A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 24 de Janeiro de 2017

08/09/2015 08:21

Anômala situação de dependência

Por Benedicto Ismael Camargo Dutra (*)

Os seres humanos são desiguais em seu desenvolvimento espiritual. Isso, porém, não lhes dá o direito de se sobreporem uns aos outros. Com a estagnação desse desenvolvimento, foi surgindo e se perpetuando a ideia da divisão entre mandantes e submissos, sendo que estes últimos se tornaram obedientes devido à própria indolência, e não por forte imposição dos mais fortes.

Na educação, essa ideia foi sendo implantada desde a infância, ampliando-se pela vida toda por meio da mente e das emoções, semeando medo, estabelecendo a fragilidade dos vínculos nas relações. No passado, isso foi largamente utilizado pela religião com o intuito de domesticar os seus rebanhos, mantendo os indivíduos em atitude passiva, sem fazer questionamentos, aceitando os dogmas sem análise própria.

Modernamente, usam-se meios sofisticados de condicionamento das massas; poderia até se dizer que há um processo de “emburrecimento” que mantém as atenções dirigidas para o que é menor, para a luta pela sobrevivência e prazeres passageiros, sem que se alcance um relacionamento de fato, prevalecendo um estado de conflito silencioso que às vezes evolui para confrontações violentas.

A indolência espiritual e preguiça de pensar com clareza levam o ser humano a se acomodar e a aceitar passivamente tudo que lhe é impingido sem se dar ao trabalho de investigar objetivamente com raciocínio lúcido. Como consequência inevitável, ele vai enfraquecendo e se tornando ser-objeto nas mãos daqueles sem consideração que visam apenas satisfazer as suas cobiças e que fazem tudo o que podem para manter essa situação anômala.

Muitas coisas ficavam escondidas, mas agora tudo vem à tona: a miséria, a violência e a vida exibicionista da classe alta. Isso gera descontentamento e aumento do desinteresse de muitas pessoas, que se tornam apáticas e desanimadas ao verem o quão distantes estão dessa forma de vida artificial, transformada em ideal de muitos e inacessível para a grande maioria.

Estamos adentrando numa fase em que os empregos estão desaparecendo no Brasil e no mundo. Seria o fim dos empregos anunciado pelo escritor norte-americano Jeremy Rifkin, autor de um best-seller sobre o tema? O Brasil é um país de incoerências gritantes. Há tantas coisas a serem feitas, mas não há trabalho nem muita vontade. Lixo e esgoto são dois aspectos que mostram o baixo nível da seriedade do poder público e da população. No interior do país, ainda existem prefeitos que mandam queimar os lixões, liberando a fumaça fétida para a cidade e ruas. Muitas rodovias também revelam o descaso, com buracos, falta de sinalização e lixo espalhado. O interior fica ao abandono, sem atividades produtivas nem empregos, enquanto tudo vai decaindo, sem que surja um sonho comum de cooperação para o bem.

No entanto, muita coisa poderia ser resolvida com boa vontade e planejamento para dar trabalho e remuneração através de atividades úteis e necessárias. As mudanças efetivadas na matriz global de produção industrial e pela automação estão criando uma legião sem trabalho, um problema que não poderá ser resolvido pelos meios tradicionais, e que exige uma tomada de posição antes que, com o aumento do descontentamento, os ânimos se acirrem contra as classes em melhor situação. Ainda há uma cegueira geral, mas logo virá o inevitável despertar.

Com sua propensão para a indolência, o ser humano se deixa moldar como objeto e se torna um fraco que vai perdendo a capacidade de perceber o mundo e de exercer a sua livre escolha. O agravamento da situação o deixa mais propenso a odiar e a se revoltar. Só o despertar espiritual poderá eliminar essa anômala situação na qual os humanos se colocaram e restabelecer a boa convivência entre seus pares e a paz.

(*) Benedicto Ismael Camargo Dutra é graduado pela Faculdade de Economia e Administração da USP, e associado ao Rotary Club de São Paulo. Realiza palestras sobre temas ligados à qualidade de vida. É também coordenador dos sites www.vidaeaprendizado.com.br e www.library.com.br, e autor dos livros “ Conversando com o homem sábio”, “Nola – o manuscrito que abalou o mundo”, “O segredo de Darwin”,“2012...e depois?” e “Desenvolvimento Humano”. E-mail: bicdutra@library.com.br; Twitter: @bidutra7

A força da mulher no campo
Em rotina de propriedade leiteira a mulher tem se destacado em alguns setores, ordenha e cuidados de bezerros já são áreas, na produção leiteira, que...
Sobre o mercado e o governo
O homem primitivo acordava de manhã, saía para coletar frutas, abater animais e pescar peixes, e assim ele se alimentava. Ao fim do dia, cobria-se co...
Logística reversa: pensamento sustentável pelas gerações futuras
Incertezas são o que mais temos, porém ideias norteadoras e essenciais para a construção de um futuro mais sustentável já existem. Não podemos ignora...
Quando, também na escola, se dialoga sobre as religiões
Temos percebido uma crescente preocupação acerca do papel social da escola e da educação que acontece neste espaçotempo. Numa perspectiva de sociedad...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions