A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 06 de Dezembro de 2016

02/01/2013 09:17

As regras do mercado de trabalho

Por Luiz Gonzaga Bertelli (*)

Decisões tomadas sob a pressão de prazos na escolha de candidatos a vagas de estágio ou mesmo de emprego podem resultar na contratação de alguém distante do perfil desejado, enquanto deixa de fora um grupo de potenciais colaboradores com perfil mais adequado, mas que provavelmente não estão preparados para enfrentar os atuais e rigorosos processos seletivos. E os jovens envolvidos ficam com a frustração de uma corrida perdida e também deixam de aprender lições valiosas no processo.

Veja Mais
Comércio exterior: o que esperar de 2017
Tédio é a falta de projeto

Nesse quadro, fica a questão: o que o jovem pode fazer para ganhar um lugar ao sol no mercado de trabalho? Os filhos das famílias de maior renda podem até contar com um profissional em fase de crescente valorização, conhecidos pelo termo importado coach (treinador, em inglês), muito procurado mesmo por executivos interessados em reposicionar a carreira. Evidentemente, o serviço de coaching não é barato. Assim, essa e outras soluções similares não são sequer cogitadas por um grande contingente de jovens que mais precisam delas, mas não têm condições de pagar por estarem fora do mercado, e estão fora do mercado porque não possuem a qualificação desejada e não sabem exatamente qual seja.

Foi para preencher essa lacuna – que não é exatamente nova – que o CIEE assumiu a tarefa de preparar jovens para o mercado de trabalho com total gratuidade, numa postura que beneficia especialmente aqueles estudantes que pertencem a famílias de menor renda. Dessa decisão surgiram iniciativas já tradicionais, como o Programa de Orientação e Informação Profissional – que em 36 anos auxiliou mais de um milhão de estudantes a descobrir suas vocações – quanto recentes como os cursos de Educação à Distância (EaD), que no seu aniversário de sete anos quebrou a marca de dois milhões de matrículas. Além disso, o CIEE promove uma série de ações assistenciais, que se refletem também em inclusão social e profissional. O programa de alfabetização e suplência gratuita para adultos, abordado em nosso artigo da semana passada, é bom exemplo. Ele promove o resgate de pessoas que integram as tristes estatísticas do analfabetismo puro e funcional, que corta pela raiz a possibilidade de ascensão social e de exercício pleno da cidadania. Afinal, como podem se inserir plenamente na sociedade, realizar-se como pessoa, conquistar uma ocupação promissora e desfrutar da sua parte na riqueza nacional pessoas com nenhum ou baixíssimo domínio da escrita e a leitura, habilidades imprescindíveis nesta era do conhecimento que o mundo atravessa? É preciso levar em consideração ainda que, em última instância e para todos esses programas, será necessário contar com a força de vontade dos beneficiados: a exclusão social e do mercado de trabalho por vezes enreda as pessoas em um círculo vicioso de acomodamento e inércia. A boa notícia, entretanto, é que ele sempre pode ser quebrado.

(*)Luiz Gonzaga Bertelli é presidente Executivo do Centro de Integração Empresa-Escola (CIEE), da Academia Paulista de História (APH) e diretor da Fiesp.

Comércio exterior: o que esperar de 2017
Apesar das tintas carregadas com que alguns analistas têm pintado o cenário para o Brasil em 2017, em razão da crise política entre o Congresso e o P...
Tédio é a falta de projeto
Recentemente, deparei-me com duas situações. Na primeira, eu almoçava com dois amigos, ambos na faixa dos 55 anos de idade, funcionários públicos bem...
Dólar alto: bom ou ruim para o agronegócio?
Claro, depende da hora e do mercado, exportação ou de mercado interno. Agora, falando da soja, o principal produto da pauta brasileira de exportações...
Marcas lutam diariamente para impactar as pessoas
Segundo pesquisas, temos contato com aproximadamente 2.000 marcas em um dia “comum” e menos de 300 delas ficam em nossa memória. Por isso, essas marc...



Bom dia!

Acredito ser ótima essa iniciativa, pois fica muito difícil para quem está iniciando a vida profissional ter como comprovar experiência, mas também é difícil para quem já está no mercado de trabalho, porque tem empresas que só pegam quem já trabalhou na área.
Eu mesma estou 2 anos desempregada, levei meu currículo em 2 cartórios e não fui feliz porque não tinha experiência em cartório, aí realmente fica complicado. Por isso parabenizo essa iniciativas.
 
Sandra Regina Alves em 02/01/2013 09:56:16
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions