A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 07 de Dezembro de 2016

16/12/2011 09:42

Difícil ser adolescente

Por Luiz Gonzaga Bertelli*

Ser adolescente no Brasil é correr maior risco de sofrer vulnerabilidades e desigualdades, como demonstra o triste cotidiano de milhões de jovens brasileiros. Essa é a constatação do relatório Situação da adolescência 2001, recém divulgado pela Unicef. Para perceber que eles sofrem um impacto maior da pobreza, da violência, da exploração sexual, da baixa escolaridade, do uso de drogas e da gravidez precoce, basta uma comparação com a situação social dos demais segmentos etários. É evidente que nem todos os 21 milhões de jovens são afetados da mesma forma pelas vulnerabilidades. O que faz a diferença é a desigualdade social de conteúdo histórico, que – como uma herança maldita transmitida de geração a geração – molda perfis, acentua carências e tolhe o direito de ser adolescente.

Veja Mais
Tiro no pé ou tiro na mão?
Avaliação escolar: o peso de uma nota na vida do aluno

Apesar dos ganhos sociais registrados nos últimos anos, a miséria ainda continua presente nas casas de milhões de adolescentes de 12 a 17 anos, segundo a o estudo da Unicef. Dentre as faixas etárias, a adolescência foi a única em que cresceu o nível de pobreza. O acesso universal à educação – em 2009, 97,9% das crianças de 7 a 14 anos estavam matriculados no ensino fundamental ¬– não assegurou a qualidade de ensino. Além do gargalo no acesso, a evasão no ensino médio continua alta, prejudicando a escolaridade, o que certamente será um grande obstáculo à inserção dos jovens carentes mercado de trabalho.

É para atenuar distorções como essas que CIEE promove, há 47 anos, a inclusão profissional e cidadã dos estudantes, em empresas, órgãos públicos e entidades de terceiro setor parceiros nessa estratégica missão. Tanto o estágio quanto a aprendizagem asseguram a todos os beneficiados uma renda mensal, que lhes permite manter seus estudos, contribuir para o orçamento doméstico e, em milhares de casos, chegar à universidade.

O CIEE procura, também, aprimorar a formação dos futuros profissionais com atividades gratuitas, como os cursos presenciais de informática, de idiomas, de orientação profissional e de educação à distância para somar conteúdo que possa corrigir parte das deficiências da formação escolar dos estudantes brasileiros, em especial dos mais carentes. A capacitação prática, aliada à maior bagagem de conhecimentos, possibilita também que os jovens conheçam uma profissão ainda no ensino médio e adquiram posturas valorizadas no mundo corporativo e que poderão até mesmo fazer toda a diferença na conquista de um primeiro emprego efetivo ou no sucesso de um pequeno negócio próprio.

(*( Luiz Gonzaga Bertelli é presidente executivo do Centro de Integração Empresa-Escola (CIEE), da Academia Paulista de História (APH) e diretor da Fiesp.

Tiro no pé ou tiro na mão?
Embora a economia do País tenha dado tímidos sinais de recuperação nos últimos tempos, a verdade é que ainda precisamos avançar mais e com velocidade...
Avaliação escolar: o peso de uma nota na vida do aluno
"Poderão esquecer o que você disse, mas jamais irão esquecer como os fez sentir." (Carl W. Buechner) Hoje, quero compartilhar uma grande decepção que...
Comércio exterior: o que esperar de 2017
Apesar das tintas carregadas com que alguns analistas têm pintado o cenário para o Brasil em 2017, em razão da crise política entre o Congresso e o P...
Tédio é a falta de projeto
Recentemente, deparei-me com duas situações. Na primeira, eu almoçava com dois amigos, ambos na faixa dos 55 anos de idade, funcionários públicos bem...



Facil ser adolescente no Brasil, onde jovem nao é punido...
 
Luis Paulo da Silva em 17/12/2011 10:53:11
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions