A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 04 de Dezembro de 2016

26/12/2015 12:18

É preciso entender o novo aluno

Pavlos Dias

Em menos de cinco anos, o setor de educação, que já tem vivenciado grandes mudanças, ficará ainda mais dinâmico. Tendências de mobilidade, educação sem fronteiras, modelos alternativos de ensino e big data, por exemplo, têm ganhado força na sociedade e exigem adaptações e criatividade das instituições de ensino superior tradicionais, que precisam criar estratégias para atender, com eficiência, o novo perfil de aluno que compõe boa parte do corpo discente das instituições: os não tradicionais.

Veja Mais
Marcas lutam diariamente para impactar as pessoas
A modernização das leis do trabalho: oportunidade, não oportunismo

No Brasil, são considerados tradicionais, os jovens que saem do Ensino Médio com, praticamente, 18 anos, ingressam na universidade, estudam em período integral e não exercem outras atividades, além dos estudos. Já os não tradicionais, geralmente, arcam com as próprias despesas acadêmicas; ingressam tarde na universidade; ou não dispõem de tanto tempo assim para os estudos, pois conciliam com outras responsabilidades. E, de acordo com um estudo do National Center for Education Statistics, órgão norte-americano de educação, até 2020, 85% dos estudantes terão esse perfil. Mas, como as universidades podem atender as exigências dos estudantes que dispõem de pouco tempo e querem se dedicar à universidade? Usando tecnologias e modelos alternativos de ensino e aprendizagem como ferramentas para atrair e reter esse aluno junto à Instituição de Ensino e à comunidade acadêmica.

Nesse cenário, o ensino à distância e o blended learning, conhecido igualmente como ensino híbrido, por misturar o presencial e online, serão capazes de atender o novo aluno. E, com o apoio de novas tecnologias que podem simplificar os investimentos em educação, as instituições conseguirão centralizar o ensino no aluno. Algumas ferramentas já permitem a interação do aluno com o conteúdo, professor e colegas de classe; e outras, como as analíticas, oferecem dados estratégicos para os professores e instituição de ensino. Dessa forma, é possível conhecer a jornada acadêmica, identificar dificuldades pontuais e atender o aluno individualmente. Existe, ainda, espaço para tendências e metodologias como as de aprendizagem ativa, educação sem fronteiras e a mobilidade, que devem estar alinhadas à estratégia pedagógica das IES.

Por isso, para que as instituições consigam melhorar a qualidade da educação é preciso rever o modelo tradicional de ensino, que foi criado para ser replicado em massa e está comprovadamente defasado, para dar espaço às novas técnicas e tecnologias, a fim de atender o aluno de forma individual, identificar e trabalhar suas dificuldades de forma pontual, contribuindo efetivamente para o seu desenvolvimento. Não se pode ter medo de experimentar. É preciso vencer o formato passivo de aula e centralizar o ensino no estudante, tornando-o protagonista de sua trajetória de aprendizagem, e para fazê-lo, algumas dessas tendências tornam-se estratégias necessárias para construir uma educação mais ativa e envolvente. Afinal, o que leva o aluno a escolher uma instituição de ensino superior? É apenas a distância? A nota do curso no ENADE? Não. Hoje, essa escolha é norteada por uma variedade de fatores que podem, de fato, contribuir para o futuro do estudante como profissional e na metodologia que mais se encaixa no seu perfil.

Já começamos a ver a tecnologia facilitando a inclusão de novos modelos de ensino e aprendizagem, e instituições investindo em inovações e estratégias para ajudar a atender o novo aluno. E, em pouco tempo, não teremos mais um modelo de aprendizagem brasileiro, ou modelo americano, mas diversos modelos integrados que poderão ser usados para alcançar uma mesma finalidade: a expansão do conhecimento.

* Pavlos Dias é gerente nacional de operações da Blackboard Brasil

Marcas lutam diariamente para impactar as pessoas
Segundo pesquisas, temos contato com aproximadamente 2.000 marcas em um dia “comum” e menos de 300 delas ficam em nossa memória. Por isso, essas marc...
A modernização das leis do trabalho: oportunidade, não oportunismo
Crises econômicas em qualquer país do mundo ensejam debates sobre reformas. São nos cenários de recessão prolongada que as nações se defrontam com se...
Educação e o futuro da alimentação
Educação deve colaborar na preparação de todos para o pleno exercício da cidadania e, especialmente, formar os jovens para uma vida profissional que ...
Convenções internacionais e competitividade
O Brasil precisa atuar com mais critério na hora de analisar e ratificar convenções multilaterais, especialmente as negociadas no âmbito de entidades...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions