A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 09 de Dezembro de 2016

20/08/2014 14:16

A naturalidade e as guerras

Por Benedicto Ismael Camargo Dutra (*)

Face às disputas econômicas e de poder que ocorreram no sangrento século 20, sofremos duas guerras mundiais. E hoje, qual é o cenário? As guerras consolidaram os Estados laicos dissociados da religião em sua gestão. As finanças atingiram o auge. Há limitação de recursos naturais. A população alcançou níveis nunca vistos e não dá para equalizar o padrão de vida. Há que se buscar soluções harmonizadoras e equilibradas. Fora disso, estaremos sujeitos aos mesmos riscos do século passado agravados por esses novos fatores.

Veja Mais
A aviação e suas regras
Lei Orgânica da Assistência Social – 23 anos

Em julho de 2014 completamos um século do início da Primeira Guerra Mundial (1914/1918). A insensatez se sobrepôs ao bom senso. Dez milhões de vítimas. Quanto mais o homem avança no materialismo, mais se afasta de sua essência espiritual e comete as maiores barbaridades. Decorrido mais de meio século da Segunda Guerra (1939/1945), continuação da Primeira, permanecemos enfrentando condições adversas. Nas grandes cidades, o custo de vida subiu muito. Aumentou a carga de trabalho, mas há pouca chance de ampliar a poupança pessoal. Há uma forte luta por status e o dinheiro é a grande alavanca que promove a sensação de poder, mas reduz a solidariedade e a preocupação com o todo. O dinheiro se tornou o grande ídolo e fonte de poder. As religiões vão adotando o mesmo princípio. Jesus veio à Terra para explicar as leis da vida aos humanos que embruteciam, mas sua palavra continua desconhecida e interpretada conforme seja mais conveniente aos interesses.

No período em que o general Geisel presidiu o Brasil, contraímos elevada dívida externa que explodiu com o choque dos juros abusivos. Os governantes deveriam zelar pelo equilíbrio nas contas internas, externas e do comércio com outros países, mas sempre se descuidaram disso. Atualmente a indústria decai. A atenção dos empresários parece ter se voltado para as importações. Estamos importando até vasos sanitários.

Desde que as companhias assumiram o comando, não se conhece mais o proprietário. Os administradores querem saber apenas de lucros e bônus. Se não der certo, vão embora com os lucros e deixam os prejuízos para as cidades. É mais adequado que as empresas não fiquem nas mãos do Estado, mas sim com os empresários, porém eles precisam de um código de ética que respeite a população, a natureza, a cidade, o país.

No século 21, tem sido notória a tendência para a desigualdade nos ganhos e na concentração da riqueza. Diante de um cenário de dificuldades, de falta de tempo para tudo, as pessoas começam a sentir desânimo e depressão. Já não basta a liberação sexual como paliativo para acalmar a inquietação. As pessoas sentem mesmo uma depressão e fragilidade diante da minoria que ostenta o poder de sua riqueza, como no tempo dos barões da borracha em Manaus, que acendiam o charuto importado com notas de contos de réis.

A humanidade abandonou a naturalidade da vida e suas leis; perdeu o conhecimento do que é natural e vive em função de sua criação principal, o dinheiro, que relegou tudo o mais a plano secundário, inclusive os valores humanos. A missão do homem é o eterno aprendizado para evoluir. Perdido nas superficialidades que criou, vai destruindo tudo e provocando a ruína e o retrocesso.

Na renhida luta pela sobrevivência, prevalecem os egos individualistas. Falta o olhar para o Alto, visando construir um mundo pacífico com oportunidade de progresso para todos. Enquanto não houver um alvo elevado, pouca coisa vai melhorar. Estamos diante da grande bifurcação. O homem precisa decidir se prefere prosseguir no embrutecimento e ruína, ou tornar-se realmente humano e beneficiador da vida.

(*) Benedicto Ismael Camargo Dutra é graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP, e associado ao Rotary Club de São Paulo. Realiza palestras sobre temas ligados à qualidade de vida. É também coordenador dos sites www.vidaeaprendizado.com.br e www.library.com.br, e autor dos livros “ Conversando com o homem sábio”, “Nola – o manuscrito que abalou o mundo”, “O segredo de Darwin”, e “2012...e depois?”. E-mail: bicdutra@library.com.br

A aviação e suas regras
A aviação conseguiu, em menos de um século, aproximar os continentes, as empresas e, principalmente, as pessoas. Foi uma evolução tão rápida que não ...
Lei Orgânica da Assistência Social – 23 anos
Nos últimos anos, a Assistência Social vem construindo uma nova trajetória, organizando-se sob novos padrões e afirmando-se como parte integrante do ...
Morre no trânsito o equivalente a 2 aviões da Lamia lotados por dia
Por dia, no Brasil, morrem em acidentes de trânsito o equivalente a ocupantes de dois aviões da Lamia, que transportava o time inteiro da Chapecoense...
Um galo para Asclepius
Sócrates, o filósofo ateniense, cujos preceitos influenciaram o pensamento ocidental de forma muito marcante e definitiva, tinha uma característica: ...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions