A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 05 de Dezembro de 2016

28/09/2011 09:25

Dogueiros, moradores e democracia

Por Alex do PT (*)

Com o inicio das obras da revitalização da Afonso Pena e o fim do estacionamento de 45 graus na avenida - uma boa medida, é oportuno frisar -, torna-se inevitável a saída dos dogueiros desse espaço, pois, já não há mais condições adequadas de promover o atendimento à altura ao seus clientes.

Veja Mais
Tédio é a falta de projeto
Dólar alto: bom ou ruim para o agronegócio?

Os trailers instalados ao longo da avenida, simbolizam uma tradição em nossa capital, amplamente utilizados e apreciados pela população, além de gerar renda e empregos a centenas de famílias.

O que não pode ser feito, nem admitido, é simplesmente retira-los da avenida e em seguida sair por aí garimpando um lugar para remanejá-los, tentando forçar a transferência para espaços inadequados, como ocorreu na vã tentativa de utilizar o Horto Florestal e, agora, a Praça Aquidauana.

O Horto é o marco zero de Campo Grande. Foi ali que há cerca de 130 anos Jose Antonio Pereira e seguidores aportaram para fornecer os primeiros sopros de vida da cidade.

A Praça Aquidauana não tem suporte, não tem espaço físico suficiente e nem o perfil ajustado para tal atividade comercial. Por seu adensamento urbano - constituído na maioria por pessoas de terceira idade - receber 22 dogueiros em carrinhos perfilados, significa a mesma coisa que tentar colocar o Maracanã dentro do estádio das Moreninhas.

Nas duas tentativas da Prefeitura não houve consultas aos moradores e nem sequer ao Conselho Municipal de Meio Ambiente. O EIV (Estudo de Impacto de Vizinhança) presente nos artigos 36 a 38 da lei 10.257/2001(Estatuto das Cidades) não foram realizados. O Estudo de Impacto Ambiental também não foi apresentado.

A Prefeitura, de forma unilateral, sem consultar ninguém, colocou o seu arsenal e seu poderio para iniciar essa operação, desrespeitando a história, ignorando moradores e retirando equipamentos de uso da comunidade, tais como a pista de bicicross no Horto e o parquinho das crianças, na Aquidauana.

Nesta praça, árvores da espécie sibiperuna foram cortadas no talo e outras podadas de maneira irregular, alem da transformação do alojamento da Policia Militar em banheiro.

Com o interesse de colaborar com a gestão municipal, participo ativamente da resolução desses conflitos, pois entendo que na condição de parlamentar sou co-autor de todos os atos emanados pelo Poder Executivo. Não me omiti.

Assumi a postura e o desafio de buscar soluções e ajudar a reverter a situação, propondo outras alternativas e, acima de tudo, defendendo a existência do diálogo.

Graças à atuação determinante de diversos segmentos sociais - ambientalistas, urbanistas, arquitetos, advogados e historiadores - demovemos do poder publico a idéia da fixação dos dogueiros no Horto e defendemos os moradores da Praça Aquidauana.

Sensibilizados, o secretário de Meio Ambiente, Marco Cristaldo, o prefeito Nelson Trad Filho e o presidente da Câmara Municipal, Dr. Paulo Siuffi, receberam a Comissão de Moradores da Praça Aquidauana, tenho a certeza de que os argumentos expostos por esses cidadãos surtiram efeitos positivos.

Que os trabalhadores dos lanches tenham condições de continuar - de forma digna, honrada e sustentável a exercer seu trabalho e manter uma tradição na nossa cidade. É possivel encontrar um local e acomoda-los, que ao invés de gerar conflitos e impasses, possa com suas presenças ser revitalizado e modernizado.

Democracia dá trabalho. Ouvir opiniões divergentes pode até ser cansativo. Porém, sem dúvida alguma é o remédio mais eficiente e adequado para buscar e encontrar, sempre, o melhor caminho.

(*) Marcos Alex Azevedo de Mello (Alex do PT) é líder do PT na Câmara de Vereadores de Campo Grande, presidente da Comissão de Segurança Publica e membro da Comissão dos Direitos Humanos e Cidadania da Casa.

Tédio é a falta de projeto
Recentemente, deparei-me com duas situações. Na primeira, eu almoçava com dois amigos, ambos na faixa dos 55 anos de idade, funcionários públicos bem...
Dólar alto: bom ou ruim para o agronegócio?
Claro, depende da hora e do mercado, exportação ou de mercado interno. Agora, falando da soja, o principal produto da pauta brasileira de exportações...
Marcas lutam diariamente para impactar as pessoas
Segundo pesquisas, temos contato com aproximadamente 2.000 marcas em um dia “comum” e menos de 300 delas ficam em nossa memória. Por isso, essas marc...
A modernização das leis do trabalho: oportunidade, não oportunismo
Crises econômicas em qualquer país do mundo ensejam debates sobre reformas. São nos cenários de recessão prolongada que as nações se defrontam com se...



o q eles não pensam é q temos familia pra sustentar e antes de revitalizar a cidade deveriam ter determinado um local pra essas pessoas ficarem. no meu caso tenho uma filha d 1 ano, moro de aluguel com minha mãe e meu marido sofreu um aneurisma no começo desse ano e não pode fazer nenhum tipo de esforço, m endividei pra poder continuar trabalhando e estou numa calçada não sei ate qdo...
 
Danielle Silva em 05/10/2011 09:20:36
eu tinha alugado um trailer, q existia no msm local a qse 30 anos, trabalhava ali há um ano qdo os fiscais da prefeitura me notificaram dando dois dias pra eu sair dali ou pagaria multa de 1.400,00 e eles ainda passariam com o caminhão por cima de tudo,ou seja, chegaram dizendo some e se vira sem ao menos oferecer outro local pra continuar com o negocio assim como os dogueiros
 
Danielle Silva em 05/10/2011 09:11:36
pelo amor de deus que tal colocar entao os dogueiro no meio do pantanal ja que ninguem que eles aki em campo grande mas aposto que muitos que reclamam ja foram em algum dogueiro comer um lanche
fora hipocresia
 
jose artigas em 28/09/2011 11:42:05
esse assunto ja ta virando palhaçada
é um absurdo pessoas que vivem numa capital que recem esta se modernizando encher o saco por pouca coisa
ei reclame da saude transporte publico segurança
deixa o povo trabalhar
e nao e pq vai ter dogueiro aqui ou ali que vai mudar muita coisa do bairro da sociedade
a sociedade ja é mudada por programas de tv que todo mundo olha e mostra como roubar matar
 
jose artigas em 28/09/2011 11:40:35
continuação...
Em relação a poda de árvores, quando precisamos fazer esse tipo de poda em casa temos q pedir autorização para prefeitura, nao fazendo isso seremos multados.
Mas uma revolta, tenho conhecimento q esta chegando pra alguns moradores dessa cidade uma notificação em relação as calçadas com guias para deficiente Visual, sendo que nem na quadra da prefeitura esta guia existe........
 
Solange Oshiro em 28/09/2011 11:26:50
continuação...
o numero de multas feitas pela prefeitura em relação as cassambas de entulho, sendo que um cidadão comum tem que pagar por esses serviços de limpeza, enquanto a prefeitura faz a "LIMPEZA" da cidade deixando por alguns dias o entulho ali acumulado empedindo quase q metade da via...Estaão esperando acontecer alugm acidante?







 
Solange Oshiro em 28/09/2011 11:19:30
lendo o texto acima tive conhecimento q fotam cortadas algumas árvores d forma inadequada e tbm foi retirada a praça la existente.
Eu como moradora do conjunto Otavio Pécora tive a oportunidade d presenciar 1 inauguração tempos atrás d uma pizzaria construída exatamente na única praça la existente, retirando assim o único espaço de lazer. Tbm me revolta o numeros de multas feitas pela prefeitura..
 
Solange Oshiro em 28/09/2011 11:15:21
Muito bem colocado os argumentos do Vereador. Mas não podemos esquecer que os espaços públicos estão acima dos interesses de alguns comerciantes. No começo eram simples carrinhos do tipo "hot-dog" e hoje eu vejo até ônibus adaptados, a cidade cresce e mais ações deste tipo devem ser tomadas.
 
Marco Stuani de CG em 28/09/2011 09:45:16
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions