A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 23 de Janeiro de 2017

13/01/2015 08:58

A minha Bagdá era a do distante califa Harun-al-Rashid

Por Raquel Naveira (*)

Guardo com carinho a coleção de livros de Malba Tahan, as capas desgastadas cor-de-vinho com letras brancas. Neles sorvi o amor pela raça oriental.

Malba Tahan era na verdade o heterônimo do professor Júlio César de Melo e Sousa, escritor, matemático, personalidade original e imaginativa. Estudou a fundo aspectos da cultura árabe. Propôs a Irineu Marinho, dono do jornal carioca “A Noite”, escrever uma série de contos que lembravam as narrativas das Mil e Uma Noites. Foi um sucesso. Nascia assim o personagem Malba Tahan.

Júlio César criou uma biografia para Malba Tahan. Teria vivido em Meca, depois de haver permanecido doze anos em Manchester, onde o pai era vendedor de vinhos. Visitou a Rússia, a Pérsia, a Índia e, finalmente, o Brasil, sempre observando os costumes dos povos.

O professor Júlio César inventou também a existência de um tradutor de Malba Tahan para o português, Breno Alencar Branco, conhecedor profundo de poesia, de vocábulos e expressões árabes.

Graças a Malba Tahan, meu universo de criança foi povoado de sultões, odaliscas, princesas, caravanas, dijins, homens de turbantes cinzentos seguindo luzes azuis.

Caminhei com ele por uma Bagdá que nada tem a ver com sublevações, com o ditador Saddam Hussein, a Guerra do Golfo, o uso das armas químicas, a guerra civil que ceifou milhares de vidas. A minha Bagdá era a do distante califa Harun-al-Rashid, época marcada pela prosperidade científica, cultural e religiosa no Islã. A Bagdá lendária da biblioteca “Casa da Sabedoria”, das histórias fantásticas narradas por Sherazade. A Bagdá suntuosa, florescendo como joia entre oásis e palmeiras, a mais esplêndida cidade do mundo.

As lendas do deserto me fascinaram com seus magos, beduínos, cheiques, mercadores de lâmpadas, espelhos, recompensas e tesouros vindos das mãos de Allah. Percorria as páginas com alegria, vendo brilhar ensinamentos e estrelas maravilhosas.

O célebre O Homem que Calculava, com seus problemas e curiosidades matemáticas em forma de narrativa das aventuras de um calculista persa, chamou-me a atenção para um misto de lógica e mistério que há nos números.

E não é que o beduíno/poeta/professor Júlio César, o próprio Malba Tahan em pessoa, apareceu certa vez na minha cidade, a descampada Campo Grande, no sul de Mato Grosso? Deu uma palestra concorrida no Rádio Clube. Eu era adolescente, uns doze ou treze anos talvez, e estava enfeitiçada, andando nas nuvens num tapete persa. Terminada a palestra, fomos apresentados. Ele pegou minhas mãos que tremiam e disse: “ - Vejo que você é uma menina muito sensível. Tem talento na alma. Continue lendo.” Fiquei perplexa: Malba Taham conversou comigo. Uma caravana passou perto de nós com camelos e cantis carregados de pérolas.

Sob o manto brocado daquela noite, repeti várias vezes: “Maktub! Maktub! Estava escrito”. Acreditei que escrever era meu destino, uma fatalidade.

(*) Raquel Naveira é escritora, doutora em língua e literatura francesas.

Quando, também na escola, se dialoga sobre as religiões
Temos percebido uma crescente preocupação acerca do papel social da escola e da educação que acontece neste espaçotempo. Numa perspectiva de sociedad...
19 anos de Código de Trânsito Brasileiro
No dia 22/01/17, o atual Código de Trânsito Brasileiro completa 19 anos de vigência. Após 31 Leis que o alteraram, com o complemento de 655 Resoluçõe...
Previdência Social: verdades e mentira
Com a reforma da Previdência, e já que acabaram com o Ministério da Previdência, vários ministros dispararam versões sobre o tema, mas como não sabem...
Chacina e colapso nas prisões brasileiras
Nestes poucos dias do Ano da graça de 2017, o Brasil e o Mundo viram estarrecidos o massacre brutal de cerca de pelo menos 134 detentos, dentro das p...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions