A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 24 de Janeiro de 2017

15/11/2014 15:00

A OAB/MS e a luta pela reforma política

Por Lairson Palermo (*)

Seis. Esse é o número de votos no Supremo Tribunal Federal a favor de eliminar o poder econômico de campanhas eleitorais. Maioria que já decide como inconstitucional o financiamento por parte de pessoas jurídicas, embora ainda não possa ser comemorado. Após pedido de vista pelo ministro Gilmar Mendes, o processo não pôde ser concluído, e a pauta passou a dormitar.

É no vácuo de seu trâmite na Suprema Corte que reiteramos a importância de se aprovar a Reforma Política no Brasil. A cada centavo doado pelas empresas às campanhas eleitorais, aumenta a influência em decisões fundamentais para a sociedade, principalmente no que se refere à sua representação nos parlamentos. Não há crise econômica, pelo menos não para os Deputados e Senadores eleitos. Seus comitês eleitorais arrecadaram R$ 200 milhões a mais do que os atuais parlamentares conseguiram juntar há quatro anos. A campanha dos novos 513 deputados federais saiu 34% mais cara. Já os novos 27 senadores arrecadaram 16% mais do que a média dos seus colegas que foram eleitos em 2010.

O resultado desse novo aumento do custo das campanhas é que, pela primeira vez, o Congresso Nacional angariou uma simbólica cifra de 10 dígitos para se eleger. Foram R$ 721 milhões arrecadados pelos deputados federais e R$ 124 milhões obtidos pelos 27 novos senadores. Somando-se os R$ 274 milhões gastos pelos 54 senadores eleitos em 2010 (eles têm mais quatro anos de mandato), o custo total chega a R$ 1,1 bilhão. O custo para eleger os novos deputados e senadores cresceu 11% acima da inflação do período. Nunca houve um Congresso tão caro - mas essa constatação se repete a cada quatro anos.

Se nenhuma reforma política sair do discurso para a Lei, a tendência é que as campanhas de 2018 custem ainda mais do que esta. Foi assim em 2006 na comparação com 2002, e em 2010 em relação a 2006.E pior, com o Poder Econômico se sobrepondo a Soberania Popular e dominando a aprovação das Leis a que todos somos submetidos. O famoso “cheque em branco” que todos passamos para os políticos.

Para impedir que o financiamento privado continue pautando as prioridades governamentais e desvirtuando o processo democrático, exigimos que o STF conclua a votação! Conhecendo da ADIN proposta pela OAB.

Na maré de imprevisibilidade da Justiça, a sociedade civil organizada não esmorecerá. Após a proposta de Reforma Política ter sido defendida publicamente nos debates Presidenciais e ter sido adotado como prioridade pela candidata eleita( era proposta também do candidato derrotado e de seus aliados) , daremos sequencia para que o Congresso Nacional abra a discussão com a sociedade civil (Coalização pela Reforma Politica) e obedecendo a vontade soberana do povo brasileiro expresso em seu mais alto fórum, via eleições democráticas, aprove o Projeto de Lei de Iniciativa Popular apresentado pela Coalizão pela Reforma Política.Porém, caro leitor a pergunta que não quer calar . Srs. Deputados Federais e Senadores podemos contar com V.Exas., para continuar mudando o Brasil ? Podemos contar com vosso voto a favor da Reforma Politica proposta pela OAB, CNBB, e centenas de entidades da sociedade civil ? Ou os Srs. vão novamente virar as costas para seus eleitores e jogar uma pá de cal na Reforma Política , como fizeram após ocuparmos as ruas em Junho de 2013 ?. É preciso que fique claro que nossa proposta de Reforma Política não é do governo nem da oposição: é da sociedade.

A Reforma Política é o caminho mais eficaz para corrigir distorções de representatividade parlamentar, visto que a maioria do povo brasileiro, composto por jovens, mulheres, trabalhadores, negros, ainda não se vê refletida no Congresso Nacional, nas Assembleias e Câmaras Municipais. É mais do que hora de um levante que relembre a bela mobilização que culminou com a Lei Ficha Limpa, quando o que era mais essencial à sociedade foi içado ao centro dos debates e, apesar de todos os percalços, foi aprovada e sancionada. Vitória nossa !

Combater a corrupção, estimular a democracia, exercitar instrumentos da Democracia direta e participativa (Plebiscito, Referendos, Consultas Populares sobre temas polêmicos e relevantes para toda a sociedade), fomentar a equidade e garantir a transparência são desejos máximos de nossa população.

(*) Lairson Palermo, advogado, secretário-geral da Comissão de Defesa da República e Democracia OAB/MS e da Coordenação da Coalizão pela Reforma Política Democrática e Eleições limpas/MS

Sobre o mercado e o governo
O homem primitivo acordava de manhã, saía para coletar frutas, abater animais e pescar peixes, e assim ele se alimentava. Ao fim do dia, cobria-se co...
Logística reversa: pensamento sustentável pelas gerações futuras
Incertezas são o que mais temos, porém ideias norteadoras e essenciais para a construção de um futuro mais sustentável já existem. Não podemos ignora...
Quando, também na escola, se dialoga sobre as religiões
Temos percebido uma crescente preocupação acerca do papel social da escola e da educação que acontece neste espaçotempo. Numa perspectiva de sociedad...
19 anos de Código de Trânsito Brasileiro
No dia 22/01/17, o atual Código de Trânsito Brasileiro completa 19 anos de vigência. Após 31 Leis que o alteraram, com o complemento de 655 Resoluçõe...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions