A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 18 de Janeiro de 2017

13/01/2012 16:31

Atuação ostensiva só dispersa os usuários de crack

Por Gabriela P. Della Vedova*

Criminalidade é efeito, é forma perversa de protesto, gerada por uma patologia social que a antecede e que é, também ela, perversa. Sem os filtros despoluidores da justiça social e da decência política, toda e qualquer medida contra o crime, por mais violenta e repressiva que seja, constituirá mero recurso paliativo. É claro que a criminalidade, enquanto sintoma, tem de ser adequadamente combatida por medidas policiais enérgicas. Mas que não se fique nisso, já que o puro e simples combate ao efeito não remove — nem resolve — a causa que o produz. Ao contrário: a luta isolada contra o efeito pode tornar-se danosa e perversa, uma vez que, destruindo sua função alertadora e denunciadora, provoca uma cegueira perigosa, que aprofunda a raiz do mal.

Veja Mais
Embarque comprometido
Travessia sustentável

Helio Pellegrino

Em 3 de janeiro de 2012 a Prefeitura paulistana em conjunto com o governo do estado de São Paulo deu início, na região da cracolândia, ao Plano de Ação Integrada Centro Legal. A estratégia, segundo seus idealizadores, é acabar com o tráfico e o uso de drogas na região central da cidade, além de forçar os usuários a buscar tratamento através da “dor e do sofrimento” provocados pela abstinência.

Falou-se muito que a ação policial, num primeiro momento, deveria impedir a subsistência de uma área de comércio e consumo livres do crack. Essa afirmação, como tem sido feita, pode gerar a falsa impressão de que em algum momento existiu na cidade de São Paulo um espaço urbano em que o comércio e o uso dessa substância fosse permitido, o que nunca ocorreu. O crack, como subproduto da cocaína, nasceu ilícito e se, como de fato ocorreu durante os últimos anos em São Paulo, a cracolândia ficou conhecida como um espaço em que se tolerava o uso e o comércio da droga, isso se deu por incompetência ou falta de boa vontade política.

Não é a primeira vez que se empreendem ações policiais na região da cracolândia. Em 2009, o governo Kassab desenvolveu estratégia semelhante que teve resultados passageiros; superado o furor inicial, a vigilância diminuiu, os usuários, então dispersos, voltaram ao seu local de consumo habitual e a situação se reestabeleceu. Ao que parece, o governo paulista decide suprir as próprias falhas de forma atabalhoada. Confunde, novamente, uma questão que é essencialmente de saúde e assistência social, com um problema de segurança pública. A atuação ostensiva da Polícia Militar não faz mais que dispersar os usuários, obrigando-os a buscar a droga em outro lugar. O tráfico, apesar de anteriormente concentrado na região da cracolândia, a ela nunca se restringiu. O aumento no número de crackeiros em regiões vizinhas ao centro de São Paulo já tem sido notado por comerciantes e moradores.

A justificativa dessa ação como uma tentiva de impedir que o usuário tenha acesso a droga para que, em virtude da abstinência, busque tratamento, não merece acolhida por duas razões: primeiro, porque nunca, em nenhum lugar do mundo, qualquer ação repressiva conseguiu impedir por completo que indivíduos tivessem acesso a drogas ilícitas e, segundo, porque pensar que a dor e o sofrimento causados pela abstinência da droga podem induzir o indivíduo dependente a uma autoreflexão que o levaria a buscar tratamento não tem qualquer base científica. O uso do crack pode provocar danos neuropsicológicos permanentes, comprometendo no indivíduo sua capacidade cognitiva e a adesão ao tratamento, razão pelo qual a abordagem do usuário deve ser pensada e executada com cuidado e a confiança no profissional de saúde não pode ser abalada por ações truculentas da polícia. Além disso, induzir os usuários a crises de abstinência de uma droga cujo padrão de uso é definido como compulsivo pode ter, como um de seus efeitos, o aumento nas manifestações violentas. Como se vê, o resultado pode ser o contrário do esperado.

A estratégia de “dor e sofrimento”, pela falta de suporte científico, induz a pensar que talvez seja máscara para a verdadeira e superficial intenção de limpeza do centro da cidade. Com os usuários dispersos e levados, como se espera, para regiões cada vez mais periféricas da cidade, o problema do crack some de vista e gera a falsa, e perigosa, sensação de que o problema foi resolvido. Provoca, como disse Helio Pellegrino, uma “cegueira perigosa, que aprofunda a raiz do mal”. Se existe, realmente, o interesse de dar suporte social e médico ao indivíduo, e não somente a intenção de tirá-lo de vista, a atuação conjunta dos sistemas de saúde, assistência social e segurança pública é imprescindível.

Se o objetivo do Plano de Ação Integrada Centro Legal, como recentemente se colocou numa manchete de jornal de grande circulação, for “esvaziar a cracolândia”, o poder público está no caminho certo. Se, no entanto, a ideia for combater o crack e tratar o usuário, devolvendo-lhe a dignidade, a Prefeitura e o governo do Estado de São Paulo precisam rever seus conceitos.

(*)Gabriela P. Della Vedova é advogada, mestranda pelo Departamento de Direito Penal, Medicina Forense e Criminologia da USP.

Embarque comprometido
O Brasil está entre os cinco melhores mercados de aviação doméstica, mas há quase dois anos vem perdendo demanda por conta do cenário econômico. Só e...
Travessia sustentável
O Relatório Anual do FMI (Fundo Monetário Internacional), sobre a situação econômica de seus países-membros, saiu em novembro do ano passado e projet...
Hoje eu me lembrei...
Nestes tempos conturbados que estamos vivendo, em que muitos buscam um culpado para eximir-se de suas responsabilidades, em que nos esquecemos que no...
Sistema carcerário brasileiro clama por ajuda
O ano começou com uma bomba relógio, que já ‘tic-tateava’ há muitos anos, explodindo. As rebeliões em presídios de todo o Brasil deixaram mais de 120...



Nunca ninguém faz nada, quando alguém resolver fazer alguma coisa, aí vem as críticas Temos 200milhões de consumidores de drogas ilícitas no mundo. Então essa apenas a ponta do iceberg. Precisam mesmo é acabar com os traficantes, não aqueles pequenos, mas sim os grandões que ninguém consegue prender e estão por ai cada vez mais ricos com a desgraça de nossos jovens, morrendo ou virando zimbis.
 
Neuci Augusta Fonseca em 15/01/2012 10:46:09
O QUE TODOS BRASILEIROS, DEVERIAM FAZER, DENÚNCIA DE TUDO O QUE PERCEBE QUE ESTA ERRADO, NÃO TEMER GRUPOS FORA DA LEI, TEM 190, 191, 100, FORUM, DELEGACIA DE POLÍCIAS, BOLETINS DE OCORRÊNCIAS VIA INTERNET, SEREM MAIS UNIDOS E EM QUADRAS, COMBINAREM ENTRE GRUPOS PARA A SUAS PRÓPRIAS DEFESAS, E DENUCIAREM EM CONJUNTO, QUE A COISA MELHORARIA EM GERAL, É UM DIREITO CIVIL, GARANTIDO POR LEI, SEGURANÇA.
 
PEDRO BRAGA em 13/01/2012 05:22:11
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions