A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 03 de Dezembro de 2016

11/09/2013 13:40

A vítima

Por Antônio Cézar Lacerda Alves (*)

Segundo a grande maioria dos cientistas políticos, para se conseguir o impeachment de um governante é necessária a ocorrência de três fundamentos: jurídico (prática de um ilícito), político (a classe política precisa querer) e popular (o povo precisa querer).

Veja Mais
A Odisseia da Chape
Comunicação da qualidade dos alimentos

Aqui em Campo Grande esse “cassa” ou não “caça” do prefeito Bernal está no seguinte pé: já existe fundamento jurídico, mas, neste momento, nem a classe política (a oposição está contente com a omissa administração do Bernal) e nem o povo (que ainda tenta encontrar um fiapo de esperança), estão “realmente” querendo...!

Há, entretanto, nessa novela, um ingrediente que já não tem como passar despercebido: a estranha atuação do prefeito. Ele tem brigado com todo mundo. Ele brigou com o amigo Chocolate, sua própria sombra, aquele amigo leal que estendia o tapete vermelho para ele passar.

Ele brigou com o vice-prefeito, um companheiro que jamais o enfrentou. Ele brigou com a mídia, inclusive aquela que o apoiou nos momentos em que ele estava sozinho. Ele tem brigado insistentemente com a Câmara de Vereadores. Quis brigar com o ex-prefeito Nelson Trad Filho... E agora puxou briga com o Governador.

Esse quadro me remete para um interessante estudo criminológico sobre a vítima, denominado: Vitimologia. Sobre esse estudo, o desembargador gaúcho Edgard de Moura Bittencourt, em sua notável obra “VÍTIMA”, secundado pelo eminente pensador israelita MENDELSOHN, apresenta o seguinte quadro (classificação) sobre a participação da vítima na eclosão do delito:

1º) vítimas completamente inocentes, categoria ou setor, a que denomina vítimas ideais; 2º) vítimas menos culpadas do que o delinquente, grupo que se integra com as chamadas vítimas por ignorância; 3º vítimas tão culpadas como o delinquente, que se incluem nos casos típicos das figuras da eutanásia e da dupla suicida; 4º) vítimas mais culpadas do que o delinquente, categoria integrada pela vítima provocadora, porque o delito se produz precisamente como consequência exclusiva da provocação da própria vítima; 5) vítima como única culpada, categoria que se compõe com as chamadas vítimas agressoras, simuladas e imaginárias.

Como consequência dessa classificação, MENDELSOHN deduz a existência de três grandes setores de vítimas, que são as seguintes: a) vítima inocente ou ideal, porque não teve a menor participação na produção do crime; b) vítima provocadora, imprudente, voluntária e ignorante, caracterizada pela evidente e inegável colaboração por ela prestada aos fins objetivados pelo delinquente; c) vítima agressora, simuladora e imaginária, que em verdade são todas elas supostas vítimas, ou seja, no sentido técnico-jurídico da expressão, as autoras do fato lesivo que pretendem recair em terceiro. Aqui, neste último caso, a vítima já escolheu o seu fim, mas não tem coragem para executá-lo, então escolhe um sujeito (autor) para realizar a obra (!!!).

Convém ressaltar, porém, que aquele que aparecer no cenário como “o carrasco”, mesmo que não tenha culpa, também será levado para o túmulo político, pois, ainda que o povo já saiba que cometeu um erro ao eleger Bernal, esse mesmo povo levará ao cadafalso aquele que aparecer na foto como algoz daquele que um dia representou a sua esperança.

(*) Antônio Cézar Lacerda Alves é advogado.

A Odisseia da Chape
Não tenho dúvidas de que o esporte funciona como uma metáfora da vida. As mazelas e dramas humanos estão presentes em todas as etapas da trajetória d...
Comunicação da qualidade dos alimentos
É importante que as notícias do agro cheguem de maneira correta aos moradores dos grandes centros urbanos. A maioria destes consumidores de alimentos...
Ponte com o futuro
O agronegócio brasileiro é carta importante no jogo geopolítico mundial. De acordo com a FAO (Organização das Nações Unidas para a Alimentação e Agri...
Tendências e atitudes
Professores e economistas como Simão Davi Silber, Ricardo Amorim, Zeina Latif, entre outros sinalizam melhoras na economia para os próximos anos. Enq...



Achei medíocre a acusação do vereador Elizeu Dionizio, sobre o Prefeito ter roubado a Merenda Escolar; Ora, acompanho o Programa de Radio do Prefeito, desde os tempos que o mesmo nem politico era; Homem religioso, a forma em que encerrava o programa com o fervor de suas orações, sempre atendendo as pessoas mais necessitadas, com seu auxilio jurídico. Por tudo isso, não acredito que Ele iria roubar logo, dos mais necessitados. Essa é minha opinião.
 
Antonio Pinto Alves em 11/09/2013 20:25:50
Até hoje só vi um político que foi contra todos e se deu mal. Os que pude acompanhar: Sarney, Fernando Henrique e Lula, fizeram acordos com os Poderes Legislativo e Judiciário e a classe empresarial e terminaram seus mandatos. O único que peitou todos os poderes foi o Fernando Collor de Mello, se achando o maioral. Deu no que deu... impeachment...O nosso prefeito está indo pelo mesmo caminho. Agora se irão cassa-lo é outra realidade. Mas como sugestão poderemos chama-lo de Bernall Artuzzi Collor de Mello. Vai que o nome pega.
 
Paulo Roberto em 11/09/2013 14:24:32
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions