A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 17 de Janeiro de 2017

29/06/2012 10:00

Festas juninas, entre passado e futuro: aqui e agora

Por Jaime de Almeida (*)

Falando de festas, geralmente hesitamos entre duas perspectivas quase excludentes: buscar regularidades imperceptíveis de um fenômeno imemorial, ou enfrentar a concretude única da festa, aqui-e-agora.Imersos numa cultura letrada, ciosa de grandes transformações sociais ocorridas ao longo de um tempo cuidadosamente medido que tende a acelerar-se vertiginosamente, nossa tendência recorrente é apreciar festas tradicionais, como as de São João, no registro da saudade.

Veja Mais
Hoje eu me lembrei...
Sistema carcerário brasileiro clama por ajuda

As festas juninas são nossa grande oportunidade anual de reviver artificialmente um tempo que nunca vivemos efetivamente. Para a maioria, elas evocam a nostalgia da infância escolar, quando nos iniciamos na representação letrada, urbana e saudosista/progressista do passado nacional, segundo o programa folclorista estabelecido nos começos do século XX. Muitos somaram a esse primeiro estrato vivido da memória outras festas da adolescência e agora, melhor ainda, emocionam-se profundamente ao introduzir seus filhinhos na cultura festiva de São João.

A temporada das festas juninas chega a superar a do carnaval em cidades nordestinas que competem pela massa de turistas em férias escolares e parlamentares. Em outras regiões, nas festas de peão acopladas às exposições agropecuárias, os jovens já não precisam fantasiar-se de caipiras e agora são country.

Menos massivo, agora com muitos novos destinos, o êxodo rural continua drenando populações rurais para o mundo urbano. Nesse território desconhecido e perigoso, as igrejas evangélicas, que são a mais importante rede de sociabilidade, flexibilizam sua radical ruptura com as tradições festivas católicas e começam a admitir “arraiais gospel”, pois é difícil convencer as famílias recém-chegadas a proibir a participação de suas crianças nas festinhas escolares regidas pelos Parâmetros Curriculares Nacionais.

Neste solstício de inverno de 2012, as festas juninas recriam mais uma vez a ilusão coletiva de retorno à inocência e alegria de um passado rural perdido para sempre. Enquanto isso, a Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável (Rio +20) reforçou nossa nova percepção do tempo: o futuro já não nos promete a realização de todos os sonhos de progresso da humanidade – agora, em lugar de acelerar, muitos ativistas sociais procuram frear o crescimento das forças produtivas, replantar florestas e acertar o passo com os povos ancestrais.

O nome Rio+20 assinala a urgência da contagem regressiva em que cada década é convocada a prestar contas das medidas efetivamente tomadas em defesa do equilíbrio planetário. Estamos intimados a avaliar o que se fez desde junho de 1992, quando a mesma cidade sediou a Conferência das Nações Unidas sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento (Rio-92).

Há 20 anos, comemorava-se o V Centenário da América; as festas juninas ganharam temas e acentos ecológicos; o grande assunto era a denúncia de corrupção feita por Pedro Collor contra o seu próprio irmão, o presidente Fernando Collor de Mello. Logo as alegres multidões de jovens tomariam as ruas com suas caras pintadas. Quando findava setembro, o presidente renunciou e o país acreditou que ali se encerrava, enfim, o ciclo político perverso aberto pelo golpe militar de 1964.

Nas festas juninas de 2012, sem ânimo para olhar os santos do mês nos mastros tradicionais, muitos brasileiros observam perplexos a foto em que Lula e Maluf se abraçam nos jardins de certa mansão da Avenida Paulista.

(*) Jaime de Almeida é professor do Departamento de História, da Universidade de Brasília. Possui Bacharelado e Maîtrise em História pela Universidade de Paris VIII; Licenciatura e Doutorado em História Social pela Universidade de São Paulo; e estágio pós-doutoral na Universidade de Paris I.

Hoje eu me lembrei...
Nestes tempos conturbados que estamos vivendo, em que muitos buscam um culpado para eximir-se de suas responsabilidades, em que nos esquecemos que no...
Sistema carcerário brasileiro clama por ajuda
O ano começou com uma bomba relógio, que já ‘tic-tateava’ há muitos anos, explodindo. As rebeliões em presídios de todo o Brasil deixaram mais de 120...
Mais um ano difícil
A economia brasileira inicia 2017 com a combinação de otimismo moderado e preocupação. A perspectiva levemente otimista se fundamenta na expectativa ...
A atuação das empresas na era do talentismo
No atual cenário em que vivemos, com crise financeira em diversos países, catástrofes ambientais e diferenças sociais, engana-se quem acredita que es...



Parabéns pelo artigo! Lindo. O mais importante do texto que eu achei, foi o paradoxo entre o passado e o futuro, muito bem distribuido na linguagem, com uma ótima pitada na política.
 
Gilson Giordano em 29/06/2012 12:10:18
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions