A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 11 de Dezembro de 2016

19/10/2014 14:00

A legião de netos-filhos e a irresponsabilidade familiar e governamental

Por Fernando Martins Zaupa (*)

Há cerca de uns dez anos tem sido possível constatar o crescimento no número de crianças e adolescentes criados por avós.

Veja Mais
Cinco ações que devem ser evitadas em 2017
A aviação e suas regras

No início desse fenômeno havia discussões inclusive sobre casos de má-fé, em que o real objetivo era obtenção de benefícios, como a chamada guarda previdenciária.

Contudo, lidando mais de uma década com a diversidade de questões ligadas à falta de estruturação familiar (abandono, maus tratos, uso de drogas, roubos, assassinatos, etc), tem ficado cada vez mais patente que a legião de filhos criados pelos avós deriva, em sua maior e gritante fração, da irresponsabilidade dos genitores e conivência dos agentes públicos (governo).

Costuma-se falar em ‘gerações de pessoas’ e mudanças significativas de valores, condutas e posturas a cada uma dessas gerações.

Se for válida essa assertiva, tem-se que está a haver nessas últimas gerações de pais e mães a junção de uma crescente imaturidade psicológica-econômica-laboral com a irresponsabilidade quanto a causa e efeito do sexo e a criação de um(a) filho(a).

Em tempos outros era comum o jovem, ao buscar a tão almejada liberdade sair de casa, enfrentar o mundo, lançando-se em diversas atividades, trabalhos, formas de estudo, digladiando com as mais variadas adversidades, assumindo responsabilidades, maturidade, experiência e fortalecimento para os tratos da vida adulta.

Hoje, na busca da liberdade, o jovem busca uma gama de diversão e sensações; contudo, sem querer enfrentar as agruras da vida em sociedade, sem querer trabalhar, sem querer estudar e, se possível, continuar sob o teto, o carro e o dinheiro dos pais ou do Estado.

Assim, é carregada à vida adulta uma geração de homens e mulheres sem qualquer experiência, maturidade, senso de responsabilidade, força de vontade, entre outros fatores.

Aliada a essa postura, existe o aumento da linha assistencialista estatal (bolsas isso, bolsas aquilo), que ao invés de incutir responsabilidade a uma parcela imatura da população (pois não se olvida o alto número de pessoas realmente carentes), gera o conhecido sentimento de que ‘alguém dará um jeito por mim’.

A queda dos níveis de educação no país, o desmoronamento dos valores éticos e morais vivenciados nos últimos anos (com beneplácito das figuras públicas e condutores/autoridades da nação), aliada a falta de responsabilização de pais irresponsáveis por condutas ou omissões (impunidade), também são fatores a fomentar essa situação de milhares de homens e mulheres a gerarem filhos e filhas que, uma vez nascidos, são entregues (para ser eufemista...) aos avós, para que esses exerçam as funções que deveriam ser suas.

E assim, diversas crianças e adolescentes, atuais ou futuros adultos, são criados aos trancos e barrancos por avós e avôs cansados e/ou muitas vezes limitados pelas intempéries da vida e idades avançadas, com ausência da vetusta figura materna ou paterna.

Enquanto isso, pais e mães, sem a guarda de seus próprios filhos, continuam a gerar outros filhos para os avós criarem, preocupados apenas se vão conseguir o ingresso para este ou aquele show, se a galera vai se reunir para uma cerveja no final de semana, se aquele cara ou aquela garota gostou do whatsapp, etc.

O reflexo disso tudo está aí: uma legião de netos-filhos e a patente irresponsabilidade familiar e governamental, com elevados índices de crianças e adolescentes desrespeitando uns aos outros e aos adultos; enfrentando e desafiando professores e autoridades; ingerindo bebidas alcoólicas e outras drogas; sendo cooptados por bandidos e traficantes; entrando para a prostituição e, claro, gerando precocemente filhos...
... com a entrega desses filhos aos pais ou mesmo aos pais dos pais...

Até quando?

(*) Fernando Martins Zaupa, promotor de Justiça em Campo Grande (MS)

Cinco ações que devem ser evitadas em 2017
Ao fim de cada ano, realizo uma pesquisa com funcionários de empresas de todo o Brasil para avaliar quais foram as coisas que mais impactaram na prod...
A aviação e suas regras
A aviação conseguiu, em menos de um século, aproximar os continentes, as empresas e, principalmente, as pessoas. Foi uma evolução tão rápida que não ...
Lei Orgânica da Assistência Social – 23 anos
Nos últimos anos, a Assistência Social vem construindo uma nova trajetória, organizando-se sob novos padrões e afirmando-se como parte integrante do ...
Morre no trânsito o equivalente a 2 aviões da Lamia lotados por dia
Por dia, no Brasil, morrem em acidentes de trânsito o equivalente a ocupantes de dois aviões da Lamia, que transportava o time inteiro da Chapecoense...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions