A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 24 de Janeiro de 2017

21/12/2011 07:05

É ilegal, é imoral e engorda

Por Maria Newnum*

Para quem é apaixonado pela arte da política, é doloroso acompanhar os rumos mundiais, nacionais e locais marcados pela estupidez, ganância e desumanidade dos que detêm o sagrado poder de promover o bem, o bom e o belo para a pólis e não o fazem.

Platão dizia que “os males não cessarão para os humanos antes que a raça dos puros e autênticos filósofos chegue ao poder, ou antes, que os chefes das cidades, por uma divina graça, ponham-se a filosofar verdadeiramente.” (Carta Sétima, 326b).

Por séculos essa defesa platônica gerou controvérsias pelo elitismo intelectual que ela carrega. Mas num país onde personagens como o palhaço Tiririca chegam as altas cúpulas das decisões públicas, não seria tempo de retornarmos aos conceitos de Platão? Em meio à desesperança a gente se põe a filosofar…

Enquanto isso, aqui em Maringá assististe-se a hipocrisia do líder do prefeito, vereador Heine Macieira (1), que utiliza a mesma Lei (Emenda 58/2009. art. 29 inciso 6º) rejeitada quando discutia-se maior representatividade na Câmara, para aumentar o próprio salário. Ora, se antes os argumentos eram ilegais ao rejeitar o indicativo da Lei, agora é imoral por aceitá-la.

Se não observou-se o mando da Lei, que reza que pelo número de habitantes a cidade deve ter 23 cadeiras, como é possível requerer a proporcionalidade de habitantes para aumentar em 90,49% os salários de vereadores, secretários e prefeito? É o mesmo que chamar os munícipes de paquidermes acéfalos. Pior será se, ao final, decidirem voltar atrás e “reduzirem” de R$12.025,00 para R$ 9.000.00, com o discurso nefasto que ouviram a voz do povo.

Mas as coisas não param por ai. O desejo frenético de implantar a usina incineradora de resíduos sólidos na cidade (tecnologia só aceita em países subdesenvolvidos) continuará a revelar que, por aqui, o jeitão de conduzir os assuntos da pólis na calada da noite é imoral, é ilegal e engorda o bolso de muita gente.

Que a maioria da população continue odiando a política é o desejo dos céus para os deuses de pés de barro. Eis a solução: Apaixonar-se perdidamente pela política, defender os instrumentos democráticos constituídos e fortalecer as câmaras municipais em todo o país.

É preciso estudar filosofia, a Constituição Federal e até os livros sagrados para buscar inspiração e não desistir de acreditar na força que nasce do povo.

_______________

(1) Conforme entrevista de Heine Macieira a CBN. Ouça aqui http://cbnmaringa.tempsite.ws/page/noticias_detalhe.asp?cod=208649

(*) Maria Newnum é pedagoga, mestre em teologia prática e articulista. Para ler outros textos acesse: http://blogs.folhademaringa.com.br/marianewnum/

Habemus praefectu!
Das colinas dos altos da Afonso Pena, surgiu uma fumaça branca anunciando Urbi et orbi”: Habemus Praefectu! Estamos vivendo tempos de um alvorecer ra...
A força da mulher no campo
Em rotina de propriedade leiteira a mulher tem se destacado em alguns setores, ordenha e cuidados de bezerros já são áreas, na produção leiteira, que...
Sobre o mercado e o governo
O homem primitivo acordava de manhã, saía para coletar frutas, abater animais e pescar peixes, e assim ele se alimentava. Ao fim do dia, cobria-se co...
Logística reversa: pensamento sustentável pelas gerações futuras
Incertezas são o que mais temos, porém ideias norteadoras e essenciais para a construção de um futuro mais sustentável já existem. Não podemos ignora...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions