A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 21 de Janeiro de 2017

17/06/2014 13:21

Cursos técnicos e emprego

Por Luiz Gonzaga Bertelli (*)

Apesar de os índices de empregabilidade continuarem favoráveis ao trabalhador, os jovens sempre encontram mais dificuldades para ingressar no mercado de trabalho, principalmente pela falta de experiência profissional ou mesmo pela baixa qualificação. Além do estágio e da aprendizagem, que são excelentes catalizadores para o início de carreira, o ensino técnico também aparece como um elemento importante para facilitar a conquista do tão almejado emprego. Uma pesquisa realizada pela Confederação Nacional da Indústria (CNI), recém divulgada, mostra que 90% das duas mil pessoas entrevistadas com mais de 16 anos, acreditam que a formação em cursos técnicos proporciona mais oportunidades no mercado de trabalho. Para 53% dos respondentes, o rápido ingresso no mundo do trabalho é um dos principais motivos para buscar a profissionalização.

A pesquisa aponta ainda que apenas um em cada quatro entrevistados frequenta ou já frequentou algum curso de educação profissional no Brasil. Entre os motivos do baixo índice estão a falta de tempo (40%), falta de recursos (26%) e falta de interesse (22%). Uma das principais vantagens do ensino técnico é que, diferentemente dos cursos acadêmicos, está mais direcionado para a prática da profissão, com um currículo voltado para as necessidades das empresas. Com isso, o mercado torna-se mais favorável para quem adquire essa experiência e torna-se melhor para o jovem que consegue estagiar concomitantemente com o curso, ampliando a vivência prática da profissão.

Na análise de educadores, os cursos técnicos tiveram uma retração nos últimos anos pela facilidade atual de se alcançar cursos de graduação. Por causa disso, sobram oportunidades nas empresas para os jovens com perfil mais técnico. Em início de carreira, um técnico de enfermagem pode ganhar mais de R$ 2 mil. Um técnico de segurança chega a ter salário inicial superior a R$ 2,4 mil, o que pode representar uma ascensão financeira para jovens de áreas mais carentes. O ensino técnico também é visto como um poderoso mecanismo para amenizar a falta de mão de obra qualificada na indústria, que cresce a cada ano, atravancando a produtividade e o desenvolvimento econômico e social do país.

(*) Luiz Gonzaga Bertelli é presidente executivo do Centro de Integração Empresa-Escola (CIEE), da Academia Paulista de História (APH) e diretor da Fiesp.

Chacina e colapso nas prisões brasileiras
Nestes poucos dias do Ano da graça de 2017, o Brasil e o Mundo viram estarrecidos o massacre brutal de cerca de pelo menos 134 detentos, dentro das p...
Em busca da competitividade sustentável para o agronegócio
O papel da sanidade animal e vegetal Há décadas as questões sanitárias de plantas e animais integram a lista das preocupações do agronegócio brasilei...
Elementos da teoria da decisão
A propósito do fim do ano de 2016 (terrível na política e na economia) e com o ano de 2017 (com esperanças de que as coisas melhorem), participei de ...
O diálogo inter-religioso
Desde a declaração Nostra Aetate, do Concílio Vaticano II, a Igreja busca manter o diálogo inter-religioso. Aí surge a pergunta: Por que o diálogo co...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions