A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 20 de Janeiro de 2017

13/02/2015 15:08

Felicidades e perdas

Por Dominique Magalhães (*)

É comum procurarmos motivos capazes de justificar ou descrever nossa felicidade. Acreditamos que seremos realizados quando tivermos um carro novo, uma promoção no trabalho, um novo corte de cabelo, cinco quilos a menos, um belo guarda-roupa ou aquele amor considerado "perfeito". Mas, até que ponto essas coisas são realmente necessárias para nos fazerem sorrir? E por quanto tempo?

Apostamos todas as nossas fichas em algumas destas sentenças e é aí que colocamos tudo a perder. A felicidade não é plena, constante, imutável.

Ouvia sempre um "chavão" no colégio quando o assunto era desilusão com garotos: "Se ama alguém, deixe-o livre. Se voltar é porque sempre foi seu". Nunca entendi muito bem, pois sempre considerei a liberdade como direito natural. Para algumas pessoas, o parceiro é livre enquanto "seu", dentro do "seu" espaço, agindo de acordo com "seus" pensamentos.

De cada relação, procure ver o que lhe agrada e o que não cabe em sua vida. Relacionamento, seja de amor ou de amizade, também é aprendizado. Não podemos nos julgar donos dos outros. Somos todos pássaros, de passagem...

Recentemente, uma amiga muito especial foi ceifada por um amor passional. Por não querer mais viver num relacionamento conturbado, teve sua vontade calada por uma arma branca. Muito triste. E como podemos impedir que isso aconteça? Tirar a vida de alguém é inadmissível.

É preciso saber aceitar um "não", é preciso respeitar a vontade do outro e é preciso saber lidar com as perdas lucidamente.

Ser feliz não seria entender a real importância das pessoas? Sentimentos e a compreensão do tamanho das coisas?

Se não sabemos quem somos, nunca entenderemos a felicidade.
Se não identificarmos a música que nos emociona, a pintura que nos fala, o sabor que nos agrada, não nos reconheceremos. Sem identificar nossos próprios sentimentos, habilidades e gostos, estaremos vazios e também não enxergaremos o outro. Se eu me conheço, me reconheço no próximo.

Todo relacionamento, seja ele amoroso ou de amizade tem sua razão de existir e seu próprio tempo. É preciso aceitar isso. A honestidade é a solução para que tudo funcione. Olhe nos olhos, seja gentil e procure usar suas melhores palavras, assim como gostaria que fizessem com você.

Entenda que para conquistar a felicidade, também é preciso saber perder. Quem sabe perder, ganha o jogo.

(*) Dominique Magalhães, empresária e autora do método “Dom” e “Projeto Social Dom – Qual é o seu dom?"

Chacina e colapso nas prisões brasileiras
Nestes poucos dias do Ano da graça de 2017, o Brasil e o Mundo viram estarrecidos o massacre brutal de cerca de pelo menos 134 detentos, dentro das p...
Em busca da competitividade sustentável para o agronegócio
O papel da sanidade animal e vegetal Há décadas as questões sanitárias de plantas e animais integram a lista das preocupações do agronegócio brasilei...
Elementos da teoria da decisão
A propósito do fim do ano de 2016 (terrível na política e na economia) e com o ano de 2017 (com esperanças de que as coisas melhorem), participei de ...
O diálogo inter-religioso
Desde a declaração Nostra Aetate, do Concílio Vaticano II, a Igreja busca manter o diálogo inter-religioso. Aí surge a pergunta: Por que o diálogo co...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions