A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 20 de Janeiro de 2017

13/11/2014 09:45

Crítica ao PL 470/2013 - Estatuto das Famílias

Por Lauane Braz Andrekowisk Volpe Camargo (*)

Tramita perante o Senado Federal o Projeto de Lei 470/2013, denominado “Estatuto das Famílias”, de autoria da Senadora Lídice da Mata (PSB/BA) e do Instituto Brasileiro de Direito de Família. Eventual aprovação deste Projeto implicaria em profundas alterações no Direito de Família, merecendo, em razão de seus efeitos diretos e negativos a célula essencial da sociedade, debate mais amplo e democrático. E é justamente o que se pretende com o presente texto: esclarecer as novidades trazidas pelo Projeto, pois, só assim, será possível que o leitor reflita e opine sobre a proposta de alteração legal.

Veja Mais
Em busca da competitividade sustentável para o agronegócio
Elementos da teoria da decisão

O PL 470/2013 já nasce inconstitucional, pois protege a poligamia em detrimento do princípio constitucional da monogamia. Isto porque consta no art. 14 que “As pessoas integrantes da entidade familiar têm o dever recíproco de assistência, amparo material e moral, sendo obrigadas a concorrer, na proporção de suas condições financeiras e econômicas, para a manutenção da família” e mais adiante prossegue “A pessoa casada, ou que viva em união estável, e que constitua relacionamento familiar paralelo com outra pessoa, é responsável pelos mesmos deveres referidos neste artigo, e, se for o caso, por danos materiais e morais.” Isso quer dizer que os amantes passarão a ter direito a alimentos e indenização por danos materiais e morais. É isso mesmo! E não é só isso.

Esse lamentável Projeto prevê ainda o fim das famílias no modelo milenar constituído. Isto porque ele iguala as figuras da madrasta e do padrasto às da mãe e do pai, respectivamente. Veja-se o teor do art. 70: “O cônjuge ou companheiro pode compartilhar da autoridade parental em relação aos enteados, sem prejuízo da autoridade parental dos pais.”. E no art. 74 é dito: “Pode o enteado pleitear do padrasto ou madrasta alimentos em caráter complementar aos devidos pelos seus pais.”

Isso quer dizer que se uma senhora brasileira, durante o casamento tiver um filho, vier a se separar e seu ex-marido se casar novamente, a madrasta terá o direito de participar da educação do filho daquela, questionar os ensinamentos da mãe (viva e presente na vida do filho), terá direito à convivência (guarda, visitas), terá que pagar alimentos e ainda seu filho terá direito sucessório em relação a ela, e vice-versa. Além disso, é possível que seu filho tenha que colocar na certidão de casamento a menção de que tem duas mães (mãe tradicional e madrasta). Como esta criação reagirá? Isso é saudável? O Poder Judiciário atualmente tem grande dificuldade em solucionar as demandas decorrentes de conflitos entre pai e mãe, imagine os conflitos e divergências que resultarão entre madrastas x mães, pais x padrastos.

Além disso, caso esse projeto seja aprovado, uma mulher solteira poderá registrar como pai de seu filho quem ela bem entender. Hoje só a mulher casada pode registrar seu marido como pai de seu filho, isso desde o Direito Romano. Nas demais hipóteses é necessária a confirmação do pai.

Outras graves críticas podem ser feitas, mas o debate não se esgotará aqui. Este é só o primeiro de diversos textos nos quais pretendo expor diversos equívocos da proposição legislativa.

Acredito que este Projeto não merece ser aprovado, seja porque contém equívocos técnicos gravíssimos, seja porque tem o nítido objetivo de destruir o Direito de Família.

(*) Lauane Braz Andrekowisk Volpe Camargo, doutora e mestre em Direito Civil pela PUC/SP, professora e advogada.

Em busca da competitividade sustentável para o agronegócio
O papel da sanidade animal e vegetal Há décadas as questões sanitárias de plantas e animais integram a lista das preocupações do agronegócio brasilei...
Elementos da teoria da decisão
A propósito do fim do ano de 2016 (terrível na política e na economia) e com o ano de 2017 (com esperanças de que as coisas melhorem), participei de ...
O diálogo inter-religioso
Desde a declaração Nostra Aetate, do Concílio Vaticano II, a Igreja busca manter o diálogo inter-religioso. Aí surge a pergunta: Por que o diálogo co...
Embarque comprometido
O Brasil está entre os cinco melhores mercados de aviação doméstica, mas há quase dois anos vem perdendo demanda por conta do cenário econômico. Só e...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions