A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 09 de Dezembro de 2016

26/04/2012 14:45

Avanços contra o recebimento indiscriminado do seguro-desemprego

Por Silvio Lemos (*)

Há mais de seis anos prestando orientações jurídicas, na área trabalhista, aos que não podem contratar um advogado particular (visto que a Defensoria Pública não atua nesse ramo), na qualidade de servidor da Justiça do Trabalho, pude constatar que, de forma lamentável, boa parte dos empregados estão dispostos a “quase tudo” para receberem o seguro-desemprego.

Veja Mais
A aviação e suas regras
Lei Orgânica da Assistência Social – 23 anos

Com tal finalidade, muitos propõem que seus empregadores os despeçam usando da conduta ilegal conhecida por "acordo por fora", assim chamado por ser realizado à revelia das autoridades. Para tanto, não se importam em abrir mão de parte de suas verbas rescisórias e da multa de 40% sobre os depósitos do FGTS, correndo ainda o risco de serem processados criminalmente por estelionato, tudo em nome do bendito benefício.

Fato é que alguma atitude deveria ser tomada para desestimular essa prática nefasta e, desde o ano passado, ocorrem alterações nas regras para o recebimento do seguro. Hoje, os candidatos são obrigados a participarem de processo seletivo antes de se habilitarem ao benefício. O novo software que cadastra os pedidos bloqueia o processamento se houver uma vaga compatível com o perfil do trabalhador nos bancos de dados. No início da implantação havia brechas que possibilitavam “fugir” da seleção, mas, pelo que soube, as falhas foram corrigidas.

Na mesma linha de atuação, dias atrás, o Governo Federal anunciou mais uma arma. De acordo com o decreto presidencial que regulamenta o Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego (PRONATEC), de agora em diante, depois da terceira vez, dentro de um período de dez anos, o seguro estará condicionado à comprovação de matrícula e frequência em curso de formação inicial e continuada ou de qualificação profissional com carga horária mínima de 160 horas. Durante o curso, o trabalhador receberá um auxílio financeiro denominado bolsa formação.

Embora na norma não haja disposição informando o valor, muito menos o tempo limite dessa bolsa, certo é que o desempregado receberá, da mesma forma, um benefício assistencial do Estado. Todavia, estar-se-á exigindo contrapartida do beneficiário, que será obrigado a estudar e se qualificar a fim de facilitar sua inserção no mercado de trabalho.

Mesmo considerando tímidas as medidas adotadas, era esse tipo de postura que a parte politizada da sociedade clamava do governo, pois somos nós quem, mesmo indiretamente, por intermédio do pagamento dos astronômicos encargos e tributos, custeamos benefícios como o seguro-desemprego.

A verdade é que com as novas normas avançamos no combate à obtenção distorcida do benefício. Contudo há de se “endurecer” ainda mais as normas para desmotivar aqueles que, na realidade, só querem ficar alguns meses em casa recebendo sem trabalhar.

(*) Silvio Henrique Lemos é Analista Judiciário no Tribunal Regional do Trabalho(TRT/MS).

A aviação e suas regras
A aviação conseguiu, em menos de um século, aproximar os continentes, as empresas e, principalmente, as pessoas. Foi uma evolução tão rápida que não ...
Lei Orgânica da Assistência Social – 23 anos
Nos últimos anos, a Assistência Social vem construindo uma nova trajetória, organizando-se sob novos padrões e afirmando-se como parte integrante do ...
Morre no trânsito o equivalente a 2 aviões da Lamia lotados por dia
Por dia, no Brasil, morrem em acidentes de trânsito o equivalente a ocupantes de dois aviões da Lamia, que transportava o time inteiro da Chapecoense...
Um galo para Asclepius
Sócrates, o filósofo ateniense, cujos preceitos influenciaram o pensamento ocidental de forma muito marcante e definitiva, tinha uma característica: ...



Direitos adquiridos nao se discute! Por que nao questionamos os altissimos salarios de deputados e toda essa corja? Sera que o trabalhador nao pode descansar 3 ou 4 meses? Tem que trabalhar ate 65, 70 anos?
Tem muita coisa errada, mas como sempre, a conta sobra pro trabalhador pagar...
 
Rubens Brites em 27/04/2012 12:39:50
Resolveriamos este problema se a solicitação do seguro fosse feita após pelo menos quatro após a demissão, obrigando assim que o trabalhador procure outro emprego antes
 
joão de deus em 26/04/2012 07:26:23
O pior do Brasil é o brasileiro!
A frase se encaixa perfeitamente: sou brasileiro e não desisto nunca! (de tentar ganhar algum por fora desonestamente)
 
Roger Nascimento em 26/04/2012 05:16:38
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions