A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 07 de Dezembro de 2016

20/02/2015 13:20

Exportações: boas perspectivas

Por Milton Lourenço (*)

Que o Brasil vem perdendo espaço nas exportações mundiais é indiscutível. Os números o provam. Segundo dados da Associação de Comércio Exterior do Brasil (AEB), a melhor participação do País ocorreu em 2011, quando o índice chegou a 1,41% de tudo o que se vende no planeta. Mas, desde então, esse índice só caiu: 1,33% em 2012, 1,32% em 2013 e 1,22% em 2014, marca igual à obtida em 2008, ano da deflagração da crise econômico-financeira mundial.

Veja Mais
Um galo para Asclepius
Tiro no pé ou tiro na mão?

É verdade que, nos últimos anos, o Brasil conseguiu superávits comerciais, mas isso foi à custa de fatores externos que provocaram uma evolução substancial das cotações e da demanda por commodities agrícolas e minerais. O resultado foi que o País voltou a atuar como fornecedor de matérias-primas, com sensível declínio da participação de produtos semimanufaturados e manufaturados nas exportações.

A título de exemplo, lembre-se que, em 2000, a participação de manufaturados nas exportações era de 59,07% e de commodities, de 38,21%. Em 2013, esses índices inverteram-se: 59,27% de commodities e 38,44% de manufaturados. E, mesmo assim, porque produtos como açúcar refinado, suco de laranja, etanol, óleos combustíveis e café solúvel foram classificados como manufaturados.

Esse mau desempenho do País no comércio exterior tem se refletido decisivamente na atuação da indústria, cuja produção recuou 3,2% em 2014, o pior resultado desde 2009, segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Para 2015, de acordo com previsão da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), a produção industrial deve cair mais 1%, dando continuidade ao atual processo de desindustrialização.

Por isso, faz bem o Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC), agora sob nova direção, em lançar o chamado Plano Nacional de Exportação (PNE), que prevê medidas para a melhoria do ambiente de negócios e o desenvolvimento de 37 mercados prioritários. Na lista, estão classificados como mercados especiais Argentina, Turquia e Irã.

O plano pretende ampliar a promoção comercial, principalmente com a realização de mais missões, com o objetivo de aumentar o acesso aos mercados com acordos comerciais, de investimento, diminuir as barreiras às exportações e aumentar a utilização de ferramentas de apoio ao exportador, além de garantias de financiamento – em que propõe a entrada dos bancos privados no crédito ao exportador.

Do plano, não constam novas desonerações. Tampouco há a garantia de que as desonerações já estabelecidas serão mantidas, como o Regime Especial de Reintegração de Valores Tributários para as Empresas Exportadoras (Reintegra), provavelmente porque as desonerações adotadas até agora pouco ou nenhum resultado obtiveram. Com o real desvalorizado diante o dólar, supõe-se que teriam ainda menos efeito.

Seja como for, o que se espera é que o plano seja acompanhado por outras medidas que visem ao fortalecimento e ampliação do setor industrial. E, principalmente, por negociações que recoloquem os produtos manufaturados brasileiros em mercados importantes, como Estados Unidos e União Europeia.

(*) Milton Lourenço é presidente da Fiorde Logística Internacional e diretor do Sindicato dos Comissários de Despachos, Agentes de Cargas e Logística do Estado de São Paulo (Sindicomis) e da Associação Nacional dos Comissários de Despachos, Agentes de Cargas e Logística (ACTC). E-mail: fiorde@fiorde.com.br. Site: www.fiorde.com.br.

Um galo para Asclepius
Sócrates, o filósofo ateniense, cujos preceitos influenciaram o pensamento ocidental de forma muito marcante e definitiva, tinha uma característica: ...
Tiro no pé ou tiro na mão?
Embora a economia do País tenha dado tímidos sinais de recuperação nos últimos tempos, a verdade é que ainda precisamos avançar mais e com velocidade...
Avaliação escolar: o peso de uma nota na vida do aluno
"Poderão esquecer o que você disse, mas jamais irão esquecer como os fez sentir." (Carl W. Buechner) Hoje, quero compartilhar uma grande decepção que...
Comércio exterior: o que esperar de 2017
Apesar das tintas carregadas com que alguns analistas têm pintado o cenário para o Brasil em 2017, em razão da crise política entre o Congresso e o P...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions