A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 03 de Dezembro de 2016

28/03/2012 06:36

E o salário, ó ! Em defesa do professor

Por Jorge Eremites de Oliveira (*)

Ainda não é 15 de outubro, o Dia do Professor (e da Professora também), quando muitos enaltecem os profissionais dedicados ao magistério. Mas sempre há um motivo para falar positivamente dessa que deveria ser uma das profissões mais valorizadas – inclusive em termos salariais – em qualquer país dito civilizado do mundo. No momento, o falecimento do ator Chico Anysio, ocorrido em 23/03/2012, criador do memorável personagem Professor Raimundo e da célebre frase “E o salário, ó”, serve de inspiração para as reflexões aqui apresentadas.

Veja Mais
Educação e o futuro da alimentação
Convenções internacionais e competitividade

Sim, não fosse pelo professor, você, leitor, sequer poderia ler este artigo e, eu, tampouco, escrevê-lo. E se você já fez ou está a fazer um curso de graduação ou de pós-graduação, saiba que sem o professor não haveria como ter chegado até aqui. Ocorre que o professor é o grande mestre de todas as profissões. “Ele é o cara”, sim, como dizem por aí.

Há quem valorize mais o termo “educador” do que o de “professor”. Como tenho aversão a sofismas, elucubrações teoréticas e redundâncias, prefiro a palavra professor, do latim profateri, cujo conceito atualizado tem a ver com o profissional que representa o conhecimento e se dedica a ensiná-lo e aprendê-lo em comunhão. Assim o faz por meio do trabalho de proferir aulas e cursos em todos os níveis da educação, por vezes a produzir e socializar novos conhecimentos e orientar gerações à vida em sociedade. Trata-se de uma carreira muitas vezes vista como espécie de sacerdócio frente a tantas dificuldades, desafios e superações criativas construídas no dia-a-dia.

Embora seja uma profissão de grande relevância, muitos pais ainda insistem em estimular seus filhos a seguirem carreiras ligadas ao Direito, à Medicina e às Engenharias.

Isso talvez decorra de certas representações negativas e estereotipadas construídas ao longo da história do magistério no Brasil, ainda que elas existam para todos os campos do conhecimento. “Você vai ser professor, meu filho?” – perguntam atônitos certos pais das classes mais abastadas quando descobrem a escolha que o filho fez para o vestibular. Ou: “O filho da minha vizinha passou para Medicina” – cometam os parentes e amigos mais próximos frente aos pais que tiveram um filho aprovado no vestibular para um curso de licenciatura.

Para muitas dessas pessoas, o professor é uma espécie de mendigo que vive a pedir esmolas nas ruas das cidades. Nada mais equivocado, preconceituoso e reducionista. Por essas e outras é que ser professor parece ter ficado, muitas vezes, como opção a quem não consegue aprovação no vestibular em cursos percebidos como “de ponta”.

Acredito que a valorização do professor, especialmente no nível fundamental e médio, passa por um conjunto de medidas, inclusive por um piso salarial à altura da categoria e de uma educação pública, gratuita, de qualidade e em tempo integral, sobretudo no nível fundamental e médio. Por isso, é de se repudiar que docentes que trabalham com crianças e adolescentes por vezes sejam publicamente achincalhados por governantes torpes, corruptos e descomprometidos com a educação em todos os níveis.

De igual forma, é de se lamentar que professores precisem paralisar suas atividades por uns dias para, em nome de uma causa justa, irem às ruas reivindicar algo que deveria ser unanimidade entre a população nacional: a defesa do ensino público, gratuito e de qualidade, juntamente com salários mais dignos aos profissionais da área. Foi o aconteceu em todo o território nacional nos dias 14, 15 e 16/03/2012. Paralisar as atividades é uma decisão difícil de ser tomada e denota, com efeito, um claro posicionamento político da categoria em defesa de causas relevantes para o país, as quais extrapolam a reivindicação da reposição de perdas salariais.

E ainda por cima, docentes foram pressionados a repor aulas imediatamente, como se não tivessem compromisso algum com alunos e instituições de ensino, conforme sugerido por certas emissoras de TV.

Para finalizar este artigo, pergunto a você, leitor, se já não passou da hora de todos nós, cidadãos brasileiros, irmos às ruas em apoio à luta dos professores e por uma educação pública melhor? Afinal de contas, de que vale pagar tantos impostos e não ter à disposição um ensino público, gratuito e de qualidade em todos os níveis e à altura de um Brasil que desponta entre as maiores economias do planeta? Convido-lhe a refletir sobre isso.

(*) Jorge Eremites de Oliveira é professor da UFGD, licenciado em História pela UFMS, mestre e doutor em História/Arqueologia pela PUCRS, com estágio de pós-doutorado em Antropologia Social pelo Museu Nacional/UFRJ (eremites@ufgd.edu.br).

Educação e o futuro da alimentação
Educação deve colaborar na preparação de todos para o pleno exercício da cidadania e, especialmente, formar os jovens para uma vida profissional que ...
Convenções internacionais e competitividade
O Brasil precisa atuar com mais critério na hora de analisar e ratificar convenções multilaterais, especialmente as negociadas no âmbito de entidades...
A Odisseia da Chape
Não tenho dúvidas de que o esporte funciona como uma metáfora da vida. As mazelas e dramas humanos estão presentes em todas as etapas da trajetória d...
Comunicação da qualidade dos alimentos
É importante que as notícias do agro cheguem de maneira correta aos moradores dos grandes centros urbanos. A maioria destes consumidores de alimentos...



Agradeço a todas as pessoas que manifestaram sua opinião generosa para com meu artigo nesta página do Campo Grande News. Seguimos em frente defendendo a educação pública, gratuita e de qualidade em todos os níveis, sobretudo a de tempo integral no ensino fundamental e médio, com salários à altura dos trabalhadores da área.
 
Jorge Eremites de Oliveira em 10/04/2012 06:49:57
Como o sr, muito bem coloca em seu artigo, com certeza já passou da hora de tomarmos atitudes que façam, com que nossos ilustres administradores, deem o devido valor aos professores, que apesar das dificuldades que enfrentam, estão empenhados em seu trabalho. Infelizmente, ainda vejo longe essa realidade. Parabéns pelo artigo e sua postura.
 
Francisco Ojeda em 28/03/2012 11:12:23
Parabéns pela a matéria, e gostaria de ratificar suas palavras caro Professor Doutor, um breve relato: "quando fazia direito no segundo ano participei de um júri popular simulado e me sai muito bem naquela noite, após elogios e questionamentos dos advogados e professores presentes, respondi a todos que eu sou professor e a experiência de anos no magistério me deram suporte para aquela oratória".
 
Humberto Paulista em 28/03/2012 10:31:20
Parabéns, Mestre! Colegas como você é que nos fortalecem nesta nossa profissão, sabemos que não é fácil. Os políticos esquecem ou melhor, não querem admitir que nós contribuimos para que eles chegassem onde estão, todos passaram por nós, no entanto, fingem não lembrar disso. Obriiiiiiiiiigada!!!!!!!!!!
 
Alaide Riboli em 28/03/2012 10:29:17
Parabéns pela matéria não de se espantar quando você fala das pressões porque no meu municipio (Miranda/MS) nós servidores públicos municipais paralisamos nossas atividades no dia 15 (Quinta-Feira) e sob muita pressão por parte de seus superiores que ligaram, fizeram reuniões, repassaram lista nas escolas colocando medo nos servidores que queriam aderir ao movimento.
 
Carlos Ramão Rodrigues Segato em 28/03/2012 08:00:40
É UMA VERGONHA! ENQUANTO OS PROFESSORES ESTÃO PEDINDO PELO MENOS O PAGAMENTO DE UM JUSTO PISO SALARIAL, OS POLITICOS AUMENTAM SEUS SALARIOS DA MANEIRA QUE LHES CONVEM.
É SÓ LEMBRAR DO EPISODIO DOS VEREADORES DE DOURADOS SALARIO DE 6 PARA 10MIL POR MES, ISSO É O FIM, MAS NESTAS ELEIÇÕES ELES VÃO SENTIR ESSE DESCASO COM OS PROFESSORES!!!!!!!!!!!
 
JEZIEL F. DE OLIVEIRA em 28/03/2012 07:59:35
VÁ A SALAS DE LICENCIATURA E COMPROVE DE 50 ALUNOS QUE ENTRAM APENAS 20/30 TERMINAM O CURSO PASSAMOS ANOS ESTUDANDO FAZENDO PÓS, MESTRADO E AINDA TEMOS QUE SER IGNORADOS PERANTE OS OUTROS PROFISSIONAIS SOMOS EQUIPARADOS A LIXO POR DIRETORES QUE NOS DIZEM DIARIAMENTE "MAIS VALE A PRATICA DO QUE A GRAMATICA" É A MESMA COISA QUE DIZER SUA FACULDADE NÃO SERVE DE NADA...ESSA EDUCAÇÃO QUE QUEREMOS?NÃO..
 
CARLA BASTOS em 28/03/2012 07:58:53
PARABÉNSSSSSSSSSSSS PELO ARTIGO NÃO É PARA MENOS QUE MUIIIIIITOS PROFESSORES ESTÃO DEIXANDO O MAGISTERIO E INICIANDO UMA NOVA CARREIRA VOLTANDO AOS BANCOS DE FACULDADE POIS HOJE EM DIA SOMOS HUMILHADOS DENTRO DAS PROPRIAS ESCOLAS NÃO SO POR ALUNOS MAS TAMBÉM POR DIRETORES.....
 
carla bastos em 28/03/2012 07:52:00
Parabens pelo comentário professor, as pessoas políticas esquecem que é por causa das lutas que ensinamos nas salas e nas ruas e que mostramos mais uma vez de que sabemos lutar e ensinar a lutar pelos nossos direitos sempre que" feridos".
 
luizio espinoza em 28/03/2012 07:32:25
Excelente matéria , parabénsss ! Eu como profissional da educação me sinto inferiorizada todo dia , já que sem nós professores não haveriam os demais profissionais já que todos dependem de nós professores !!
 
Roseli de Castro em 28/03/2012 06:53:34
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions