A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 06 de Dezembro de 2016

01/10/2015 15:58

Às armas da democracia, cidadãos

Por Gabriel Bocorny Guidotti (*)

A luta dos povos contra a tirania tem trilha sonora. Chama-se ‘A Marselhesa’, música composta pelo oficial Claude Joseph Rouget de Lisle, durante a Revolução Francesa. Hoje é o hino nacional da França. A melodia evoca os direitos de liberdade, igualdade e democracia e, a julgar pelo ritmo que caminha a humanidade, permanecerá atualizada para as gerações vindouras.

Veja Mais
Comércio exterior: o que esperar de 2017
Tédio é a falta de projeto

Observo a realidade e noto que os protestos de hoje encontram eco no movimento de 1789. Uma corte, vil e cruel, dispunha de pujança, enquanto que o povo, afrontado por severas indignidades, sentava e assistia o esfacelamento do tecido social. Não era uma boa época de se viver, exceto se você fosse um monarca. Ademais, entre a opressão de Luís 16 e os corruptores deste país noviço chamado Brasil há pequena diferença.

O mundo pós-moderno legislou os direitos humanos. Vivenciamos um período de respaldo legal, embora graves violações continuem a dominar as manchetes da mídia. Reis deram lugar a presidentes. A opinião pública é levada em consideração. O poder absoluto foi ramificado, mas continua imbatível. As decisões de um Congresso Nacional – financiado pelas grandes empresas – são voltadas menos para o eleitorado e mais para seus patrocinadores. Incontáveis desmandos levam o Brasil a desembocar em um corrosivo lugar: o oceano da corrupção.

O princípio da luta das massas é o mesmo. Quem os corruptos pensam que são para tomar o dinheiro público deliberadamente? Acham-se melhores que seus concidadãos por andarem de terno e limusine? Tanta riqueza, tanta podridão. A sociedade sabe quem são seus nobres. Eles pensam que podem viver pacificamente deixando tão pouco para o resto de nós. Metaforicamente, que o sangue impuro banhe nosso solo. Chega de pensamentos mesquinhos orientando o futuro.

Alguém controla a máquina das desigualdades. Não é por acaso que, diariamente, os jornais falam de credores implacáveis e devedores de bilhões. As pessoas comuns não podem ser penalizadas por uma corja de indivíduos que decidiu usar o Estado em favor das próprias ambições. Nossa fé é testada diariamente. A paciência está se esgotando. A Revolução Francesa vive como nunca, potencializada pelas novas tecnologias, que globalizaram o sentimento de esperança. Às armas da democracia, cidadãos!

(*) Gabriel Bocorny Guidotti, bacharel em Direito e estudante de Jornalismo em Porto Alegre – RS

 

Comércio exterior: o que esperar de 2017
Apesar das tintas carregadas com que alguns analistas têm pintado o cenário para o Brasil em 2017, em razão da crise política entre o Congresso e o P...
Tédio é a falta de projeto
Recentemente, deparei-me com duas situações. Na primeira, eu almoçava com dois amigos, ambos na faixa dos 55 anos de idade, funcionários públicos bem...
Dólar alto: bom ou ruim para o agronegócio?
Claro, depende da hora e do mercado, exportação ou de mercado interno. Agora, falando da soja, o principal produto da pauta brasileira de exportações...
Marcas lutam diariamente para impactar as pessoas
Segundo pesquisas, temos contato com aproximadamente 2.000 marcas em um dia “comum” e menos de 300 delas ficam em nossa memória. Por isso, essas marc...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions