores rurais e indígenas.

E mais, todos - especialmente o governo federal -, estão preocupados com as consequências que o acirramento dos conflitos pode trazer para a imagem do País, interna e externamente. Afinal, será extremamente prejudicial uma mídia internacional negativa caso haja chacina no campo. Ressalto também a defesa dos direitos humanos, uma vez que ninguém quer ver a terra manchada de sangue.

Exagero? Talvez. Mas a minha inquietação, depois de participar de reuniões com produtores rurais, com representantes dos indígenas e com o governo federal, é a de que a solução ainda está muito longe de ser alcançada, a despeito do clima de tensão que vem se instaurando há bastante tempo entre produtores e indígenas.

Precisamos, antes de tudo, da chancela do Supremo Tribunal Federal. A decisão sobre os embargos declaratórios referentes à demarcação da reserva Raposa Serra do Sol (em Roraima) balizará as ações do Governo em relação a outros processos demarcatórios Brasil afora. Por isso, a bancada federal de MS se reunirá também com o presidente do STF, Joaquim Barbosa.

No caso de Mato Grosso do Sul, temos uma situação peculiar. Os produtores rurais instalados nas terras há diversas gerações, estão lá por direito. Têm a titulação das propriedades, dedicaram seus recursos, tempo e suor para garantir a produção e o sustento das famílias. E isso precisa ser compensado com indenizações justas pagas pela União e pelo Estado.

Abomino o confronto. Talvez por isso, me entristeça profundamente ver uma autarquia federal, como a FUNAI, agir ideologicamente, prejudicando os índios e provocando insegurança jurídica no campo. O órgão está atuando para estimular os conflitos. Insuflando os indígenas a não cumprir acordos já firmados pela Justiça. Isso precisa acabar agora. Caso contrário, o Brasil poderá chegar às manchetes de jornais do mundo todo como um País que desrespeita os direitos das minorias.

Há “forças estranhas” fomentando os conflitos. O Governo dever agir como um agente da paz.

(*) Ruben Figueiró é senador pelo PSDB de Mato Grosso do Sul

A aviação e suas regras
A aviação conseguiu, em menos de um século, aproximar os continentes, as empresas e, principalmente, as pessoas. Foi uma evolução tão rápida que não ...
Lei Orgânica da Assistência Social – 23 anos
Nos últimos anos, a Assistência Social vem construindo uma nova trajetória, organizando-se sob novos padrões e afirmando-se como parte integrante do ...
Morre no trânsito o equivalente a 2 aviões da Lamia lotados por dia
Por dia, no Brasil, morrem em acidentes de trânsito o equivalente a ocupantes de dois aviões da Lamia, que transportava o time inteiro da Chapecoense...
Um galo para Asclepius
Sócrates, o filósofo ateniense, cujos preceitos influenciaram o pensamento ocidental de forma muito marcante e definitiva, tinha uma característica: ...



Todos matogrossense tem saber, conhecer a história de nosso estado. Quantos sangue foram derramados nesse chão. Durante a Guerra do Paraguai (1864-1870), todos moradores da região fugiram covardemente, somente um cara aqui da região, chamado coincidentemente Fracisco Lopes, Guia Lopes, os Terena e os Guaicurus, lutaram ao lado das tropas do Coronel Carlos Camisão. formada por soldados goianos e mineiros para assegurar essas terras pantaneiras E esse demais estrageiros desse nosso pantanal estavam aonde? É só ler os relatos de Visconde de Taunay.
 
Carlos Lamarca em 21/03/2013 13:43:23
Digo mais: além da indenização a valor de mercado pelas terras devidamente tituladas, os indígenas deveriam ter o direito de explorar economicamente sua terra, podendo inclusive arrendar legalmente para agricultura e pecuária. Assim teríamos de volta a função social daquela terra, e indígenas economicamente bem, ao contrário dos bolsões de pobreza e assistencialismo que vemos.
 
Ricardo Farias em 21/03/2013 09:48:27
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions