A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 05 de Dezembro de 2016

06/07/2014 08:56

Educação: uma forma de reduzir a desigualdade

Por Francisco Carlos D'Emilio Borges (*)

Dentre as desigualdades que marcam o país, talvez a mais vil seja a dificuldade de acesso ao ensino público de qualidade. A escola forma cidadãos e profissionais. Sem um preparo técnico adequado, sem o domínio de um ofício, sem uma profissão, não há como um jovem nascido na classe baixa ascender socialmente. Há universidades públicas de qualidade, mas o ingresso nessas instituições acaba sendo um privilégio restrito aos que tiveram acesso a um preparo adequado no ensino fundamental, o que, a grosso modo, só é obtido na rede privada. Dessa forma, não se proporciona mobilidade social por meio do trabalho.

Veja Mais
Tédio é a falta de projeto
Dólar alto: bom ou ruim para o agronegócio?

Algo nesse cenário começa a mudar. O Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego (Pronatec) destina-se à formação de profissionais. Por meio da liberação de recursos, estimula que, entre outros agentes, municípios criem cursos de Educação Profissional Técnica de nível médio (TEC) e cursos e programas de formação inicial e continuada (FIC) para trabalhadores, além de contribuir com a melhoria da qualidade do Ensino Médio público.

Ao atuar dessa forma, o programa permite que as cidades destinem os recursos à qualificação de mão de obra para áreas que têm maior potencial de impacto social, seja pela oferta de vagas de trabalho, seja para atender a uma vocação econômica ou para atrair empresas de determinado segmento com profissionais capacitados.

A fim de esclarecer representantes de administrações municipais paulistas sobre as exigências e possibilidades oferecidas pelo programa, a Fundação de Apoio à Tecnologia (Fundação FAT), que há mais de 20 anos desenvolve e gere cursos em todos os níveis da educação, realizou, no dia 5 de maio, o seminário Como seu município pode se beneficiar do Pronatec. A procura foi tamanha que um novo evento teve de ser realizado, no dia 5 de junho, o qual, novamente, obteve demanda maior que as vagas disponíveis. Além das prefeituras representadas, várias outras procuraram a entidade para ter acesso às informações apresentadas.

Recursos para a educação há. O Pronatec tem como meta investir R$ 14 bilhões até o fim deste ano para atingir a marca de 8 milhões de alunos no ensino técnico e profissionalizante no país. A demanda junto à Fundação FAT sobre como usá-los mostra que os municípios paulistas buscam cumprir um de seus papéis fundamentais, que é oferecer educação gratuita de qualidade. Além de aumentar a autoestima e favorecer a ascensão social de milhares de jovens, essa iniciativa estimula a economia local, ao atrair empresas carentes de mão de obra qualificada, aumentar o número de consumidores e o seu poder de compra, o que aquece as vendas das empresas da região.

(*) Francisco Carlos D'Emilio Borges, mestre em Educação na área de Legislação com tema Políticas Governamentais Indutoras ao Acesso ao Ensino e consultor da Fundação de Apoio à Tecnologia (Fundação FAT).

 

Tédio é a falta de projeto
Recentemente, deparei-me com duas situações. Na primeira, eu almoçava com dois amigos, ambos na faixa dos 55 anos de idade, funcionários públicos bem...
Dólar alto: bom ou ruim para o agronegócio?
Claro, depende da hora e do mercado, exportação ou de mercado interno. Agora, falando da soja, o principal produto da pauta brasileira de exportações...
Marcas lutam diariamente para impactar as pessoas
Segundo pesquisas, temos contato com aproximadamente 2.000 marcas em um dia “comum” e menos de 300 delas ficam em nossa memória. Por isso, essas marc...
A modernização das leis do trabalho: oportunidade, não oportunismo
Crises econômicas em qualquer país do mundo ensejam debates sobre reformas. São nos cenários de recessão prolongada que as nações se defrontam com se...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions