A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 05 de Dezembro de 2016

01/08/2015 09:13

Defenda seu patrimônio: cautela com taxas na hora de investir em Tesouro Direto

Por Lélio Braga Calhau (*)

Uma das cautelas que deve ser adotada pelas pessoas quando investem é verificar o custo efetivo de determinados investimentos. A poupança, tão popular, tem uma série de vantagens por conta de sua simplicidade. Infelizmente, também, tem uma rentabilidade bem menor que o Tesouro Direto, onde você pode comprar diretamente do governo brasileiro títulos da dívida pública.

Veja Mais
Tédio é a falta de projeto
Dólar alto: bom ou ruim para o agronegócio?

No mercado financeiro nem tudo que é fácil tem melhor retorno. Compare os empréstimos e as suas taxas. Os mais simples (cartão de crédito, cheque especial, etc.) são os mais caros. Para se pegar um empréstimo mais barato, é comum que o interessado tenha que se submeter a uma maratona burocrática, onde terá ao final, caso seja aprovado, uma linha de crédito muito mais barata do que os exemplos citados acima.

No Tesouro Direto há duas taxas: a primeira é cobrada pela BM&FBOVESPA, Bolsa de Valores, Mercadorias e Futuros, e a segunda cobrada pela instituição financeira.

A taxa de custódia cobrada pela BM&FBOVESPA é de 0,30% ao ano sobre o valor dos títulos referente aos serviços de guarda desses papéis e às informações e movimentações dos saldos.

Já a segunda taxa (de administração) é o grande problema, a meu ver, pois ela é livremente estipulada pela instituição financeira. A diferença das taxas de administração entre as corretoras e bancos é gritante.

Algumas instituições não cobram nada de taxa de administração; outras cobram, por exemplo, 0,06%, 0,1%, 0,2%, 0,3%, 0,4%, 0,5% a até inacreditáveis 2% ao ano de taxa de administração. Há valores intermediários, mas apenas com os citados acima você pode constatar que a discrepância dos valores cobrados dos consumidores é extrema.
Olhe com atenção o “Ranking das Taxas cobradas pelos Agentes e informação sobre prazos de repasse dos recursos” no site do Tesouro Nacional e tire suas próprias conclusões.
Por fim, atente para a diferença entre as taxas de administração dos bancos públicos e das corretoras independentes e avalie, caso a caso, qual é a melhor opção para você. Defenda seu patrimônio e estude o assunto. Compensa (e muito)!

(*) Lélio Braga Calhau é promotor de Justiça de Defesa do Consumidor do Ministério Público de Minas Gerais. Graduado em Psicologia pela UNIVALE, é Mestre em Direito do Estado e Cidadania pela UFG-RJ e Coordenador do site e do Podcast "Educação Financeira para Todos".

Tédio é a falta de projeto
Recentemente, deparei-me com duas situações. Na primeira, eu almoçava com dois amigos, ambos na faixa dos 55 anos de idade, funcionários públicos bem...
Dólar alto: bom ou ruim para o agronegócio?
Claro, depende da hora e do mercado, exportação ou de mercado interno. Agora, falando da soja, o principal produto da pauta brasileira de exportações...
Marcas lutam diariamente para impactar as pessoas
Segundo pesquisas, temos contato com aproximadamente 2.000 marcas em um dia “comum” e menos de 300 delas ficam em nossa memória. Por isso, essas marc...
A modernização das leis do trabalho: oportunidade, não oportunismo
Crises econômicas em qualquer país do mundo ensejam debates sobre reformas. São nos cenários de recessão prolongada que as nações se defrontam com se...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions