A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 10 de Dezembro de 2016

13/11/2012 13:59

Atalho para o primeiro emprego

Por Luiz Gonzaga Bertelli (*)

Uma das principais reclamações dos jovens, quando se referem às oportunidades do mercado de trabalho, é a dificuldade para a obtenção do primeiro emprego. Sem experiência, eles perdem a disputa na preferência dos selecionadores por candidatos com prática comprovada e já capacitados para a profissão. A situação piorou nos últimos meses com a desaceleração econômica, que diminuiu a oferta de vagas, o que fez despencar os índices de primeira contratação para o mercado de trabalho formal.

Veja Mais
Cinco ações que devem ser evitadas em 2017
A aviação e suas regras

Com 48 anos de experiência na inserção profissional e social do jovem, o CIEE aposta numa fórmula de sucesso para amenizar o problema: os programas de estágio e aprendizagem. Essa modalidade de capacitação prática dá para o jovem inexperiente a oportunidade de conhecer a dinâmica do mundo da produção, tanto no aspecto prático das funções desempenhadas quanto na aquisição e maturação de comportamentos corporativos, habilidades que não são trabalhadas em sala de aula.

Com o estágio, existe uma troca continua entre a teoria, que o estudante absorve na escola, e a prática no dia a dia nas empresas. Essa contribuição bilateral enriquece os conceitos e a capacidade de reflexão nas matérias e pode ser aplicadas empiricamente por meio de ações desenvolvidas durante o estágio. Ganham com isso a empresa, que terá jovens atualizados com o que há de mais moderno no mercado, e o próprio estudante, por receber uma formação mais sólida e adequada às exigências atuais da necessidade de mão de obra qualificada.

A aprendizagem, que vem em crescimento constante nos últimos anos – ao qual o CIEE empresta forte contribuição com o programa Aprendiz Legal –, também facilita o acesso dos jovens ao mercado de trabalho, principalmente aqueles mais carentes, de áreas de vulnerabilidade social. Com contrato CLT, os aprendizes atuam na empresa e recebem capacitação teórica (que incluem ações voltadas ao desenvolvimento pessoal e da cidadania), sendo, dessa forma, lapidados para que se encaixem no mercado de trabalho em condições de serem efetivados e nele permanecerem. Portanto, o CIEE acredita que essas duas formas de capacitação são atalhos importantes que devem ser levados a sério pelos jovens que pretendem começar suas carreiras com o pé direito, com pensamento focado lá na frente, no sucesso profissional.

(*) Luiz Gonzaga Bertelli é presidente executivo do Centro de Integração Empresa-Escola (CIEE), da Academia Paulista de História (APH) e diretor da Fiesp.

Cinco ações que devem ser evitadas em 2017
Ao fim de cada ano, realizo uma pesquisa com funcionários de empresas de todo o Brasil para avaliar quais foram as coisas que mais impactaram na prod...
A aviação e suas regras
A aviação conseguiu, em menos de um século, aproximar os continentes, as empresas e, principalmente, as pessoas. Foi uma evolução tão rápida que não ...
Lei Orgânica da Assistência Social – 23 anos
Nos últimos anos, a Assistência Social vem construindo uma nova trajetória, organizando-se sob novos padrões e afirmando-se como parte integrante do ...
Morre no trânsito o equivalente a 2 aviões da Lamia lotados por dia
Por dia, no Brasil, morrem em acidentes de trânsito o equivalente a ocupantes de dois aviões da Lamia, que transportava o time inteiro da Chapecoense...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions