A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 09 de Dezembro de 2016

03/07/2011 10:00

Eita país sem pé e sem cabeça!

Por Jeovah de Moura Nunes (*)

Parece que agora o bicho vai pegar. Segundo as notícias, a Europa inteira está solidarizando-se com a Itália pela decisão não do Brasil, mas do então presidente barbudo ao negar a extradição do criminoso e terrorista Cesare Battisti, mantendo-o como imigrante no Brasil.

Deve ter sido o último ato presidencial do barbudo ao abençoar o criminoso. Quem sabe deve ter dado um beijinho nele também. Isto só vem acrescentar o que sempre imaginei: Lula tem um carinho especial pelos criminosos. Muitos deles nos tempos ditatoriais acabaram por entrar no então recém fundado PT.

Alguns deles deduraram os supostos companheiros para se livrarem da agonia das torturas. Naqueles tempos um homem não escaparia de jeito nenhum dos torturadores, especialistas em provocar as terríveis dores, tanto de cassetetes de borracha dura, quanto de ferros em brasa, ou mesmo o chicote tecido com espinheiros.

Os torturadores tinham licença dos ditadores militares para matar, principalmente quando o prisioneiro estava à mercê dos militares florestas adentro, como no caso da luta armada na região do Araguaia. Foi ali que José Genoíno se salvou. Não se sabe como, nem quero saber!

O fato é que o ex-presidente Lula esqueceu de que a Europa inteira é uma comunidade unida e se o Brasil tem essa política de pouco caso com a Itália, certamente que a Europa pode também dificultar a política brasileira no que tange aos negócios a serem realizados com o Brasil. Ou seja: o ex-presidente defecou e sentou em cima porque assumiu a responsabilidade, que ele bem poderia ter passado para a presidente Dilma.

Talvez a Dilma tivesse, ou teria uma fórmula mais amena para lidar com um sensível tema como o caso Battisti, o qual, graças ao então presidente Lula viveu muito bem no Brasil, mesmo sendo um criminoso. Sinal de que os criminosos estão em alta com o PT de Lula. Manifestações contra a recusa do Brasil a extraditar Cesare Battisti foram realizadas em toda a Itália.

O chefe de governo, Silvio Berlusconi, prometeu firmeza em relação ao caso, apesar de acrescentar que o relacionamento com Brasília não mudará. Mas, isto é apenas frase política, porque Berlusconi está zangado com o Brasil de Lula, agora fora do poder, graças à Deus!

Em Roma, 300 pessoas se reuniram diante da embaixada do Brasil, na célebre Piazza Navona. Entre os manifestantes estava a ministra da Juventude, Giorgia Meloni, para quem "Battisti deve pagar, porque o fato de ter escrito alguns romances não é garantia de imunidade.

O chefe de governo, Silvio Berlusconi, ao se encontrar em Milão com Alberto Torregiani, filho de um joalheiro morto em 1979, durante um atentado atribuído a Cesare Battisti, prometeu dar continuidade à batalha" junto à nova presidente brasileira Dilma Rousseff, para obter a extradição do ex-ativista de extrema-esquerda.

Berlusconi prometeu "mais firmeza e determinação", informou Torregiani, ferido aos 15 anos durante o assassinato de seu pai por um comando extremista de esquerda Proletários Armados pelo Comunismo (PAC). O que nos lembra do PAC brasileiro montado pelo barbudo e que deu em nada. Ele usa desde então uma cadeira de rodas. Berlusconi também anunciou que manterá junto com Torregiani uma entrevista à imprensa, em Bruxelas para divulgar a realidade dos fatos, que serão levados à justiça de Haia".

Qualificando Cesare Battisti de "verdadeiro criminoso que se abriga atrás de uma ideologia política", Berlusconi tentou, no entanto, acalmar a situação, sublinhando a "antiga e sólida amizade" que liga a Itália ao Brasil. "Este assunto não diz respeito ao relacionamento entre os dois países, é uma questão judiciária", acrescentou.

Em Roma, muitos jovens, alguns levando a bandeira italiana, participaram da manifestação ao lado de Torregiani. Palavras de ordem foram ditas diante do pórtico de entrada da embaixada brasileira tais como "Queremos a extradição agora" ou ainda "A Itália quer que seja feita justiça". "Battisti assassino, Brasil cúmplice", dizia uma faixa.

Um protesto semelhante reuniu centenas de pessoas em Milão pela manhã e outras manifestações foram realizadas diante das representações brasileiras em Palermo (Sicília), Bari, Nápoles e Veneza. Em Roma, os partidos de direita no poder e a oposição de esquerda, assim como todos os oponentes à recusa brasileira, preferiram manifestar-se separadamente.

Uma onda de indignação seguiu-se na Itália à decisão do então presidente brasileiro Luiz Inácio Lula da Silva, anunciada no último dia de seu mandato, 31 de dezembro, de rejeitar a extradição de Battisti, condenado em 1993 à prisão perpétua por quatro mortes e cumplicidade em assassinatos cometidos nos anos 1970 - crimes dos quais se diz inocente.

Roma convocou seu embaixador Gherardo La Francesca para consultas e anunciou a intenção de apelar no Supremo Tribunal do Brasil e recorrer, eventualmente, à arbitragem da Corte Internacionale de Justiça (CIJ) de Haia. O chefe da diplomacia, Franco Frattini, recebeu La Francesca "para examinar as consequências da ação judiciária a ser tomada pelo governo italiano referente ao caso Cesare Battisti e suas repercussões em nível europeu".

O caso ainda vai dar muito pano para mangas. O Brasil esqueceu-se de que a comunidade européia é forte e avassaladoramente capaz de deixar um país qualquer sem condições de continuar forte em sua economia. Caso do Brasil, por exemplo.

Os EUA poderiam intervir a favor do Brasil, mas depois do caso iraniano em que o barbudo assinou um tratado repugnante aos americanos nada será feito pelos americanos com essa picuinha criada pelo barbudo, em sendo um problema que cresce assustadoramente pela Europa toda. Tudo culpa de um barbudo sem responsabilidade e respeito aos países amigos.

É, nós merecemos a raiva e o ódio dos italianos, além da comunidade européia, quando um barbudo quase anão tudo faz pelos países revolucionários, como a Venezuela, Cuba, e outros.

Muito dinheiro brasileiro foi emprestado para vários países, que não se importam em dar calotes. Enquanto tudo isso aconteceu nos anos do barbudo, nós povo brasileiro continuamos na agonia da pobreza e de uma miséria sem solução, porque evidentemente os governantes adoram a pobreza quando ela é fator de enriquecimento dos ricos e dos governantes.

O brasileiro pobre nada mais é do que o fator de mais enriquecimento dos ricos. Eita país grandão sem pé e sem cabeça!

(*) Jeovah de Moura Nunes é jornalista e escritor. Autor de “Memórias de um camelô” entre outros livros.

Cinco ações que devem ser evitadas em 2017
Ao fim de cada ano, realizo uma pesquisa com funcionários de empresas de todo o Brasil para avaliar quais foram as coisas que mais impactaram na prod...
A aviação e suas regras
A aviação conseguiu, em menos de um século, aproximar os continentes, as empresas e, principalmente, as pessoas. Foi uma evolução tão rápida que não ...
Lei Orgânica da Assistência Social – 23 anos
Nos últimos anos, a Assistência Social vem construindo uma nova trajetória, organizando-se sob novos padrões e afirmando-se como parte integrante do ...
Morre no trânsito o equivalente a 2 aviões da Lamia lotados por dia
Por dia, no Brasil, morrem em acidentes de trânsito o equivalente a ocupantes de dois aviões da Lamia, que transportava o time inteiro da Chapecoense...



Ora, Jeovah, com todo o respeito! Eu que sou descendente de italianos digo e defendo que a Itália tem que respeitar as decisões de nossos governantes. E nós aqui no Brasil temos que defender os nossos vizinhos e não aqueles que se encontram do outro lado do Atlântico. O que eles fizeram de bom para nós até hoje? Só nos explorararam e exploram ainda, pagando menos por nossos produtos, nos tratando mal quanto para là viajamos, e, discriminando os nossos profissionais. Além do mais, o tão invejado primeiro mundo está quebrado (veja a crise da Grécia, Espanha, Bélgica, etc), e a América do Sul, ao contrário, está começando o seu levante rumo ao desenvolvimento. Demorará ainda algum tempo para chegarmos a um patamar competitivo, mas com amor aos nossos vizinhos, respeito, trabalho e muita garra, chegaremos lá.
 
Malu Busis em 04/07/2011 01:57:01
Esse episódio me parece chumbo trocado ,todos se lembram do caso Cacciola banqueiro que quase quebrou o sistema financeiro com suas fraudes ,se refugiou na Itália e ,por lá ficou numa boa sobre proteçao do governo e nem um país europeu se solidarizou com o Brasil , agora antes de desmoralizar o Barbudo voces já viram a ficha do Berlusconi .
 
Jonas Alves em 03/07/2011 11:44:09
esse artigo reúne tudo aquilo que gostaria de ter dito e não tinha oportunnidade,parabéns jeovah.
 
francisco prado em 03/07/2011 10:39:15
È verdade, Jeovah. O Brasil ainda vai colher muitos dissabores com a passagem de Lula na presidência. Por seu populismo desmedido, mentiroso, deixou o país com um déficit em suas finanças de R$50 bilhoes(isso é o que foi anunciado!), tudo por conta de sua arrogância,prepotência, megalomania e "vistas grossas" á corrupção que imperou nos seus dois mandatos.
 
MARCELLO MENDES em 03/07/2011 10:36:57
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions