A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 17 de Janeiro de 2017

20/08/2014 14:16

A naturalidade e as guerras

Por Benedicto Ismael Camargo Dutra (*)

Face às disputas econômicas e de poder que ocorreram no sangrento século 20, sofremos duas guerras mundiais. E hoje, qual é o cenário? As guerras consolidaram os Estados laicos dissociados da religião em sua gestão. As finanças atingiram o auge. Há limitação de recursos naturais. A população alcançou níveis nunca vistos e não dá para equalizar o padrão de vida. Há que se buscar soluções harmonizadoras e equilibradas. Fora disso, estaremos sujeitos aos mesmos riscos do século passado agravados por esses novos fatores.

Veja Mais
Sistema carcerário brasileiro clama por ajuda
Mais um ano difícil

Em julho de 2014 completamos um século do início da Primeira Guerra Mundial (1914/1918). A insensatez se sobrepôs ao bom senso. Dez milhões de vítimas. Quanto mais o homem avança no materialismo, mais se afasta de sua essência espiritual e comete as maiores barbaridades. Decorrido mais de meio século da Segunda Guerra (1939/1945), continuação da Primeira, permanecemos enfrentando condições adversas. Nas grandes cidades, o custo de vida subiu muito. Aumentou a carga de trabalho, mas há pouca chance de ampliar a poupança pessoal. Há uma forte luta por status e o dinheiro é a grande alavanca que promove a sensação de poder, mas reduz a solidariedade e a preocupação com o todo. O dinheiro se tornou o grande ídolo e fonte de poder. As religiões vão adotando o mesmo princípio. Jesus veio à Terra para explicar as leis da vida aos humanos que embruteciam, mas sua palavra continua desconhecida e interpretada conforme seja mais conveniente aos interesses.

No período em que o general Geisel presidiu o Brasil, contraímos elevada dívida externa que explodiu com o choque dos juros abusivos. Os governantes deveriam zelar pelo equilíbrio nas contas internas, externas e do comércio com outros países, mas sempre se descuidaram disso. Atualmente a indústria decai. A atenção dos empresários parece ter se voltado para as importações. Estamos importando até vasos sanitários.

Desde que as companhias assumiram o comando, não se conhece mais o proprietário. Os administradores querem saber apenas de lucros e bônus. Se não der certo, vão embora com os lucros e deixam os prejuízos para as cidades. É mais adequado que as empresas não fiquem nas mãos do Estado, mas sim com os empresários, porém eles precisam de um código de ética que respeite a população, a natureza, a cidade, o país.

No século 21, tem sido notória a tendência para a desigualdade nos ganhos e na concentração da riqueza. Diante de um cenário de dificuldades, de falta de tempo para tudo, as pessoas começam a sentir desânimo e depressão. Já não basta a liberação sexual como paliativo para acalmar a inquietação. As pessoas sentem mesmo uma depressão e fragilidade diante da minoria que ostenta o poder de sua riqueza, como no tempo dos barões da borracha em Manaus, que acendiam o charuto importado com notas de contos de réis.

A humanidade abandonou a naturalidade da vida e suas leis; perdeu o conhecimento do que é natural e vive em função de sua criação principal, o dinheiro, que relegou tudo o mais a plano secundário, inclusive os valores humanos. A missão do homem é o eterno aprendizado para evoluir. Perdido nas superficialidades que criou, vai destruindo tudo e provocando a ruína e o retrocesso.

Na renhida luta pela sobrevivência, prevalecem os egos individualistas. Falta o olhar para o Alto, visando construir um mundo pacífico com oportunidade de progresso para todos. Enquanto não houver um alvo elevado, pouca coisa vai melhorar. Estamos diante da grande bifurcação. O homem precisa decidir se prefere prosseguir no embrutecimento e ruína, ou tornar-se realmente humano e beneficiador da vida.

(*) Benedicto Ismael Camargo Dutra é graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP, e associado ao Rotary Club de São Paulo. Realiza palestras sobre temas ligados à qualidade de vida. É também coordenador dos sites www.vidaeaprendizado.com.br e www.library.com.br, e autor dos livros “ Conversando com o homem sábio”, “Nola – o manuscrito que abalou o mundo”, “O segredo de Darwin”, e “2012...e depois?”. E-mail: bicdutra@library.com.br

Sistema carcerário brasileiro clama por ajuda
O ano começou com uma bomba relógio, que já ‘tic-tateava’ há muitos anos, explodindo. As rebeliões em presídios de todo o Brasil deixaram mais de 120...
Mais um ano difícil
A economia brasileira inicia 2017 com a combinação de otimismo moderado e preocupação. A perspectiva levemente otimista se fundamenta na expectativa ...
A atuação das empresas na era do talentismo
No atual cenário em que vivemos, com crise financeira em diversos países, catástrofes ambientais e diferenças sociais, engana-se quem acredita que es...
Criptografia: de arma de guerra a pilar da sociedade moderna
A estratégia permitiu que vitórias impossíveis pudessem acontecer ao longo da história. São vários os casos de pequenos exércitos vencerem batalhas c...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions