A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 04 de Dezembro de 2016

06/08/2012 15:45

Eu quero uma medalha de bronze

Rodrigo Ostemberg (*)

Ouro? Vil metal que todos tentam conquistar em sua excelência. Pouco importa se para isso tenham que derrotar tantos outros, que com o mesmo objetivo, lutam insistentemente pelo abjeto dourado.

Veja Mais
Marcas lutam diariamente para impactar as pessoas
A modernização das leis do trabalho: oportunidade, não oportunismo

A incapacidade de sua conquista é objeto de constantes repulsas por parte de uma mídia, pouquíssima especializada e incapaz de reconhecer o benemérito da derrota. Derrota? Oposto da vitória, adjetivo sinônimo de incompetência, mas quem melhor que eles (nossos atletas) têm a competência e a capacidade de, ao menos, tentar?

Aquela máxima que diz que o importante é participar deve ter sido criada antes de Zeus laurear os vitoriosos com ramos de oliveira, pois, depois disso, a luta incansável pelo ápice grego passou a ser objeto de desejo de uma centena de milhares de pessoas, que a cada quatro anos, renovam as esperança.

Gladiadores entravam na arena com o objetivo de se manterem vivos. Hoje, a não obtenção de um pingente dourado é considerado por muitos, a morte de um atleta. Se o jogador de futebol morre duas vezes, (quando encerra a carreira e quanto desencarna) o atleta olímpico, morre a cada quatro anos, quando não conquista a o topo dourado. De uma olimpíada a outra, até mesmo o campeão morre. Eu sei, é um tanto paradoxal, mas o atleta olímpico, na ótica midiática, é um grande urso hibernado, que dorme durante quatro anos. Mas a culpa não é da mídia, e sim, de um sistema completamente falido, que aposta todas suas fichas em um ou dois atletas. Desta forma, se acertar na sorte grande, consegue respirar um pouco aliviado, e fazem desses atletas HERÓIS de uma nação que NÃO TEM objetivo esportivo.

Nos Estados Unidos o esporte é premissa universitária; em Cuba, um orgulho; e na China uma EXIGÊNCIA. Mas nos três grandes potenciais esportivos o INCENTIVO ao esporte é medalhista de ouro. Quem dera se aqui no Brasil fosse assim. Além de não ser, ainda fazem uma cobrança continental daqueles que abdicam de viver em sua pátria para ser atleta, já que não existem condições brasileiras de ser um atleta de ponta, e não é apenas pela falta de incentivo, mas pela falta de comprometimento com o esporte e com toda uma população, carente ou não, de programas esportivos. Não me refiro a programas televisivos, mas programas governamentais, como uma escola de atletismo, de ginástica, de natação, de hipismo, de quaisquer de sejam as modalidades olímpicas. Nas escolas públicas, no pouquíssimo horário de educação física, se brinca de futebol ou vôlei, até o basquete fica esquecido dentro da quadra escolar. Para um país, em que os esportes coletivos são seus maiores trunfos para a sonhada medalha É MUITO POUCO.

Parabéns aqueles que estão em Londres e não apareceram na TV, simplesmente porque seu esporte não é conhecido em NOSSA pátria, ou porque, seu resultado é ineficiente para o ibope televisivo. Essa ineficiência influencia, ainda, no patrocínio destes atletas uma vez que não tem retorno midiático, daí surge um novo drama para esses esportistas: a falta de investimentos privados nos esportes menos expressivos.

Nossos guerreiros têm, por muitas vezes, que trabalhar em um ou dois empregos, treinar e competir sem esses apoios e ainda fazer bonito, para que na olimpíada vindoura, talvez tenha alguém que queira investir nele.

É Brasil, nas olimpíadas da gestão esportiva, você não se classificaria nem em uma semifinal. Somos DE FATO um país de terceiro mundo. Tenhamos vergonha de nossos governantes e orgulho dos nossos atletas. Que venham muitas medalhas de bronze para o Brasil, pois só se chega ao ápice subindo degrau por degrau, e hoje estamos a dois passos do nosso objetivo, os dois mais difíceis passos de se dar: investimento e comprometimento.

(*)Rodrigo Ostemberg é jornalista e fotógrafo.

Marcas lutam diariamente para impactar as pessoas
Segundo pesquisas, temos contato com aproximadamente 2.000 marcas em um dia “comum” e menos de 300 delas ficam em nossa memória. Por isso, essas marc...
A modernização das leis do trabalho: oportunidade, não oportunismo
Crises econômicas em qualquer país do mundo ensejam debates sobre reformas. São nos cenários de recessão prolongada que as nações se defrontam com se...
Educação e o futuro da alimentação
Educação deve colaborar na preparação de todos para o pleno exercício da cidadania e, especialmente, formar os jovens para uma vida profissional que ...
Convenções internacionais e competitividade
O Brasil precisa atuar com mais critério na hora de analisar e ratificar convenções multilaterais, especialmente as negociadas no âmbito de entidades...



Parabéns pelo artigo Rodrigo, seria bom se essas palavras fossem lidas pelo governantes e mega empresários que se preocupam só em se promover, escapar das CPIS, e ainda têem coragem de ir a londres com todas as despesas pagas por nós, e querer comparar uma organização de primeiro mundo com a nossa, isso porque nem todos aprovam tudo o que acontece em Londres, isso pq já é a segunda vez lá.
 
Enéias Vieira em 06/08/2012 09:04:41
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions