A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 24 de Fevereiro de 2017

25/02/2014 18:11

Evolução digital

Por Luiz Gonzaga Bertelli (*)

Durante a revolução industrial, que se iniciou em meados do século XVIII, com a substituição dos processos artesanais pela manufatura, e da segunda revolução, já no século XIX, que implantou equipamentos mais sofisticados para os processos de produção, a preocupação da substituição do homem pela máquina já estava presente nas discussões. Surgiu na Inglaterra, até mesmo o movimento ludista – pessoas contrárias ao avanço tecnológico pelo temor da substituição da mão-de-obra humana. Os ludistas chegaram a invadir fábricas e quebrar equipamentos, culpando-os pelo desemprego e pelas péssimas condições de trabalho da época.

Trazendo essa discussão para os dias atuais, é bem provável que ainda existam pessoas que se posicionam contras os avanços (mais pacificamente, é claro), acreditando que o desenvolvimento da tecnologia prejudica a oferta de emprego. No entanto, a evolução da humanidade mostra que a utilização de máquinas, nos séculos XVIII e XIX, para alimentar a indústria trouxe muitos benefícios aos trabalhadores, aumentando e diversificando consideravelmente as oportunidades no mundo laboral.

O mesmo ocorre hoje, com uma espécie de revolução digital, motivada pelos efeitos da informática, da internet e de tecnologias de ponta em vários ramos de atividade. E, para os que insistem em dizer que o mundo informatizado prejudica o emprego, vejamos a seguinte realidade: até os anos 1980, a produção de máquinas de escrever era bastante significante, com a liderança de grandes multinacionais, como a italiana Olivetti. Hoje, viraram peças de museu. No entanto, os produtos substitutos da antiga máquina – os PCs, os notebooks, os tablets e os smartphones – originam grande número de postos de trabalho.

O mundo digital é uma realidade. É verdade que algumas carreiras estão entrando no ostracismo, como as de alfaiate, telefonista, ascensoristas. Mas novas profissões surgem com forte geração de emprego, como as que dão conta do desenvolvimento de aplicativos, de construção e manutenção de sites, de vendas on-line e de jogos para computadores. Ou seja, as revoluções tecnológicas, em nenhum momento da história, substituíram o ser humano pela máquina. Ao contrário, vêm para ajudar a criar novas demandas para a população do planeta, que não para de crescer.

(*) Luiz Gonzaga Bertelli é presidente executivo do Centro de Integração Empresa-Escola (CIEE), da Academia Paulista de História (APH) e diretor da Fiesp.

 

Desglobalização seletiva
Para muitos analistas, a desglobalização significa a tendência das nações se fecharem para o comércio internacional. Neste movimento estão incluídos ...
Terça-feira de carnaval não é feriado
Bem ao contrário do que a maioria pensa, a terça-feira de carnaval não é considerada oficialmente feriado nacional. O mesmo ocorre com a quarta-feira...
Desenvolvimento Sustentável: Utopia ou uma possibilidade real?
Ao enfrentar um novo paradigma na sociedade, a academia, o marketing empresarial, relatórios executivos e até discursos eleitorais apelam para a “con...
Novos pobres
Haverá, só neste ano, mais 3,6 milhões de brasileiros vivendo abaixo da linha da pobreza. É impossível (para quem ainda consegue estar saudável dentr...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions