A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 21 de Fevereiro de 2017

28/12/2012 08:13

Bom vizinho, artigo em extinção?

Por Manoel Afonso (*)

Pesquisa recente mostrou como anda a confiabilidade do brasileiro, onde as Forças Armadas lideram com 75% e os partidos políticos ocupam a lanterna com míseros 7% de credibilidade. Curiosamente pela primeira vez foi incluída a vizinhança entre instituições e grupos pesquisados.

O resultado é no mínimo surpreendente: apenas 30% dos entrevistados tem bom conceito de seus vizinhos. Os números retratam como andam as relações humanas, principalmente nas grandes cidades, onde presumivelmente a coleta de opiniões deva ter sido realizada.

Mesmo admitindo-se margem de erro, a amostragem enseja reflexões e questionamentos. Os leitores das grandes cidades podem concordar usando argumentos variados, desde o estilo de vida, a falta de tempo e nenhuma identidade cultural, para se recolherem à sua ‘toca’ e ponto final.

Evidente que ficou na saudade os tempos em que os vizinhos eram mais íntimos: desde os pedidos de empréstimos do ‘café salvador’ - ao remédio na madrugada fria para estancar a febre do filho. Hoje as famílias se bastam, notadamente nos bairros de classe alta onde os muros altos e os dispositivos de segurança isolam as pessoas. Cumprimentos são formais e apenas durante a operação do portão eletrônico. Cadeiras na calçada e crianças curtindo a bicicleta na rua são cenas exclusivas, mas não frequentes inclusive de bairros da periferia.

Não se pode esquecer também de algumas outras inovações comportamentais que influenciaram. Festas de aniversários e casamentos só nos salões de aluguel; perderam o toque da pessoalidade. Agora é ‘proibido’ morrer em casa. Velório só nas funerárias, como se a morte não fosse parte integrante das nossas próprias vidas e a solidariedade dos vizinhos perfeitamente dispensável.

Aqui vai um exemplo pessoal. Todos os anos saímos pela vizinhança para distribuir sacolas de mangas de nosso quintal. Em todas as casas a mesma coisa: após a recepção fria no interfone, vem aquela reação agradável quando o objetivo da ‘visita’ é revelado. As pessoas se mostram surpresas com a iniciativa/gesto e se desarmam.
Claro! É preciso distinguir situações, mas é possível rever a postura para construir pontes e derrubar muros onde vivemos. A pesquisa serve de alerta e convite para isso. Afinal, “nem sempre a grama do vizinho é mais verde”. Pense nisso.

(*) Manoel Afonso é colunista do Campo Grande News

Uber e o vínculo de emprego com o motorista parceiro
A integração das novas tecnologias no cotidiano e nas relações trabalhistas tem criado novos litígios. A Uber, desde seu início, tem instigado intens...
Tudo é marketing
Segundo Luciano Modesto, da Agência Sete, o marketing está em tudo na empresa. Afinal, marketing não é apenas o desenvolvimento de marcas e produção ...
Maré favorável
Como diriam os dirigentes do Partido Comunista Brasileiro, o velho Partidão, de Prestes e Hércules Correia, há, no momento, condições objetivas para ...
Uma nova educação superior
Somos lentos, inclusive para acompanhar a rapidez da nossa própria tecnologia. A maior parte dos jovens brasileiros hoje já tem acesso a celulares e ...



Sinto-me privilegiada por poder contar com ótimos vizinhos a mais de 20 anos. Tem as vizinhas que cuidam uma da casa da outra, caso apareça um estranho, logo todas são comunicadas. Tem os que cumprimentam no portão e ainda param para dar uma prosinha. Também os solidários que se unem para o velório dos que partem. Mas o destaque fica para o vizinho mais velho (acima de 80 anos) e ao mesmo tempo mais antigo que todo ano (exceto no ano em que perdeu um neto) faz a viagem até a cidade de Rio Negro para encomendar a carne de vaca e convida cada vizinho de porta em porta a saudar com ele e sua família, o ano novo com um churrasco em sua casa. Já virou tradição no bairro e rezamos para que não se acabe tão cedo. Exemplo de amizade e consideração. Um feliz 2013 para todos!!!
 
Elinete Ricartes em 28/12/2012 15:52:44
Por mais que os políticos e a imprensa tentem, as Forças Armadas são as instituições em que o brasileiro confia de verdade. Todos nós sabemos por quê...
 
Adriano Roberto dos Santos em 28/12/2012 14:08:47
Infelizmente é isso mesmo. As pessoas estão cada dia mais se distanciando umas das outras , não sei se pelo medo ou simplesmente indiferença com a amizade. Eu que vivi os bons tempos de vizinhança so tenho a lamentar.
 
Juarez delmondes em 28/12/2012 10:18:22
Pior ainda, quando se tem vizinho barulhento, metido a cantor de meia tigela, que resolve ensaiar todo santo dia as onze da noite, estendendo até 3 ou 4 da manhã, em plena terça feira!! Com esses meu tratamento é zero, ficando restrito as tentativas de solução no 190 que não vem!!!
 
Paulo Carvalho em 28/12/2012 09:20:03
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions