A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 03 de Dezembro de 2016

02/09/2011 06:02

Decisão do STF sobre concursos estaria ameaçada?

Por Silvio Henrique Lemos (*)

Dias atrás, o Supremo Tribunal Federal (STF), julgou Recurso Extraordinário e decidiu que há obrigação da administração pública em nomear candidatos aprovados, em concurso público, dentro do número de vagas oferecidas no edital. Tal decisão repercutiu em todo o país, causando expectativa no universo de pessoas que investem, não só no aspecto financeiro, mais também emocionalmente para ingresso na carreira, já que a preparação demanda muito estudo e privações por parte do candidato.

No caso do processo, que é oriundo de Mato Grosso do Sul, um candidato foi classificado no concurso da Polícia Civil, cujo edital previa 111 vagas, na 82ª posição para o cargo de Agente Auxiliar de Perícia. Antes do término da validade, ele ingressou com ação exigindo que fosse nomeado.

De acordo com o julgamento do STF, o dever de boa-fé da administração pública, exige o respeito incondicional às regras do edital, inclusive quanto à previsão das vagas. Para a Suprema Corte, o comportamento do Poder Público, no decorrer do concurso, deve se pautar pelo respeito e confiança nele depositada por todos os cidadãos, e pode sim escolher o momento mais conveniente para a nomeação, porém, está obrigada a convocar o aprovado no prazo de validade previsto no edital.

Entretanto, ppenso que a sociedade deve ficar com “um pé atrás” quanto a efetividade desse julgamento no aspecto prático, porque, infelizmente, no nosso país, é muito comum o uso de um artifício chamado” jeitinho brasileiro”. Temo por manobras administrativas que objetivem burlar os efeitos dessa decisão. Mas como isso seria possível?

Ora, basta que o ente governamental, de agora em diante, aplique a estratégia de realizar o concurso com um número desprezível de cargos vagos, ou até mesmo, sem previsão para preenchimento de vagas imediatas para somente formar o denominado cadastro reserva. Pronto! Com isso, durante a validade do concurso, convocaria os aprovados para as vagas que, a critério da instituição, devam ser preenchidas.

Na realidade, quando um cargo fica vago, noticia-se a vacância, somente naquela ocasião e apenas por meio do diário oficial de cada Poder, o que, convenhamos, torna praticamente impossível saber com precisão o quantitativo exato de cargos desocupados. Não existe legislação obrigando o ente estatal a dar “publicidade real”, com relação a esses dados, providência que seria fundamental para uma fiscalização eficaz.

Uma ferramenta que possibilitaria melhor controle, seria se a instituição publicasse essas informações por intermédio da sua página na internet, ou até mesmo nos moldes do portal da transparência como forma de demonstração da moralidade administrativa, princípio essencial na relação da Administração Pública e seus administrados.

Considero que dDiante da dificuldade, de nós, pessoas comuns, termos acesso a esses dados, o Ministério Público, dada sua competência constitucional de fiscal da lei, terá papel preponderante na adoção de medidas para coibir essas possíveis manobras que poderiam frustrar a aplicação da festejada decisão do STF.

Com a regra do concurso, a Constituição Federal pretendeu a lisura e o extermínio do apadrinhamento (artifício nefasto ainda usado por conta das brechas na lei), visando proporcionar a igualdade de condições na disputa de uma vaga no serviço público. Portanto, qualquer estratégia que pretenda macular essa garantia constitucional, deve ser combatida veementemente.

(*) Silvio Henrique Lemos é jornalista diplomado e Analista Judiciário do Tribunal Regional do Trabalho de Mato Grosso do Sul.

Educação e o futuro da alimentação
Educação deve colaborar na preparação de todos para o pleno exercício da cidadania e, especialmente, formar os jovens para uma vida profissional que ...
Convenções internacionais e competitividade
O Brasil precisa atuar com mais critério na hora de analisar e ratificar convenções multilaterais, especialmente as negociadas no âmbito de entidades...
A Odisseia da Chape
Não tenho dúvidas de que o esporte funciona como uma metáfora da vida. As mazelas e dramas humanos estão presentes em todas as etapas da trajetória d...
Comunicação da qualidade dos alimentos
É importante que as notícias do agro cheguem de maneira correta aos moradores dos grandes centros urbanos. A maioria destes consumidores de alimentos...



No último concurso do TRT, pude verificar a existência por parte do CESPE/UNB, com relação à prova de redação - a existência do chamado "aparelhamento do Estado". O candidato deveria escrever conforme o entendimento que o PT - Partido do Trabalhadores faz a respeito do controle das informações veiculadas pelos orgãos de imprensa nacionais (mídia). Quem manifestasse sua contrariedade estava eliminado do citado concurso.
Outra coisa que deve ser combatida, diz respeito à prova de títulos (engôdo jurídico constitucional), que visa dar prioridade aos apadrinhados políticos (concursos estaduais e municipais). Após a aprovação na prova de conhecimentos, os apadrinhados conseguem títulos "fajutos" estaduais e municipais e derrubam os melhores classificados - arrebatando-lhe as vagas. Como diz o Bóris Casoy : ISSO É UMA VERGONHA!...
 
Jôni Coutinho em 02/09/2011 09:35:19
Parabéns Silvio, pela sua atitude de manifestar-se com fundamentação, tanto quanto a lei como nos principios, precisamos que mais pessoas com conhecimentos juridicos possam estar vigilantes com os acontecimentos, e levando a luz da lei para sociedade.
 
Atilio Vilela Guedes em 02/09/2011 08:01:16
parabens silvio pelo artigo e pela atitude, e ainda entendo que concursos público tería que ser isento de taxas, se não existissem taxas todos os que tivessem os quesitos exigidos participariam, porque não só as duvidas já mencionadas no artigo esses concursos engordam tambem os cofres públicos , que em muitos casos prestam concursos p/ reserva de vagas e as mesmas ficam na reserva até vencer o praso p/ convocaçao.
 
porfirio vilela em 02/09/2011 04:45:14
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions