A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 06 de Dezembro de 2016

07/06/2013 08:40

Feudalismo do governo, índios e MST

Por Ruy Sant’Anna (*)

Os produtores rurais devem tomar cuidado com as investidas do governo federal que, como sempre, pratica sua política de morde e assopra ou muitas vezes só morde..., sinalizando com o feudalismo aos que tiraram o país do sufoco econômico.

Veja Mais
Comércio exterior: o que esperar de 2017
Tédio é a falta de projeto

Foi graças à potência agrícola dos agropecuaristas brasileiros, e à força do agronegócio, que o país saiu-se muito bem das recentes crises econômicas que afetaram a economia mundial.

Por isso, ao contrário que quer que pareça a presidente Dilma, destaco que o agronegócio inicia e conclui esse processo desenvolvimentista no campo. Seja na agricultura ou na pecuária. No campo!

Sob o sol que muita vez torra a terra e quem sobre ela trabalha, ou sob a inclemência da chuva que arrasta ou inunda as plantações.

O agronegócio apesar do jeitão burocrático não nasce em escritórios refrigerados ou artimanhas palacianas. Feijão, cana, soja, arroz, etc. não nascem em escritórios palacianos.

É preciso muito trabalho e riscos com o clima e atraso na liberação de empréstimos, prejuízo com a perda da produção, além das ameaças do governo federal.

Mais recentemente apareceram os indígenas instruídos pela FUNAI, CIMI e ONGs; e mais agora o MST. Tudo para “melhorar” a vida de quem trabalha e produz para o povo e o País e para o crescimento próprio. Por que não? Nem relógio trabalha de graça.

Quando me refiro ao feudalismo, falo de todos os brasileiros e em especial dos produtores rurais que têm de trabalhar os cinco primeiro meses do ano só para pagar impostos. Muito mais do que os da Idade Média que trabalhavam dois meses para pagar seus senhores.

Além de trabalhar cinco meses para pagar impostos, os produtores rurais ainda tem a chaga das invasões e destruições induzidas por manipuladores dos índios, que pelas táticas de barbarismo,pretendem que sigam às manobras do MST.

Lembra da história dos mascarados no meio dos índios, na Fazenda Buriti? Essa é uma das formas do MST destruir, o que não constrói. Os “amigos” dos índios, pelo jeito, pretendem que eles sigam as táticas e manhas dos “emeessetistas”.

Eles não caíram do céu. Fazem parte de planos e promessas, de alguém ou algum lugar. Não posso afirmar. Mas, é estranho, não?

A sanha maldita da terra arrasada, não é do costume indígena. Isso parece coisa ensaiada, enquanto aguardavam a chegada desse reforço mentor, mais radical.

Se a Guarda Nacional demorar na ação objetiva de reter esses grupos, a guerra a que se referem os índios como já iniciada, pode ser observado como um erro de avaliação. Os produtores rurais, todos titulados, sem grilagem, nem ilegalidades, ao sentirem o marasmo do governo federal, seus avanços e recuos, não estão dispostos a entregar o que é seu, aos mãos grandes.

Aí, se a Justiça não definir o lado da balança e ou o governo federal não agir rápido, a guerra realmente pode começar com a reação dos lavradores e pecuaristas, diante de novas, e sangrentas invasões.

Os índios não tinham feito acordo de não invasão? Não passou um dia e quebraram a promessa.

Está mais do que na ora de enxergar o X da questão e por o pingo nos i. Sofismar, ou contemporizar nessa hora, é prejuízo na certa. Já assistimos entristecidos a mortes, sim mortes e feridos, do lado dos índios e dos produtores rurais.

Esse recuo da decisão da justiça, em reanálise judicial, só está alimentando a vaidade vesga de protetores inteligentes e instruídos, que podem repassar tal decisão como “um pano quente”, a “mão na cabeça” dos indígenas. O que não é, em hipótese nenhuma.

Mas, se tem alguém que prefere a desinformação, esse é um prato cheio. Por isso a urgência na decisão é super necessária.

Meu espaço é curto e o tema é vasto. Queira o Grande Arquiteto do Universo, o Deus único e universal, que a Justiça se faça, sem muita demora e que sobretudo a União a quem cabe o poder de decisão assuma essa responsabilidade, de vez.

Que finalmente a paz da civilidade, do respeito mútuo, da justiça e da condição de trabalho e desenvolvimento, volte para Mato Grosso do Sul, sua gente e governo estadual. Todos merecemos essa paz. Nessa questão não deveria ter lados.

Com esse firme pensamento e atitude, lhes estou bom dia, o meu bom dias pra vocês.

(*) Ruy Sant’Anna é jornalista e advogado.

Comércio exterior: o que esperar de 2017
Apesar das tintas carregadas com que alguns analistas têm pintado o cenário para o Brasil em 2017, em razão da crise política entre o Congresso e o P...
Tédio é a falta de projeto
Recentemente, deparei-me com duas situações. Na primeira, eu almoçava com dois amigos, ambos na faixa dos 55 anos de idade, funcionários públicos bem...
Dólar alto: bom ou ruim para o agronegócio?
Claro, depende da hora e do mercado, exportação ou de mercado interno. Agora, falando da soja, o principal produto da pauta brasileira de exportações...
Marcas lutam diariamente para impactar as pessoas
Segundo pesquisas, temos contato com aproximadamente 2.000 marcas em um dia “comum” e menos de 300 delas ficam em nossa memória. Por isso, essas marc...



5 policiais baleados, foram recebidos à bala, um foi salvo pelo celular. Direitos constitucionais de quem produz alimento virou lixo? Quem apoia as invasões porque não vai à Venezuela ver o resultado da implantação do regime "justo" que, com o MST preconizam? Inveja mata!
 
Valfrido M. Chaves em 08/06/2013 09:53:04
Estou com voce jornalista Rui Sant'ana , em " ipsis-literis ', e a continuar as invasoes e desapropriacoes dos produtores rurais em favor dos 'indigenas, a exemplo do que ocorreu no Raposa Serra do Sol que a justica tomou dos produtores de arroz e deu aos indios, e que recentemente a Tv Globo colocou no ar uma reportagem sobre aquela imensa area e constatou: _ A gleba virou um deserto..._ la' Nada mais se produz!!!!!!!!!!!!!!! Os indios que la habitavam mudaram--se para a cidade e sobrevivem com a bolsa familia do governo..........Para nos representa TUDO PELO NADA....Assim estra proximo o dia que tendo dinheiro NADA havera de alimentos para comprar....................................................;;;;;;Engenheiro Agronomo Nilson Fontanari
 
Nilson Fontanari em 07/06/2013 22:27:21
Tá bom a realidade hoje, agora é essa em nosso estado muitas terras pra pouco latifundiários. Os Sem-terra, já se juntou com os índios, não há como recuar. Agora parem com opiniões já ultrapassadas, requentadas e deturpadas. Deixa a Justiça e o Executivo resolverem. Nosso estado está infestado da dengue, agora a gripe já chegou pra matar.
 
Carlos Lamarca em 07/06/2013 10:38:23
Esse morde e assopra é um tanto estranho!! pois quem arca com toda essa baderna nunca é consultado, apesar de nunca se manifestar! Os "Indígenas" não são cobrados em nada, os agricultores tem que arcar com muita coisa, mas trabalham e produzem para isso e a opinião dos "brasileiros" não conta? levando em conta que é quem vai arcar com mais esse desmando!
 
Caio Prado em 07/06/2013 10:03:46
Texto perfeito..... me salta aos olhos a quebra de todos os princípios jurídicos nestes casos.
O direito a propriedade foi dilapidado, as ordens judiciais não valem nada... este é o perfeito caso de insegurança jurídica.
Infelizmente não se trata de "morde e assopra", e ao meu ver, o sistema feudal é pouco para exemplificar a situação.
Está mais para batalhas medievais, onde o Estado colocou Índios e produtores rurais para degladiar até a morte!
É no mínimo trágico tal situação.
 
HERMES ALENCAR DE LIMA em 07/06/2013 09:22:46
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions