A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 17 de Janeiro de 2017

27/09/2012 11:00

Campo Grande não é cidadezinha qualquer

Por Antonio Carlos Teixeira (*)

Sou campo-grandense nato. Mas faz 13 anos e sete meses que moro fora. Em Brasília.

Veja Mais
A atuação das empresas na era do talentismo
Criptografia: de arma de guerra a pilar da sociedade moderna

Ao menos uma vez ao ano visito, com a família, a terra natal. Nesse período, Campo Grande se transformou. A cada ida à Capital percebemos as mudanças.

Só quem está distante pra ter essa percepção. É como nossos filhos. Por estarmos pertos deles, não notamos que eles crescem. Viram mulheres; viram homens.

Deixam a mamadeira, abandonam a chupeta, ganham pelos, barba, os netos chegam... É preciso alguém de fora – avós, tios, primos, amigos – para perceber essa evolução.

Coisas do tipo: “Nossa, você virou um ‘homão’”! Ou, “Nossa, como você ficou bonito (a)”! Ou ainda, “Que moça bonita!”

É assim que minha mulher, os dois filhos e eu vemos Campo Grande.

Quem vive na cidade parece não perceber o quanto ela se desenvolveu. O quanto ela se tornou agradável, linda, aconchegante.

Na penúltima vez em que estivemos aí, fizemos verdadeiro tur.

Saímos da Mata do Jacinto, cruzamos o centro, chegamos ao Rita Vieira, passamos em frente ao Rádio Clube Campo, cortamos a Vila Pioneira e Bairro Universitário.

Também passamos pelo Estádio Pedro Pedrossian, o Morenão, onde joguei muito futebol (em quantidade, não em qualidade, ressalve-se) quando fazia Jornalismo na Universidade Federal.

Dali, chegamos ao Lago do Amor, ao Jardim Centenário até avistar a Coophavila I e II, o Aero Rancho... Tudo interligado por vias rápidas, cortadas por córregos canalizados, como Prosa e Segredo.

Fizemos esse trajeto em menos de hora, sempre parando, surpresos, contemplando as mudanças.

Na última vez, vimos o que foi feito nas Avenidas Duque de Caxias e Afonso Pena.

Nesse tur por Campo Grande, sempre margeando córregos, um fato chamou a atenção das crianças. “Pai, cadê as favelas?”, perguntaram. A resposta estava ali, diante delas.

A disputa eleitoral, infelizmente, quer transformar Campo Grande numa cidadezinha qualquer.

Discurso nenhum, no entanto, mudará nossa visão (mulher, filhos e eu) sobre o estágio a que Campo Grande alcançou.

O próximo prefeito precisa saber que administrará uma grande cidade, uma capital. E que, para isso, terá de ser competente o bastante para continuar nos impressionando, oferecendo o melhor a cada campo-grandense.

Quer queira quer não, Campo Grande é outra cidade. Com seus defeitos.

Mas com virtudes que os discursos fáceis não podem esconder.

Quem quiser ganhar a eleição que utilize outros argumentos.

(*) Antonio Carlos Teixeira é jornalista, formado pela Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS). Foi repórter do extinto jornal Diário da Serra, do jornal Correio do Estado por sete anos e assessor de imprensa adjunto da Secretaria da Receita Federal em Brasília.

A atuação das empresas na era do talentismo
No atual cenário em que vivemos, com crise financeira em diversos países, catástrofes ambientais e diferenças sociais, engana-se quem acredita que es...
Criptografia: de arma de guerra a pilar da sociedade moderna
A estratégia permitiu que vitórias impossíveis pudessem acontecer ao longo da história. São vários os casos de pequenos exércitos vencerem batalhas c...
Sobre a liberação da venda de terras para estrangeiros no Brasil
Terra, capital e trabalho compõem a clássica tríade dos fatores de produção que embasam as análises e cálculos econômicos desde a Economia Política, ...
Inclusão bancária no Brasil
O sistema bancário brasileiro atravessa um momento de aceleração na prestação dos serviços bancários, resultado da estabilidade econômica dos últimos...
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions