A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 06 de Dezembro de 2016

24/05/2013 11:11

Bolsa boato

Por Por Silas Fauzi (*)

Recentemente vimos pelos principais noticiários do país uma multidão indo até as agências bancárias principalmente na região nordeste do país, pelos mais variados motivos, em busca do pagamento dos programas sociais, sobretudo o Bolsa Família, do qual estão inscritos.

Veja Mais
Avaliação escolar: o peso de uma nota na vida do aluno
Comércio exterior: o que esperar de 2017

A onda de boato foi tão forte que fez com que muitos acreditassem que o Programa iria acabar e outros acreditaram que o Programa estava com uma bonificação para as mães pela passagem do seu dia, recém-comemorado.

Tudo isso fez com que milhares de pessoas corressem para as agências oficiais ao mesmo tempo, não respeitando o calendário programado de pagamento e, consequentemente, houve tumulto, empurra-empurra, depredação das agências e até mesmo atos de vandalismo motivados pela frustração em perceber que não tinha nada para eles fora da data legal do pagamento.

De qualquer forma isso nos alerta para o perigo dos boatos quando estes interferem na dinâmica do dia a dia das pessoas e na própria dinâmica do Estado que teve que intervir fazendo liberações de pagamentos antecipado durante todo o final de semana subsequente para evitar males maiores.

Temos visto, ultimamente, principalmente nas redes sociais, uma chuva de informações preconceituosas e que muitas vezes são compartilhadas aos montes por pessoas que desconhecem as verdadeiras informações, sobre os programas sociais adotados pelo governo federal como políticas públicas de inclusão e contra a miséria em nosso país. Com isso, algumas pessoas acabam reproduzindo o que a grande mídia quer.

Esses programas não são meramente assistencialistas como pensam alguns. Esses programas incluem pessoas, fomenta o comércio local e que tem como consequência, a geração de empregos, não só no comércio, mas nas próprias indústrias que produzem os alimentos consumidos.

O comércio vendendo mais, paga também mais impostos para as prefeituras que os aplicam em benfeitorias para a própria população. No caso do programa Bolsa Família, exige-se que as crianças das famílias beneficiadas sejam matriculas em escolas e tenham seus rendimentos acompanhados de perto pela equipe das prefeituras locais que fazem a seleção das famílias. Exige-se também que os menores tenham um acompanhamento na evolução do desenvolvimento do crescimento e uma atenção toda especial é dada à saúde delas para que não deixem de participar de todas as campanhas de vacinação do calendário nacional.

Isso tudo, ao contrário do fracasso desejado pelos pessimistas de plantão e por uma oposição que sempre governou para as elites conservadoras do nosso país por mais de quinhentos anos, faz com que almejamos a tão sonhada construção de uma nação sem miséria e sem fome, sonhada, desejada e buscada por muitos ao longo dos anos.

Talvez os referidos pessimistas não vêm o quanto nosso país cresceu economicamente e também não vêm que hoje não precisamos mais esperar o bolo crescer para que seja dividido. Hoje, ao mesmo tempo em que nosso país vai crescendo, nós podemos ter acesso às riquezas geradas por esse crescimento.

Então, é preciso que haja um compromisso de todos para que se concretize esse sonho de termos uma nação soberana, não só na economia mas no acesso aos bens de consumos e principalmente aos alimentos.

(*) Silas Fauzi é professor e militante social.

Avaliação escolar: o peso de uma nota na vida do aluno
"Poderão esquecer o que você disse, mas jamais irão esquecer como os fez sentir." (Carl W. Buechner) Hoje, quero compartilhar uma grande decepção que...
Comércio exterior: o que esperar de 2017
Apesar das tintas carregadas com que alguns analistas têm pintado o cenário para o Brasil em 2017, em razão da crise política entre o Congresso e o P...
Tédio é a falta de projeto
Recentemente, deparei-me com duas situações. Na primeira, eu almoçava com dois amigos, ambos na faixa dos 55 anos de idade, funcionários públicos bem...
Dólar alto: bom ou ruim para o agronegócio?
Claro, depende da hora e do mercado, exportação ou de mercado interno. Agora, falando da soja, o principal produto da pauta brasileira de exportações...



Aqui está o porquê do boato:
A Caixa Econômica Federal confirmou que alterou, sem aviso prévio, todo o calendário de pagamento do programa Bolsa Família um dia antes do auge do boato que causou tumultos em ao menos 13 Estados brasileiro. Após negar inicialmente, o banco afirmou que todos os benefícios, em um total de R$ 2 bilhões, foram liberados de uma só vez nas contas das 13,8 milhões famílias atendidas no dia 17 de março. No dia seguinte, milhares de pessoas foram a agências sacar o benefício após receberem falsas informações de que o programa chegaria ao fim após um suposto pagamento extra pelo Dia das Mães. As informações são da Folha de S. Paulo. Logo, o culpado foi o próprio orgão do governo petista que não trabalhou limpo.
 
Júlio Cardoso em 25/05/2013 10:38:10
Estava eu e minha família discutindo sobre essas "bolsas" num almoço de domingo. Chegamos à conclusão que hoje, enquanto a força trabalhadora do país é maior que o número de beneficiários, esse "investimento" ainda pode ser bancado.
Só que infelizmente, os beneficiários desses planos assistencialistas não estão dando o valor merecido.
O que vemos hoje são filhos desses beneficiários querendo entrar na fila para receber as bolsas e não trabalhar.
O que vai acontecer??!?!?!
No futuro, a situação se inverterá, os trabalhadores de hoje serão os aposentados e os beneficiários de hoje continuarão sem trabalhar. Quem pagará a conta no futuro???
 
Afonso Netho em 24/05/2013 12:28:58
Exatamente.....para quem nao conhece o programa e fala mal,essa reportagem diz o quanto esse programa e importante.

Parabens Silas Fauzi !
 
SIDNEI MENESES AQUINO em 24/05/2013 11:40:43
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions