A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 05 de Dezembro de 2016

08/07/2016 09:51

Economia criativa

Por Walter Roque Gonçalves (*)

Segundo os autores John Howkins e Andrea Matarazzo, a economia criativa envolve atividades de cunho intelectual, capazes de gerar riquezas, empregos e distribuir renda. Nestas atividades a criatividade e inovação são matéria-prima para criação, produção e distribuição de bens e serviços.

Veja Mais
Tédio é a falta de projeto
Dólar alto: bom ou ruim para o agronegócio?

No Brasil, há desde 2012 a Secretaria de Economia Criativa que considera os seguintes setores como integrantes da economia criativa brasileira: artes cênicas, música, artes visuais, literatura e mercado editorial, audiovisual, animação, games, software aplicado à economia criativa, publicidade, rádio, TV, moda, arquitetura, design, gastronomia, cultura popular, artesanato, entretenimento, eventos e turismo cultural.

Segundo dados disponíveis no site do Sebrae, “o setor tem mais de dois milhões de empresas e gera R$ 110 bilhões equivalente a 2,7% do Produto Interno Bruto (PIB) total produzido no país. A cifra chega a R$ 735 bilhões, se considerada a produção de toda a cadeia, equivalendo a 18% do PIB nacional em 2015.”

Uma das principais referências do setor está no Porto Digital em Recife. Segundo o site oficial portodigital.org, o parque abriga cerca de 250 empresas, inclusive grandes nomes como IBM, Fiat Chrysler e Accenture. Conta também com instituição de ensino superior. Nos últimos três anos, o Porto Digital faturou 1 bilhão e gerou emprego direto para mais de 7100 profissionais altamente qualificados.

O potencial da economia criativa ainda não foi explorado, segundo especialistas. Esta pode ser uma das saídas para a atual crise econômica. Polos como este de Recife deveriam ser multiplicados Brasil afora.

Para corroborar com esta tendência, está prevista a conclusão das obras, em São Paulo, da primeira faculdade para formar profissionais na área de Economia Criativa. A iniciativa é da Escola Britânica de Artes Criativas (EBAC). Os diplomas são aceitos internacionalmente, há grades curriculares em áreas de Design, ilustração, Animação, Direção de Arte e cursos inéditos no Brasil como Arquitetura e Desenvolvimento de Aplicativos para Dispositivos Móveis.

Apesar de existir áreas que a priori apresentam maior aderência à economia criativa, os autores Justin O´Connor e Gaëtan Tremblay, acreditam que não se deve ditar quais setores estão ou não na economia criativa, pois a criatividade e inovação é a essência de qualquer área da economia.

A administração de empresas, por exemplo, está inserida em ambientes complexos, a criatividade e inovação permitem que se aprimore, entre outros fatores, a redução de desperdícios, de custos, de retrabalho, de falhas de comunicação. Aumento de motivação de equipe, maximização de resultados. Ademais, o desejo e necessidade dos consumidores, bem como as soluções oferecidas pela concorrência, estão em mutação constante.

Por isso, tenho que concordar com O´Connor e Tremblay: não faz sentido ditar quais setores devem ou não estar na economia criativa! Afinal, o que seria dos gestores de empresas, se não se apoiassem na criatividade e inovação para lançar produtos e serviços capazes de atender um mercado em constante mudanças?!

(*) Walter Roque Gonçalves é consultor de empresas, professor executivo/colunista da FGV/ABS (FGV/América Business School) de Presidente Prudente (SP).

Tédio é a falta de projeto
Recentemente, deparei-me com duas situações. Na primeira, eu almoçava com dois amigos, ambos na faixa dos 55 anos de idade, funcionários públicos bem...
Dólar alto: bom ou ruim para o agronegócio?
Claro, depende da hora e do mercado, exportação ou de mercado interno. Agora, falando da soja, o principal produto da pauta brasileira de exportações...
Marcas lutam diariamente para impactar as pessoas
Segundo pesquisas, temos contato com aproximadamente 2.000 marcas em um dia “comum” e menos de 300 delas ficam em nossa memória. Por isso, essas marc...
A modernização das leis do trabalho: oportunidade, não oportunismo
Crises econômicas em qualquer país do mundo ensejam debates sobre reformas. São nos cenários de recessão prolongada que as nações se defrontam com se...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions