A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 24 de Janeiro de 2017

11/09/2013 13:40

A vítima

Por Antônio Cézar Lacerda Alves (*)

Segundo a grande maioria dos cientistas políticos, para se conseguir o impeachment de um governante é necessária a ocorrência de três fundamentos: jurídico (prática de um ilícito), político (a classe política precisa querer) e popular (o povo precisa querer).

Aqui em Campo Grande esse “cassa” ou não “caça” do prefeito Bernal está no seguinte pé: já existe fundamento jurídico, mas, neste momento, nem a classe política (a oposição está contente com a omissa administração do Bernal) e nem o povo (que ainda tenta encontrar um fiapo de esperança), estão “realmente” querendo...!

Há, entretanto, nessa novela, um ingrediente que já não tem como passar despercebido: a estranha atuação do prefeito. Ele tem brigado com todo mundo. Ele brigou com o amigo Chocolate, sua própria sombra, aquele amigo leal que estendia o tapete vermelho para ele passar.

Ele brigou com o vice-prefeito, um companheiro que jamais o enfrentou. Ele brigou com a mídia, inclusive aquela que o apoiou nos momentos em que ele estava sozinho. Ele tem brigado insistentemente com a Câmara de Vereadores. Quis brigar com o ex-prefeito Nelson Trad Filho... E agora puxou briga com o Governador.

Esse quadro me remete para um interessante estudo criminológico sobre a vítima, denominado: Vitimologia. Sobre esse estudo, o desembargador gaúcho Edgard de Moura Bittencourt, em sua notável obra “VÍTIMA”, secundado pelo eminente pensador israelita MENDELSOHN, apresenta o seguinte quadro (classificação) sobre a participação da vítima na eclosão do delito:

1º) vítimas completamente inocentes, categoria ou setor, a que denomina vítimas ideais; 2º) vítimas menos culpadas do que o delinquente, grupo que se integra com as chamadas vítimas por ignorância; 3º vítimas tão culpadas como o delinquente, que se incluem nos casos típicos das figuras da eutanásia e da dupla suicida; 4º) vítimas mais culpadas do que o delinquente, categoria integrada pela vítima provocadora, porque o delito se produz precisamente como consequência exclusiva da provocação da própria vítima; 5) vítima como única culpada, categoria que se compõe com as chamadas vítimas agressoras, simuladas e imaginárias.

Como consequência dessa classificação, MENDELSOHN deduz a existência de três grandes setores de vítimas, que são as seguintes: a) vítima inocente ou ideal, porque não teve a menor participação na produção do crime; b) vítima provocadora, imprudente, voluntária e ignorante, caracterizada pela evidente e inegável colaboração por ela prestada aos fins objetivados pelo delinquente; c) vítima agressora, simuladora e imaginária, que em verdade são todas elas supostas vítimas, ou seja, no sentido técnico-jurídico da expressão, as autoras do fato lesivo que pretendem recair em terceiro. Aqui, neste último caso, a vítima já escolheu o seu fim, mas não tem coragem para executá-lo, então escolhe um sujeito (autor) para realizar a obra (!!!).

Convém ressaltar, porém, que aquele que aparecer no cenário como “o carrasco”, mesmo que não tenha culpa, também será levado para o túmulo político, pois, ainda que o povo já saiba que cometeu um erro ao eleger Bernal, esse mesmo povo levará ao cadafalso aquele que aparecer na foto como algoz daquele que um dia representou a sua esperança.

(*) Antônio Cézar Lacerda Alves é advogado.

Sobre o mercado e o governo
O homem primitivo acordava de manhã, saía para coletar frutas, abater animais e pescar peixes, e assim ele se alimentava. Ao fim do dia, cobria-se co...
Logística reversa: pensamento sustentável pelas gerações futuras
Incertezas são o que mais temos, porém ideias norteadoras e essenciais para a construção de um futuro mais sustentável já existem. Não podemos ignora...
Quando, também na escola, se dialoga sobre as religiões
Temos percebido uma crescente preocupação acerca do papel social da escola e da educação que acontece neste espaçotempo. Numa perspectiva de sociedad...
19 anos de Código de Trânsito Brasileiro
No dia 22/01/17, o atual Código de Trânsito Brasileiro completa 19 anos de vigência. Após 31 Leis que o alteraram, com o complemento de 655 Resoluçõe...



Achei medíocre a acusação do vereador Elizeu Dionizio, sobre o Prefeito ter roubado a Merenda Escolar; Ora, acompanho o Programa de Radio do Prefeito, desde os tempos que o mesmo nem politico era; Homem religioso, a forma em que encerrava o programa com o fervor de suas orações, sempre atendendo as pessoas mais necessitadas, com seu auxilio jurídico. Por tudo isso, não acredito que Ele iria roubar logo, dos mais necessitados. Essa é minha opinião.
 
Antonio Pinto Alves em 11/09/2013 20:25:50
Até hoje só vi um político que foi contra todos e se deu mal. Os que pude acompanhar: Sarney, Fernando Henrique e Lula, fizeram acordos com os Poderes Legislativo e Judiciário e a classe empresarial e terminaram seus mandatos. O único que peitou todos os poderes foi o Fernando Collor de Mello, se achando o maioral. Deu no que deu... impeachment...O nosso prefeito está indo pelo mesmo caminho. Agora se irão cassa-lo é outra realidade. Mas como sugestão poderemos chama-lo de Bernall Artuzzi Collor de Mello. Vai que o nome pega.
 
Paulo Roberto em 11/09/2013 14:24:32
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions