A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 03 de Dezembro de 2016

25/07/2013 08:11

Depois que os médicos foram à justiça governo quer retirar medidas arbitrárias

Por Ruy Sant’Anna (*)

Decididamente a classe médica toma rumo mais objetivo para decisão das pendências que além dos médicos já preocupava aos prefeitos municipais e à população brasileira. Os problemas na saúde pública caminham para solução.

Veja Mais
Educação e o futuro da alimentação
Convenções internacionais e competitividade

Enquanto manifestações e paralisações dos médicos aconteciam em vários estados do país, a Federação Nacional dos Médicos (FENAM), que congrega os sindicatos da categoria, ajuizou dia 23, uma ação civil pública na Justiça Federal contra o programa “Mais Médicos”.

“A FENAM com a ação civil pública quer impedir que o “Mais Médicos” cause danos à população brasileira com o atendimento feito por profissionais com formação duvidosa”, afirmou o presidente Geraldo Ferreira à imprensa.

Juristas consultados dão como justas as razões ajuizadas na Justiça Federal pela FENAM.

Os médicos não são contra a vinda de colegas provenientes de outros países.

Mas, entre as razões ajuizadas contra o “Mais Médicos”, a FENAM alega que houve uma descaracterização da urgência e emergência necessárias para justificar a edição de uma Medida Provisória (MP) previstas na Constituição Federal.

Outra razão da FENAM é que o programa do governo viola o princípio do concurso público. Além disso, a entidade defende que há uma precarização nas relações de trabalho, já que a MP se refere ao pagamento de bolsas, o que de acordo com a FENAM, serve para burlar as leis trabalhistas.

Para resguardar os direitos dos médicos brasileiros, a Federação Nacional dos Médicos recomenda aos Conselhos Regionais de Medicina (CRMs), só realizarem o registro dos médicos intercambistas que aderirem ao programa “Mais Médicos” mediante a apresentação da revalidação do diploma expedido fora do país. E que seja reconhecida a proficiência em língua portuguesa de todos os candidatos.

De há muito, tais exigências são cobradas de todos os médicos que queiram trabalhar livremente no Brasil. Porém o governo insiste em dispensar os estrangeiros da revalidação de seus conhecimentos aqui no país.

Essa divergência pode ser resolvida através de um contrato entre partes como com os Ministérios da Saúde e do Trabalho, e os médicos “importados” interessados.

Admitindo o argumento do governo, que criou o “Mais Médicos” com caráter de urgência, seria admissível pelos candidatos a condição de permanência provisória em cidade de suas escolhas, através de um contrato.

Ele estabeleceria através de relação de cidades disponíveis, quais as preferências de acordo com a ordem de manifestação de interesse.

Acabariam as “flexibilizações do Revalida e a “escravização de locais determinados para os médicos estrangeiros. Porque todos poderiam escolher onde ficar, através de Contrato.

Os médicos estrangeiros e brasileiros, e o povo podem ser beneficiados.

Agora, o governo estaria disposto a considerar os dois anos após a Residência Médica para o SUS, como dentro da própria Residência. Resta saber quais as condições dessa proposta.

A ação civil pública movida pela FENAM inclui ainda pedido de decisão liminar (provisória), que pode ser concedida pelo juiz relator de forma mais rápida, antes de ser submetida à análise de mérito. O CFM diz ainda que outras ações devem ser protocoladas para contestar outros aspectos do programa.

Creio que as medidas arbitrárias e ditatoriais como as do PROVAB, EBSERH, e o “Mais Médicos” em breve deixarão de existir ou serão reduzidas à racionalidade prática e democrática.

Aliás, não tem como não criticar o governo de Dilma que se movimenta e age igual um partido que se pretende único. Onde o governo manda e o povo obedece. Estão aí as provas de que não é assim que o povo quer um governo.

O povo não obedece a tudo.

Agora o governo de Dilma vai ter de voltar atrás e combinar direito com os prejudicados pela medida. A residência médica é essencial para a formação de bons profissionais, e ela não pode ser feita sem a supervisão adequada, sob-risco de penalizar pacientes com tratamento inadequado.

O esboço de racionalidade do governo ao retroceder do seu intento de querer enfraquecer a Residência Médica, parece, parece, amenizar o cenário nacional da saúde pública. Assim, cumprimento a todos, dando-lhes bom dia, o meu bom dia pra vocês.

(*) Ruy Sant’Anna, Jornalista e advogado

Educação e o futuro da alimentação
Educação deve colaborar na preparação de todos para o pleno exercício da cidadania e, especialmente, formar os jovens para uma vida profissional que ...
Convenções internacionais e competitividade
O Brasil precisa atuar com mais critério na hora de analisar e ratificar convenções multilaterais, especialmente as negociadas no âmbito de entidades...
A Odisseia da Chape
Não tenho dúvidas de que o esporte funciona como uma metáfora da vida. As mazelas e dramas humanos estão presentes em todas as etapas da trajetória d...
Comunicação da qualidade dos alimentos
É importante que as notícias do agro cheguem de maneira correta aos moradores dos grandes centros urbanos. A maioria destes consumidores de alimentos...



Cara Vameça (Nome no mínimo estranho), quando todos tiverem condições iguais, boa escola, não precisar trabalhar o dia todo, diferente de você, que provavelmente teve um ótimo "paitrocínio" a sua resposta terá validade. Mas ELITISTA não dificuldades de entender isto. Abraços
 
Carlos Magno em 31/07/2013 10:55:44
Caro Carlos Magno. O governo não paga nada quem paga são nossos impostos, isto é de quem realmente paga impostos e não de quem ganha tão pouco que não tem como pagar. O vestibular é democratico, o enem também ,qualquer brasileiro pode fazer medicina. E os advogados,engenheiros, agronomos, veterinários,fisicos, matemáticos, professores de todas as areas, pedagogos...se estudarem em escola federal também deverão fazer trabalho obrigatório ?? Há familias bem humildes cujos filhos são médicos. Conheci médicos filhos de lavadeira(Jatene)e de guarda noturno, roceiros,,, é só estudar !
 
Vameça Cristina em 25/07/2013 17:39:58
Acredito que a classe médica, elitizada, não está reagindo muito bem a "possibilidade" de concorrência com médicos formados no exterior. Concordo com o revalida, mas para todos os médicos inclusive os formados aqui, como é o exemplo da OAB. Creio que diante disso podemos dizer que os médicos formados aqui, também teriam capacidade para atender a população que paga uma alta carga tributária, mas o retorno é deficitário. Não acho que o Governo está fazendo sua parte, ao contrário está tomando medidas paleativas, onde a melhor solução seria a construção de mais hospitais, postos de saúde e ampliar o número de Universidades que possuam curso de medicina.
 
Pablo Silva em 25/07/2013 10:41:44
O maior problema da saúde pública não é a falta de médicos, é a falta de estrutura!!! Pode vir um batalhão de médicos... Como eles salvarão vidas no interior do Brasil sem remédios, sem exames, sem possibilidade de internação, sem UTI??? Tem lugares onde o médico nem sala tem!!!! Concordo que os profissionais precisam ser mais atenciosos, que há muitos problemas a resolver com eles, mas só médicos a mais não resolvem em noda o nosso problema. Talvez crie mais alguns.... Afinal, é mais recurso gasto com muito pouca chance de realmente dar retorno, pois sem infraestrutura de suporte, não há nenhum tratamento eficiente....
 
Ana Micheleti em 25/07/2013 10:00:41
Existe muito cooperativismo na medicina, tudo para manter altos salários e baixa concorrência, o Governo investe altíssimo nos filhos da classe burguesa através de Universidades Públicas para não ter um retorno digno através do serviço público obrigatório. Isso tem que acabar! Médicos Estrangeiros já ou revalida para todos os médicos, inclusive os mais antigos que não se reciclaram.
 
Carlos Magno em 25/07/2013 09:42:05
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions