A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 09 de Dezembro de 2016

13/07/2011 10:00

A mídia e a apologia ao consumo de bebidas alcoólicas, por Paulo Duarte

Por Paulo Duarte (*)

As manchetes nos jornais são o termômetro da incapacidade que temos em lidar com o aumento desenfreado e a precocidade no consumo de bebidas alcoólicas.

A cada dia nos assustamos com os mais variados tipos de violências provocados pelo exagero e a compulsão pela bebida. São notícias informando sobre mulheres e crianças espancadas por seus maridos e pais alcoolizados.

Motoristas enlouquecidos pelas ruas e que ao beberem se tornam (ou pensam se tornar) os “reis do asfalto”. São eles os principais responsáveis pelo crescente número de acidentes.

Jovens que, para curtirem uma “balada legal” acreditam que beber até quase cair os deixa mais livres, mais desinibidos ou mesmo intocáveis. O consumo do álcool sempre fez parte do cotidiano das pessoas.

O problema é o exagero e a apologia que hoje se faz das bebidas.

Acredito que um dos fatores do consumo de álcool tão exacerbado é a veiculação, sem limites, das propagandas que incentivam essa prática.

Nos horários nobres da TV é comum vermos uma mídia atraente, envolvente, mostrando homens, que muitas vezes não correspondem aos padrões de beleza estabelecidos pela sociedade, se “dando bem” com mulheres belíssimas, pelo simples fato de estarem num bar, bebendo a cerveja da moda.

Ao ver essas propagandas, fico imaginando o que passa pela cabeça de uma criança ou de um adolescente que vê seus ídolos, sejam eles artistas ou atletas, protagonizando nesses comerciais a personificação da pessoa bem sucedida, descolada e que pode ter tudo de bom da vida só porque está bebendo. Dá a impressão de que quem não bebe “fica por fora”. Pior ainda, quando ídolos do esporte incentivam o consumo de bebidas alcoólicas como se fosse algo compatível com a prática desportiva.

Hoje se faz com as bebidas, o que se fazia, nos idos de 1980, para incentivar o consumo de cigarro. Quem não se lembra das imagens associadas à liberdade e ao sucesso que eram a marca de todas as indústrias fabricantes do produto? Ninguém pensava nas conseqüências do uso excessivo do cigarro, até que os índices de doenças como cânceres, efizemas pulmonares e outras doenças respiratórias relacionadas ao fumo começaram a crescer de forma alarmante.

No início não havia advertências quanto ao hábito de fumar. Pelo contrário, existia uma “glamourização” do fumo. Por pressão das entidades ligadas à saúde e outros segmentos da sociedade, foram feitas campanhas agressivas contra o cigarro. A divulgação de propagandas incentivando o hábito foi proibida nos horários nobres da TV e também durante eventos esportivos. Nas embalagens do produto, tornou-se obrigatória a impressão de imagens chocantes do que acontece com o usuário quando o consumo é exagerado.

Por isso defendo que as campanhas de orientação e prevenção ao consumo de drogas devem ser intensificadas. Atenção especial deve ser dada às drogas lícitas (bebidas alcoólicas), pois elas podem ser a porta de entrada para as outras drogas como a maconha, a cocaína, o crack, etc.

As chamadas baladas “open bar”, onde o álcool é consumido sem limites, contribuem para situações que não podemos, de forma alguma, julgar corriqueiras, como as cenas exibidas em rede nacional de um jovem que foi abordado pela polícia e que, de tão embriagado, caiu várias vezes no chão, até que ali ficou, sucumbindo aos efeitos maléficos do álcool ingerido.

Concordo que a fiscalização, a repressão ao tráfico de drogas e a punição aos exageros cometidos por pessoas alcoolizadas devam sim ser realizados. No entanto, não podemos nos esquecer de que a prevenção e a educação são a nossa maior arma contra essa “epidemia”. E educação e prevenção também passam pela família, escola e convívio social. Temos sim é que falar abertamente sobre o assunto, sem preconceitos.

Por enquanto estamos “permitindo” que a mídia tome o nosso lugar como pais, educadores e sociedade que deseja o bem comum. A apologia ao consumismo é o principal vetor desse poder. Sou um árduo defensor da liberdade em todos os sentidos. Porém, não podemos confundir liberdade de expressão e comunicação com o verdadeiro “vale tudo” midiático que estamos submetidos.

(*) Paulo Duarte é economista, fiscal de rendas e Deputado Estadual (PT-MS).

Cinco ações que devem ser evitadas em 2017
Ao fim de cada ano, realizo uma pesquisa com funcionários de empresas de todo o Brasil para avaliar quais foram as coisas que mais impactaram na prod...
A aviação e suas regras
A aviação conseguiu, em menos de um século, aproximar os continentes, as empresas e, principalmente, as pessoas. Foi uma evolução tão rápida que não ...
Lei Orgânica da Assistência Social – 23 anos
Nos últimos anos, a Assistência Social vem construindo uma nova trajetória, organizando-se sob novos padrões e afirmando-se como parte integrante do ...
Morre no trânsito o equivalente a 2 aviões da Lamia lotados por dia
Por dia, no Brasil, morrem em acidentes de trânsito o equivalente a ocupantes de dois aviões da Lamia, que transportava o time inteiro da Chapecoense...



Concordo e assino em baixo as colocações que o dep Paulo menciona em seu artigo, mas só efetuar críticas construtivas não resolve; que tal o dep apresentar um projeto na Assembléia Legislativa para limitar esse "midiático"no qual estamos submetidos segundo o próprio dep Paulo comenta? Como nosso representante está com a faca e o queijo na mão! Tenho certeza que muitos pais agradecerão ao dep Duarte.
 
Vera Lucia Struckl em 13/07/2011 10:36:07
Excelente a matéria, apenas faço uma ressalva sobre quando se fala em "consumo exagerado ou moderado" tanto para álcool ou tabaco não existe a condição de consumo moderado uma vez que a doença (vício) se desenvolve de forma progressiva e latente. Existem organismos mais ou menos resistentes, que ao passar do tempo vão se igualando com relação aos malefícios dos produtos (álcool, tabaco) e sucumbindo às doenças. Por tanto, acredito que a população deva evoluir para consumo zero de tabaco e álcool.
 
CLÁUDIO MOREIRA em 13/07/2011 03:05:52
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions