A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 06 de Dezembro de 2016

29/07/2016 14:49

Flor do amanhã

Por Rosildo Barcellos (*)

Continuo acreditando que tudo é uma questão de tempo... o tempo que não temos mais, mas que carrega o tempo que o tempo tem. E quando pensamos no tempo, o que vem à mente é sempre a nossa infância e depois o que fizemos com nossa maioridade.

Veja Mais
Tédio é a falta de projeto
Dólar alto: bom ou ruim para o agronegócio?

E assim o Estatuto da Criança e do Adolescente publicado em 16 de julho de 1990, retificado em 27/09/1990 e com um novo recheio oriundo da lei 12010/09, completou 26 anos de existência. A referida norma é considerada um marco na história dos Direitos Humanos brasileiros.

Toda esta questão desafia-nos ante o cenário das políticas públicas, para a sociedade brasileira e, por que não dizer, do mundo, na defesa de um novo tempo para nossas crianças e adolescentes, o que queremos e esperamos deles. Além de toda essa preocupação, ainda estamos enfrentando alguns desafios. O primeiro trata da exploração sexual, o segundo, da redução da maioridade penal no país de 18 para 16 anos e o terceiro traz em seu bojo a gravidez não planejada na adolescência, aliado a evasão escolar e a falta de educação na plenitude da palavra.

Não obstante o ECA ser fruto de intensa mobilização da sociedade, ele se tornou norte para países e organismos internacionais no que se deve percorrer para o pleno desenvolvimento da infância e adolescência. Evidentemente que se levarmos em consideração o tempo, em mais duas décadas muito se fez, mas o desafio da mudança de paradigmas continua a ser um óbice na construção da integralidade na proteção dos sistemas de políticas públicas e sistemas operacionais.

É mister e concomitantemente imprescindível, a prática articulada da prioridade absoluta nos poderes judiciário, legislativo com reflexos na atividade policial, posto que, ainda existem muitos dilemas a serem enfrentados. Um deles é o cumprimento da legislação em toda sua extensão. Há um distanciamento entre a realidade e o previsto legalmente para gerar cidadania.

Há necessidade premente de priorizar políticas e estratégicas definindo as linhas de ações: que perpassam por uma mudança no panorama legal, além de uma reordenação das Instituições Executoras das Medidas Protetivas e Socioeducativas em conteúdo, método e gestão o que resultará evidentemente em uma melhoria das formas de atenção direta, preparando os operadores da política de atendimento para compreender, aceitar e praticar o paradigma que se apresenta pueril. Quando por fim vislumbramos o cenário da dignidade das crianças e adolescentes do Brasil, percebemos que precisamos urgentemente de uma ação corresponsável. Como queremos um futuro melhor se não cuidamos de nossas crianças?

A interconexão das políticas é a necessidade do momento. É imperioso fazermos converter nossas ações em,atuação para a garantia dos direitos da criança e do adolescente e mais do que o fortalecimento de nossas próprias corporações e entidades precisamos fortalecer a família, dar oportunidade de emprego e apoio aos mais carentes e cada um de nós sermos multidisciplinares, multissetoriais e multiprofissionais na defesa e garantia e promoção dos direitos dessas crianças e adolescentes; para num segundo momento investir e ampliar a participação dos mesmos como elemento transformador e finalmente começar a construir a nossa história!

(*) Rosildo Barcellos é articulista

Tédio é a falta de projeto
Recentemente, deparei-me com duas situações. Na primeira, eu almoçava com dois amigos, ambos na faixa dos 55 anos de idade, funcionários públicos bem...
Dólar alto: bom ou ruim para o agronegócio?
Claro, depende da hora e do mercado, exportação ou de mercado interno. Agora, falando da soja, o principal produto da pauta brasileira de exportações...
Marcas lutam diariamente para impactar as pessoas
Segundo pesquisas, temos contato com aproximadamente 2.000 marcas em um dia “comum” e menos de 300 delas ficam em nossa memória. Por isso, essas marc...
A modernização das leis do trabalho: oportunidade, não oportunismo
Crises econômicas em qualquer país do mundo ensejam debates sobre reformas. São nos cenários de recessão prolongada que as nações se defrontam com se...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions