A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 10 de Dezembro de 2016

08/04/2012 14:42

A responsabilidade civil do Estado

Kellen da Costa Silva (*)

O instituto da responsabilidade civil sempre foi de extrema relevância para a convivência harmônica entre a sociedade, vez que fixa a obrigação de reparação de dano à vítima por ato ilícito advindo de outrem. Neste sentido, é pacífico no nosso ordenamento jurídico, a possibilidade do Estado causar prejuízos aos seus administrados, restando evidente, portanto, se caracterizado o dano, o dever Estatal de indenizar os prejuízos causados a terceiros, retroagindo, desta forma, o "status quo ante" da vítima ao fato danoso.

Veja Mais
Cinco ações que devem ser evitadas em 2017
A aviação e suas regras

Neste cotejo, o Estado Democrático de Direito se responsabilizará tanto pelos danos causados a terceiros por atos de seus agentes, quanto pelas prestadoras de serviços públicos nos desempenho de suas funções administrativas.

No mesmo diapasão, a ilustre professora Maria Zanella Di Pietro, leciona que a responsabilidade do Estado é a "obrigação de reparar danos causados a terceiros em decorrência de comportamentos comissivos ou omissivos, materiais ou jurídicos, lícitos ou ilícitos, imputáveis aos agentes públicos" , concluindo-se, desta forma, que o Estado está obrigado a reparar os danos porventura ocasionados por seus agentes.

Corroborando, a Constituição Federal de 1988, em seu artigo 37, § 6º, definiu a responsabilidade do Estado como objetiva, isto é, o mesmo não se eximirá da responsabilidade pela falta da comprovação da culpa do agente causador do dano, necessitando, tão somente, a relação de existência entre o dano e a atividade administrativa envolvida no causídico para aplicação da responsabilidade Estatal.

Note que, apesar da responsabilidade objetiva aplicada a Administração Pública, caso reste comprovada a culpa ou dolo do agente causador do dano, o Estado, por justo, terá direito de regresso, ou seja, após a inteira reparação do dano por parte deste à vítima, poderá pleitear de seu agente culposo o "quantum" despendido do erário público para a devida reparação.

Imperioso ressaltar também, que, a responsabilidade objetiva preconizada na Carta Magna, não é absoluta, isto significa dizer que o Estado não é obrigado a indenizar todos e quaisquer danos, como por exemplo, nos casos em que figuram as excludentes de responsabilidade, quais sejam: A culpa exclusiva ou concorrente da vítima; o ato praticado por terceiros e a força maior, os quais, restando comprovados, ensejam diminuição da responsabilidade Estatal.

Desta forma, constata-se que a teoria utilizada e adotada pela doutrina brasileira é a do risco administrativo, ou seja, o Estado pode se eximir da culpa que lhe foi atribuída pelo fato danoso, bastando, para tanto, comprovar a ausência da mesma. Todavia, há a defesa, por outros doutrinadores do direito, pela aplicação da teoria do risco integral, a qual aduz que, havendo a prática do ato danoso pela Administração Pública, esta é obrigada a repará-lo, independentemente de culpa.

Conclui-se, desta forma, que a teoria administrativa majoritária e predominante nos tribunais pátrios, é a mais ponderada no nosso ordenamento jurídico, pois, não seria justo o Poder Público indenizar vítima, da qual muitas vezes, foi a própria responsável pelo prejuízo que obteve.

()Kellen da Costa Silva é advogada Pós-Graduada em Direito Público pela Rede de Ensino Luiz Flávio Gomes

Cinco ações que devem ser evitadas em 2017
Ao fim de cada ano, realizo uma pesquisa com funcionários de empresas de todo o Brasil para avaliar quais foram as coisas que mais impactaram na prod...
A aviação e suas regras
A aviação conseguiu, em menos de um século, aproximar os continentes, as empresas e, principalmente, as pessoas. Foi uma evolução tão rápida que não ...
Lei Orgânica da Assistência Social – 23 anos
Nos últimos anos, a Assistência Social vem construindo uma nova trajetória, organizando-se sob novos padrões e afirmando-se como parte integrante do ...
Morre no trânsito o equivalente a 2 aviões da Lamia lotados por dia
Por dia, no Brasil, morrem em acidentes de trânsito o equivalente a ocupantes de dois aviões da Lamia, que transportava o time inteiro da Chapecoense...



Sinceramente não entendi este artigo. Tema batido no direito há pelo menos 40 anos, e mais recentemente abordado até mesmo na CF 88. Choveu no molhado.
 
Thiago Benites em 08/04/2012 04:52:38
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions