A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 06 de Dezembro de 2016

27/01/2012 14:50

E agora, cidadão?

Por Jary de Carvalho e Castro (*)

Mais um verão, com os mesmo problemas e a mesma história se repetindo. Não foi preciso muito tempo para termos a resposta da qualidade do serviço oferecido a nós, campo-grandenses.

Veja Mais
Avaliação escolar: o peso de uma nota na vida do aluno
Comércio exterior: o que esperar de 2017

É cômodo responsabilizar o alto índice pluviométrico, diga-se de passagem, muito comum nesta época do ano, ao invés da ingerência e da falta de planejamento. Como se não soubéssemos que isto novamente se repetiria.

As chuvas são constantes em apenas uma época do ano, que é exatamente a mesma de quando as grandes obras de contenção ficam prontas para serem inauguradas, entregues embaladas para presente para a população. E o que era para ser solução se resume a mais um grande problema.

Pobres de nós, da população, que não temos a quem recorrer. São milhões de reais – de dinheiro público – escorrendo pelas bocas de lobo, com as águas da chuva. Dinheiro seu, dinheiro meu, arrecadado por meio da alta carga tributária que pagamos.

Ruas recém recapeadas se esfarelando, vias interditadas, onduladas, esburacadas ou serão apenas maquiadas? Carros e motocicletas arrastados. Vidas sendo levadas pelos bueiros.

A tecnologia está a cada dia mais avançada, assim como a engenharia está cada vez mais preparada para aplicar soluções capazes de evitar as catástrofes que temos visto no noticiário local.

E por que não nos utilizamos de uma política séria, capaz de definitivamente solucionar, senão a princípio amenizar esses problemas tão recorrentes?

Com toda esta nova realidade, será necessário empenhar mais tempo, trabalho e, principalmente, mais dinheiro para se construir uma nova realidade, que proporcione definitivamente a solução de todos esses inúmeros problemas e que seja capaz de proporcionar segurança para nós, os cansados campo-grandenses.

(*) Jary de Carvalho e Castro é presidente do Crea/MS - Conselho Regional de Engenharia e Agronomia de Mato Grosso do Sul

Avaliação escolar: o peso de uma nota na vida do aluno
"Poderão esquecer o que você disse, mas jamais irão esquecer como os fez sentir." (Carl W. Buechner) Hoje, quero compartilhar uma grande decepção que...
Comércio exterior: o que esperar de 2017
Apesar das tintas carregadas com que alguns analistas têm pintado o cenário para o Brasil em 2017, em razão da crise política entre o Congresso e o P...
Tédio é a falta de projeto
Recentemente, deparei-me com duas situações. Na primeira, eu almoçava com dois amigos, ambos na faixa dos 55 anos de idade, funcionários públicos bem...
Dólar alto: bom ou ruim para o agronegócio?
Claro, depende da hora e do mercado, exportação ou de mercado interno. Agora, falando da soja, o principal produto da pauta brasileira de exportações...



Jary, parabens falaste quase tudo que sinto!! só faltou fazer um breve comentário sobre o autdoor e as propagandas ridiculas sobre o iptu!! valeu!!
 
daniela rodrigues em 28/01/2012 01:46:09
Parabéns ao autor pelo artigo. Quero acrescentar que para acabar com esse tipo de "obras públicas" é fácil: basta fazer os administradores públicos e as empreiteiras ressarcirem o erário com o dinheiro de seus próprios bolsos pelas obras mal-feitas.
 
Adriano Roberto dos Santos em 27/01/2012 08:05:37
É verdade, mas e agora; alguem ja se perguntou quanto tempo atrás estas mesmas pessoas falavam neste problemas e suas soluções, e so pedir esclarecimento a um técnico em cidades sem vinculo nenhum aqui com campo grande e seus grandes administradores que ele vai te dar a real situação e suas soluções; pois e muinto duro ser enganado por anos e anos e so emblolio politico e sem escrupulo nenhum.
 
João Mamede em 27/01/2012 05:44:43
Meu Deus!!Falou exatamente tudo que eu penso!!!!
 
Náthaly Olendzki em 27/01/2012 04:00:30
Falou tudo agora em!!!!
 
Oswaldo Junior em 27/01/2012 03:48:53
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions