A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 24 de Janeiro de 2017

12/08/2011 06:03

Clima e Economia: o que fazer em tempos de crise?

Por Alexandre Honig Gonçalves (*)

Hoje em dia o mundo assiste perplexo às mudanças climáticas e o modo como estas afetam violenta e indiscriminadamente os Estados e suas populações, tanto os países desenvolvidos como aqueles em vias de crescimento econômico e incremento social têm passado por dificuldades por conta de eventos climáticos extremos, como por exemplo: chuvas e secas intensas, maremotos, terremotos, vulcões, tornados e neve, de um modo desordenado e fora dos padrões conhecidos pela humanidade.

Nesse cenário de permanentes discussões entre atores governamentais, instituições políticas internacionais, organizações não-governamentais, iniciativa privada e sociedade civil global, pouco tem se avançado em direção a uma estratégia compartilhada de cooperação transnacional que aponte caminhos efetivos para mitigação dos impactos antrópicos e para formulação de políticas públicas de fomento a sustentabilidade socioambiental no planeta.

Todavia, essas alterações no clima da Terra estão a cada dia sendo intensificadas por conta do tempo gasto em debates, políticas e estudos pouco ou nada conclusivos, enquanto se alastram as mazelas sociais e a anarquia no cenário internacional, uma vez que não existem fronteiras capazes de impedir problemas desta magnitude.

História, geografia, cultura, economia e território de vários países ao redor do mundo se encontram em risco de extinção eminente por conta da paralisia geral das nações em relação à resolução dos problemas na gestão ambiental global. Estes, que por sua vez demandam atenção, objetividade, seriedade e recursos específicos e ininterruptos por parte dos Estados a fim de que sejam resolvidos.

Paralelamente aos fatos supracitados, outros destaques no panorama internacional são as crises econômicas pelas quais passam os Estados Unidos e alguns países da Europa, estes são reflexos diretos e claros da má utilização dos recursos financeiros disponíveis.

Processos de engenharia e alavancagem financeira, especulações nos mercados de capitais, desvalorização de títulos públicos e um nível de gasto exagerado por parte desses países configuram atualmente uma realidade jamais pensada há poucos anos atrás, onde o capitalismo “ultraliberal” ditava as regras de produção e consumo das sociedades contemporâneas.

Deste modo, permanece estabelecido o dilema de agir ou não, em relação à problemática ambiental mundial, que não aguarda a resolução de problemas políticos e econômicos para prosseguir com sua violência sobre a frágil coletividade. Fato, é que neste cenário, não há recursos disponíveis.

Ainda dentro deste quadro conceitual, segue a eterna dúvida se o Homem é parte da natureza, ou se a natureza é parte do Homem.

Enquanto essas questões não forem debatidas com seriedade e serenidade entre os Estados, toda crise será largamente agravada pelas mudanças climáticas e seus eventos extremos. Um novo caminho deve ser formulado através de rotas multidimensionais e integradoras. Assim, o desafio maior dos Estados parte é traçar os planos aplicáveis ao alcance dos objetivos comuns à humanidade, através da diplomacia e de tecnologias sustentáveis.

(*) Alexandre Honig Gonçalves é coordenador do curso de Relações Internacionais do Centro Universitário Anhanguera de Campo Grande.

Sobre o mercado e o governo
O homem primitivo acordava de manhã, saía para coletar frutas, abater animais e pescar peixes, e assim ele se alimentava. Ao fim do dia, cobria-se co...
Logística reversa: pensamento sustentável pelas gerações futuras
Incertezas são o que mais temos, porém ideias norteadoras e essenciais para a construção de um futuro mais sustentável já existem. Não podemos ignora...
Quando, também na escola, se dialoga sobre as religiões
Temos percebido uma crescente preocupação acerca do papel social da escola e da educação que acontece neste espaçotempo. Numa perspectiva de sociedad...
19 anos de Código de Trânsito Brasileiro
No dia 22/01/17, o atual Código de Trânsito Brasileiro completa 19 anos de vigência. Após 31 Leis que o alteraram, com o complemento de 655 Resoluçõe...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions