A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 16 de Janeiro de 2017

14/12/2014 10:57

Empregados podem ser punidos com justa causa por excesso de internet

Por Graziela Santana (*)

Cada vez mais a internet vem sendo utilizada nas relações pessoais. O Brasil é o 2º país no mundo com maior número de cadastrados em redes sociais, perdendo apenas para os Estados Unidos, havendo, somente na rede Facebook, 46 milhões de cadastros.

Veja Mais
Criptografia: de arma de guerra a pilar da sociedade moderna
Sobre a liberação da venda de terras para estrangeiros no Brasil

Esse número elevado de usuários ensejou um problema para as empresas que passaram a monitorar os colaboradores, seja para fiscalizar o ócio, seja para verificar alguma falta cometida pelo funcionário, casos que têm aumentado a cada dia.

O que ocorre atualmente é que o profissional passou a postar comentários ou manifestações descuidadas no ambiente online, praticando excessos, que acabam por gerar penalidades no âmbito laboral e até mesmo a demissão.

Essa utilização incorreta pode e deve ser penalizada pelo empregador, uma vez que interfere, por muitas vezes, na produtividade do empregado e também acarreta mácula na empresa onde trabalha.

Nesse ínterim, cabe às empresas orientarem e estabelecerem os limites aos empregados, quando possível, para que estes se conscientizem dos abusos nas redes sociais, competindo ainda ao empregador, se resguardar, colhendo provas eficazes do desrespeito praticado por seus empregados, para então aplicarem as medidas cabíveis.

Esse fato se evidenciou em recente decisão do Tribunal Superior do Trabalho, onde foi confirmada demissão por justa causa de enfermeira que postou em redes sociais fotos dentro de uma UTI, denegrindo a imagem do hospital, ora empregador.

O fato é que o empregado deve sim observar que há regras de condutas morais e éticas a serem seguidas, mesmo que estas não estejam expressas, uma vez que em qualquer relação pessoal, incluindo a relação de empregador e empregado, deve-se manter o respeito, para que não haja assédio e dano a nenhuma parte.

Tal fato também deve ser observado pelos julgadores, que devem permanecer atentos ao tipo de comportamento do funcionário que lese a empresa e os demais colegas através das redes sociais.

É cristalino que a grande demanda trabalhista vem no sentido de que o assédio e o dano sempre são praticados pelo empregador, porém, o tipo de comportamento aqui pontuado deve ser coibido veementemente pelo juízo laboral, ensejando a penalização dos responsáveis.

Assim, é evidente que a exposição do local de trabalho, seja por fotos ou postagens, deve ser ponderada pelos usuários, para que não prejudiquem a imagem e a honra do empregador, gerando consequências desastrosas.

(*) Graziela Santana, advogada do escritório Mascarenhas & Barbosa Advogados Associados

 

Criptografia: de arma de guerra a pilar da sociedade moderna
A estratégia permitiu que vitórias impossíveis pudessem acontecer ao longo da história. São vários os casos de pequenos exércitos vencerem batalhas c...
Sobre a liberação da venda de terras para estrangeiros no Brasil
Terra, capital e trabalho compõem a clássica tríade dos fatores de produção que embasam as análises e cálculos econômicos desde a Economia Política, ...
Inclusão bancária no Brasil
O sistema bancário brasileiro atravessa um momento de aceleração na prestação dos serviços bancários, resultado da estabilidade econômica dos últimos...
Como é saber escutar no mundo digital
A maioria das pessoas sabe ou pelo menos já leu em alguma mensagem que para se comunicar adequadamente é preciso aprender a escutar. Sim, escutar sem...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions