A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 06 de Dezembro de 2016

26/05/2015 13:03

Empreendedorismo no Brasil: a força está nos pequenos negócios

Por Glauber Halt (*)

O empreendedorismo tem ganhado notoriedade no mundo dos negócios. Muito em função das inovações tecnológicas (tecnologia e processos), globalização e principalmente do aumento da competitividade, seus fundamentos e aplicabilidade estão sendo direcionados, principalmente, para as microempresas e empresas de pequeno porte no Brasil, consideradas a “base” da economia brasileira.

Veja Mais
Tédio é a falta de projeto
Dólar alto: bom ou ruim para o agronegócio?

Para se ter uma ideia, os micro e pequenos negócios somam um número expressivo: aproximadamente 99% dos estabelecimentos empresariais existentes no país.

De acordo com a Taxa de Atividade Empreendedora (TEA), o Brasil ocupa o sétimo lugar entre os países que possuem a maior quantidade de empreendedores no mundo. Em números absolutos, essa taxa significa aproximadamente 10 milhões de empreendedores.

Vale ressaltar ainda, algumas características em torno do estímulo que levam as pessoas a empreender. Em relação à motivação para empreender no Brasil, esse não é um fator primordial quanto a dez anos atrás. Para dar certo ou pelo menos aumentar a expectativa de vida do negócio o empreendedor tem que estudar e conhecer o negócio. Eu costumo falar que para dar certo precisa de 20% de paixão e 80% de transpiração.

Essas estatísticas demonstram a atual estrutura econômica do Brasil em torno da rigidez do mercado de trabalho, ou seja, as ofertas de trabalho insuficientes e seletivas acabam favorecendo a migração do empregado para a condição de “dono do próprio negócio”, principalmente, estimulado pela necessidade e oportunidade.

Entretanto, apesar dessa migração acontecer de maneira progressiva, a adoção de estratégias administrativas de negócios tem se mostrado um dos grandes pontos críticos para o fortalecimento das microempresas e empresas de pequeno porte, especificamente os que estão iniciando sua atividade empresarial, cujas debilidades gerenciais e dificuldades de acesso a mercados são agravados pela pouca ou nenhuma experiência como gestor da parte dos empreendedores.

Com isso, é necessário que políticas públicas de apoio às microempresas e empresas de pequeno porte estimulem ainda mais o empreendedorismo e a profissionalização, de forma que se crie um ambiente mais favorável e que os empresários possam ter condições de aperfeiçoamento técnico-gerencial. A universidade nunca foi tão importante nesse processo como hoje. Pelo menos 10% dos alunos de todas as turmas que leciono são empreendedores, cansaram de serem funcionários e resolveram seguir em voo solo.

(*) Glauber Halt, professor Pós-Graduação da Anhanguera-Uniderp e MBA em Negócios, Projetos e Marketing e Vendas.

Tédio é a falta de projeto
Recentemente, deparei-me com duas situações. Na primeira, eu almoçava com dois amigos, ambos na faixa dos 55 anos de idade, funcionários públicos bem...
Dólar alto: bom ou ruim para o agronegócio?
Claro, depende da hora e do mercado, exportação ou de mercado interno. Agora, falando da soja, o principal produto da pauta brasileira de exportações...
Marcas lutam diariamente para impactar as pessoas
Segundo pesquisas, temos contato com aproximadamente 2.000 marcas em um dia “comum” e menos de 300 delas ficam em nossa memória. Por isso, essas marc...
A modernização das leis do trabalho: oportunidade, não oportunismo
Crises econômicas em qualquer país do mundo ensejam debates sobre reformas. São nos cenários de recessão prolongada que as nações se defrontam com se...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions