A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 06 de Dezembro de 2016

30/06/2016 16:00

Como planejar as férias escolares em tempo de crise?

Por Por Bruno Cunha (*)

Férias de julho, viagens e diversão são sinônimos para muitos. Aproveitar os dias de descanso para viajar com a família e conhecer lugares novos é a primeira opção para aliviar o stress. Mas, diante da crise econômica, (desemprego, preços elevados, dólar em alta), como curtir as férias escolares? Isto é possível? Sim! Fazer um bom planejamento financeiro é a resposta.

Veja Mais
Comércio exterior: o que esperar de 2017
Tédio é a falta de projeto

O planejamento financeiro começa antes mesmo de sair de casa, reservar o hotel ou comprar as passagens. Para se planejar bem, é preciso ter um orçamento pessoal/familiar já montado (planilha), que forneça sua real situação financeira – os números não mentem. No Brasil, a cultura do planejamento ainda tem que crescer muito. É comum vermos pessoas que viajaram sem planejar e acabaram por gastar muito além do previsto. Férias, entretenimento mexem com as emoções e os sonhos. Portanto, é preciso parar e raciocinar financeiramente antes de qualquer passo.

Antes de sair de casa, pergunte a si mesmo: qual o montante total que posso gastar nessas férias? Não faça as contas na cabeça, pois é um risco enorme! Utilize a planilha financeira para descrever todo itinerário financeiro. A viagem precisa ter um roteiro, desde o momento preparatório até o retorno à sua casa. Por exemplo, gastos com roupas e remédios precisam ser lançados. Afinal, viagens são facilmente atingidas por imprevistos.

Outra dica é procurar por roteiros que ofereçam promoções. Muitos sites disponibilizam comparação de passagens aéreas, diárias de hotéis, passeios turísticos. Não escolha com pressa! Fale com pessoas que já conhecem o lugar. Veja os comentários e avaliações na internet e redes sociais. Às vezes, abrir mão de um sonho agora, por uma boa segunda opção, pode ser a saída para economizar e curtir bastante!

Atividades ao ar livre é uma alternativa, e faz muito bem à saúde. Visite parques, museus, praças. Escolhas assim podem facilitar na hora de economizar, e trarão muitos benefícios, uma vez que atividades físicas ao ar livre, além de gratuitas, são muito recomendadas por médicos e especialistas para deixar o stress do dia a dia para trás.

O celular pode ser um grande aliado nas férias! Instale um bom aplicativo para controle de gastos. É uma opção excelente para quem já está acostumado com smartphone. Com a ajuda dessa ferramenta é possível contabilizar cada passo da viagem, todos os gastos e imprevistos. É como ter conta pronta na hora de decidir: Quanto já gastei? Quanto ainda tenho disponível? Emoções mexem com nosso senso de humor, nosso discernimento financeiro. Depois a conta pode ser alta!

Uma coisa é certa: não dá para fazer tudo, comprar tudo. Diante da crise é importante fazer escolhas inteligentes. Querer tudo ao mesmo tempo é um mau sinal financeiro. Opte ora por comer em um restaurante mais barato, ora por apenas fazer um lanche. Em alguns casos, comer em casa ou pedir uma pizza, por exemplo. Para quem está em viagem, alterne a escolha dos locais mais caros e mais baratos.

Se você não vai viajar ou já está com o orçamento limitado, ou endividado, evitar shoppings é questão de sobrevivência. A melhor opção é fazer atividades que não envolvam vitrines, lojas, painéis luminosos e praças de compras. Isto vale para internet também! O que o olho não vê, o bolso não sente!

Para começar bem, faça hoje mesmo sua planilha financeira. Gaste tempo com orçamentos. Crise e oportunidade andam juntas, diz o ideograma chinês. Boas férias!

(*) Bruno Cunha é economista, especialista em Finanças Pessoais e Educação Financeira, professor

Comércio exterior: o que esperar de 2017
Apesar das tintas carregadas com que alguns analistas têm pintado o cenário para o Brasil em 2017, em razão da crise política entre o Congresso e o P...
Tédio é a falta de projeto
Recentemente, deparei-me com duas situações. Na primeira, eu almoçava com dois amigos, ambos na faixa dos 55 anos de idade, funcionários públicos bem...
Dólar alto: bom ou ruim para o agronegócio?
Claro, depende da hora e do mercado, exportação ou de mercado interno. Agora, falando da soja, o principal produto da pauta brasileira de exportações...
Marcas lutam diariamente para impactar as pessoas
Segundo pesquisas, temos contato com aproximadamente 2.000 marcas em um dia “comum” e menos de 300 delas ficam em nossa memória. Por isso, essas marc...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions